Da Filosofia à Humanização do Parto

Compartilhe:

Acredito muito que a gestação, o preparo para o parto e principalmente o parto tenham um enorme poder de transformação na vida de uma mulher. Eu, funcionária pública, estudante de Filosofia, mãe de dois filhos, nunca me imaginei sendo mãe pela terceira vez e menos ainda que eu conheceria todo um universo que mudaria minha vida para sempre. Parece clichê, mas depois que a gente tem uma experiência positiva de parto a gente quer que mais e mais mulheres possam viver esse momento da melhor forma possível. Eu adquiri muito conhecimento na preparação para o meu parto, senti que devia usar para auxiliar outras mulheres e assim fiz e faço até hoje.

Duas gestações, dois filhos, duas cesáreas

Tive meus filhos mais velhos em 2008 e 2011, na época sem informação, não acessava a internet com frequência, imaginava que era só entrar em trabalho de parto, ir para o hospital e parir.

O primeiro, 36 semanas, consulta de pré natal, líquido saindo desde a madrugada, o médico confirma bolsa rota e manda internar. Após 24 horas com bolsa rota e só 4 cm de dilatação, a médica me avisa que eu iria para cesárea. Fui chorando, de medo, de frustração. Foi traumatizante, ouvi xingamentos, demorou 40 minutos para tirar o Pedro (com fórceps) da minha barriga, fiquei sozinha na recuperação, meu filho ficou 9 dias internado na Unidade Semi Intensiva devido a pneumonia contraída no nascimento.

Na segunda gestação, de novo o desejo de parto normal, sabia que a cesárea anterior não era impedimento, mas de novo não tinha informação suficiente para entender como funciona o sistema obstétrico brasileiro. Entrei em trabalho de parto espontâneo com exatamente 40 semanas e chegando ao hospital com 5 cm de dilatação fui submetida ao exame de cardiotocografia onde, segundo o médico de plantão, acusava uma desaceleração nos batimentos do Francisco durante as contrações. Fui levada às pressas para a cesárea, muito abalada por não ter conseguido o parto normal (de novo!). Foi rápido, com profissionais mais empáticos dessa vez. Mas após o nascimento eu vi a história se repetir: sozinha durante muitas horas na recuperação e bebê internado na semi-intensiva – dessa vez por taquipneia transitória do recém-nascido.

Foto: arquivo pessoal

Terceira Gestação

Quando o Francisco tinha alguns meses de vida me separei, comprei uma casa, fiz concurso público e entrei na faculdade de Filosofia. Era um sonho meu: ser Professora de Filosofia. Na faculdade conheci meu atual marido, começamos a namorar e uns meses depois me vi grávida de novo. Não era planejado nem desejado, o foco naquele momento era terminarmos a graduação.
Além de todos os sentimentos que uma gestação não planejada nos traz, o meu pior pavor era uma realidade agora: a terceira cesárea! Era ano de 2016 e eu ainda não conhecia o movimento de humanização do parto e acreditava que depois de duas cesáreas o parto normal era impossível.

Na primeira consulta de pré natal pelo meu plano de saúde a obstetra já foi taxativa que seria cesárea de novo. Avisei ela que eu iria para o plantão, não agendaria uma cesárea com ela pois queria ao menos entrar em trabalho de parto e segui o pré natal normalmente. Durante uma consulta eu perguntei a ela por qual motivo eu não poderia ter um parto normal dessa vez. Ela respondeu que eu teria uma ruptura uterina que seria fatal tanto para mim quanto para meu bebê.

Curiosa que sou, não me contentei apenas com essa resposta e fui procurar mais informações sobre a ruptura. Descobri que não apenas era possível como provavelmente era mais seguro ter um parto vaginal do que uma terceira cirurgia. Entrei em grupos virtuais de apoio e conheci o trabalho da Doula. Contratei uma Doula e estudei muito, durante os meses de gestação todo o meu tempo livre era dedicado a estudo sobre parto normal, principalmente VBAC (sigla em inglês para parto normal após cesariana).

O Parto como renascimento

Foto: arquivo pessoal

Com 39+4 semanas tive uma consulta de pré natal e depois passei a tarde com minha Doula em casa. Fizemos arte gestacional, rimos muito, conversamos…por volta de meia-noite acordo com um “ploc” e um líquido escorrendo. Fiquei tranquila, avisei o marido e a Doula e passamos a noite com contrações mas ainda descansando entre elas, o tampão saía aos poucos, o Lourenço continuava mexendo e o líquido clarinho saía aos poucos. Quando amanheceu fomos caminhar e por volta de 10 horas decidimos ir ao hospital avaliar. Chegando no hospital, nitidamente meu trabalho de parto travou, era o mesmo hospital onde eu tive as duas cesáreas. A médica de plantão me examinou e disse que eu iria para a cesárea por já ter duas anteriores. Chorei agarrada no pescoço da Doula e decidi que não aceitaria a cesárea. Fui para outro hospital e dessa vez tive meu tão sonhado parto normal, com 18 horas de bolsa rota, trabalho de parto ativo de apenas 3 horas, induzido com ocitocina, sem cortes, sem desrespeito.

Foto: arquivo pessoal

O que mais me marcou nesse parto foi meu marido dizendo “tu conseguiu!” assim que o Lourenço nasceu. Ele tinha duas circulares de cordão no pescoço – o que não representa risco nenhum, mas comumente é usado pelos obstetras como desculpa para uma cesariana -, não foi aspirado, nem recebeu colírio nos olhos, não tomou banho no primeiro dia e ficamos mais de uma hora no contato pele a pele. Não foi um parto humanizado, mas foi o parto que sempre quis, do jeito que foi possível dentro de um sistema obstétrico tão complexo quanto o nosso. O sentimento de conseguir parir um filho depois de tanto querer e não me ser permitido é indescritível, naquele momento eu senti que eu poderia fazer qualquer coisa na vida!

Ativismo e Doulagem

Como a maioria das mulheres que entram no movimento de humanização e passam pela experiência de superação de um ou mais partos roubados pelo sistema, eu me tornei ativista do parto e não parei mais de estudar sobre o tema. Em 2017 me tornei Vice-Presidente de um grupo presencial de apoio ao parto humanizado na minha cidade e em 2018, me tornei administradora de um grande grupo virtual de apoio ao parto natural, grupo esse que me ajudou imensamente na busca pelo meu parto. Ainda em 2018, após muitas amigas me dizerem que eu deveria me tornar Doula, eu fiz o curso e atendi meu primeiro parto como Doula backup, um parto humanizado, intenso, na banheira.

Foto: Susana Pacheco – Pingo de Gente Memórias do Parto

Hoje tento ajudar mulheres a terem uma experiência mais positiva de nascimento dos seus filhos através da informação e do suporte contínuo. Acredito que todas as experiências que tive na minha vida até hoje – inclusive ter passado pela graduação em Filosofia – contribuem no meu trabalho e ativismo e sou muito grata a isso e às pessoas que me incentivaram a fazer o curso e me incentivam no meu trabalho.

Atualmente trabalho como Doula e Educadora Perinatal na cidade de Pelotas-RS, possuo curso de Aromaterapia e Spinning Babies e faço Arte Gestacional. Sou Vice-presidente do grupo Nascer Sorrindo Pelotas, que realiza rodas de conversa mensais, e sou administradora da Parto Natural, maior grupo virtual de apoio ao parto e informações baseadas em evidências científicas.

Se quiser saber mais sobre meu trabalho e/ou ser adicionada aos grupos de apoio, clique aqui.

Contato:

Whatsapp: (53) 98126-3503

e-mail: julianabvictoria@gmail.com

Instagram: https://instagram.com/juliana.victoria.doula

Facebook: https://www.facebook.com/julianavictoriadoula/

Nascer Sorrindo: https://www.facebook.com/groups/131364331027531/

Parto Natural: https://www.facebook.com/groups/partonatural1/

 

Referências

Estudando VBAC

Apoio contínuo para mulheres durante o parto – Cochrany Library

Indicações de Cesariana Baseadas em Evidências (Parte I) – PDF

Indicações de Cesariana Baseadas em Evidências (Parte II)  – PDF

Arte Gestacional fortalece vínculo e alivia tensões pré-parto

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.