CIUR – CRESCIMENTO INTRA UTERINO RESTRITO. O QUE É ISSO?

Compartilhe:

Quantas vezes uma gestante ouve “seu bebê tá grande”, ou ainda “seu bebê tá muito pequeno hein”, não é verdade?! Mas quando isso deixa de ser terror das pessoas, e realmente devemos ter atenção?! Vem comigo e vamos entender melhor, em especial, sobre a RCIU – crescimento intra-uterino restrito, que atinge de 10 a 15% das gestações, segundo o Ministério da Saúde.

LÁ NA ULTRASSOM

imagem: pexel

Ao fazer o exame de imagem (ultrassonografia), todas as medidas do bebê são avaliadas e calculadas, e a partir daí, essas medidas entram numa tabela de percentil fetal (esse termo, inclusive você já deve ter ouvido falar também). E é justamente esse percentil que vai nos dizer se o bebê está se desenvolvendo como o esperado ou não, ou seja, se ele está na média dos bebês da mesma idade gestacional, ou se está acima da média (bebê muito maior do que o esperado), ou se está abaixo da média (bebê muito menor do que o esperado).

A restrição de crescimento intra-uterino acontece quando o bebê não atinge o tamanho esperado pra sua idade gestacional, ou seja, ele está abaixo do percentil 10 (para entender sobre o percentil, confere esse texto aqui). E a partir desse resultado, é necessário avaliar vários fatores, e a alimentação da mãe e qualidade da placenta e do cordão umbilical são um deles.

VAMOS FALAR DOS BEBÊS PIG (pequeno para a idade gestacional)

imagem: publicdomainvesctors

Pig, sigla dada para os bebês que são menores do que se espera para a sua idade gestacional. São bebês que não seguem a média. Muitas das vezes, esses bebês estão com ciur (crescimento intra-uterino restrito). E não sendo possível tratar esse bebê dentro do útero para que ele esteja, pelo menos, na média, o parto é antecipado antes que o quadro se agrave, pois se o bebê não está crescendo, sinaliza que o ambiente uterino não está favorecendo o seu desenvolvimento.

Bebês assim podem nascer com baixo peso, baixa resistência à infecção, nota de apgar mais baixa, hipoglicemia, dificuldade de manter temperatura corporal, desenvolvimento de doenças na vida adulta, e podendo, inclusive, em casos mais graves, chegar a óbito.

IMPORTÂNCIA DE UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR

Voltando a falar do exame de imagem, é o médico da ultrassom que primeiro sinaliza essa deficiência. Ao perceber que o bebê não está enquadrado no percentil, ele irá orientar os pais e sinalizar o obstetra que está acompanhando o pré-natal, podendo haver também uma indicação para um nutricionista.

E porque juntar esse monte de gente? Pra avaliar e discutir o que pode estar causando essa restrição, na intenção de sempre buscar a melhor solução. As causas para a restrição podem ser várias, como por exemplo, insuficiência placentária (como a placenta é a grande responsável pelo transporte de oxigênio e nutrientes da mãe para o bebê, se a placenta apresenta alguma “falha, esse transporte fica comprometido), pressão alta, doença cardíaca, diabetes, desnutrição, anemia, consumo de álcool, cigarro ou drogas e algumas infecções.

imagem: alexas fotos/pixabay

Por isso, a importância de profissionais multidisciplinares, que avaliarão a alimentação, as taxas no sangue, históricos anteriores, etc, tudo para compreender o que pode estar causando a ciur – crescimento intra-uterino restrito e buscar o tratamento.

E SE ESSE DIAGNÓSTICO VIER, O QUE FAZER?

1 – Respirar fundo e manter a calma.

2 – Buscar profissionais de confiança e atualizados.

3 – Se informar com base em evidências científicas.

4 – Fazer acompanhamento com nutricionista e melhorar a alimentação.

5 – Fazer os exames necessários e nos períodos solicitados.

6 – Manter o pré-natal rigorosamente, até perceber mudanças no resultado.

7 – Busque descansar e relaxar.

8 – Tenha hábitos saudáveis (físicos e alimentares)

CAUSA E TRATAMENTO

E após a identificação da causa, pode haver diversos tipos de tratamento. E aí, é observar se o bebê corresponde ao tratamento, ou seja, crescendo e se desenvolvendo. Se tudo estiver bem, é só monitorar durante o pré-natal e seguir com a gestação. Se o bebê não corresponder a nenhum recurso, cabe avaliar e decidir, diante da idade gestacional, sobre o parto. Lembrando sempre que a decisão parte do “onde é mais seguro pro bebê estar, crescer e sobreviver?”, pois, às vezes, será necessário interromper a gestação e deixar o bebê na utin, onde ele poderá continuar o processo de desenvolvimento dele.

via GIPHY

Claro, que tudo isso, deve ser avaliado, pensado e decidido em conjunto, com profissionais atualizados e de confiança. Por isso, cerque-se de profissionais que acreditem em você, e na sua gestação; que estejam sonhando com esse bebê tanto quanto você.

E se tiver alguma dúvida, pode perguntar aqui. Será uma alegria te ajudar.

E quando chegar a hora do seu bebê nascer uma boa hora pra vocês! Que seja lindo, leve e intenso!!!

REFERÊNCIAS

http://revista.hupe.uerj.br/detalhe_artigo.asp?id=493

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/etiologia_restricao_crescimento.pdf

https://www.febrasgo.org.br/media/k2/attachments/VolZ46Z-ZnZ6Z-Z2018.pdf

https://pebmed.com.br/acog-2019-saiba-como-manejar-o-crescimento-intrauterino-restrito/

Compartilhe:

5 respostas para “CIUR – CRESCIMENTO INTRA UTERINO RESTRITO. O QUE É ISSO?”

      1. Esse é nosso maior objetivo. Informar para que os casais estejam seguros para buscar assistencia e parto respeitosos. Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.