Você tem medo da dor do parto?

Compartilhe:
Fonte: Kat Jayne no Pexels

O medo da dor do parto normal é algo que atinge a maioria das mulheres atualmente, até mesmo aquelas que nunca estiveram grávidas. É muito comum ouvir em uma roda de conversas frases como: “Fiz cesárea porque tinha medo da dor do parto”, “Deus me livre! Não quero nem tentar porque sei que não aguento” ou então outro argumento como “Ah! Mas pra que sofrer?”

Geralmente as pessoas relacionam a DOR do parto com SOFRIMENTO. Então, ninguém quer sofrer não é mesmo? Porém eu lhe digo que sofrer é escolha! A dor do parto existe sim e tem um propósito: anunciar que a vida vem! Assim como os animais que preparam seu ninho para a chegada do filhote, a dor vem nos avisar para nos prepararmos para a chegada do bebê. Já pensou como seria se não sentíssemos nada em um parto? Poderíamos estar tranquilas passeando por aí e de repente o bebê começar a sair ou espirrar e …tcharam!!!

Opaa!

É normal que algo desconhecido nos cause medo e preocupação. Porém, o medo torna a dor muito maior e quando tentamos fugir dela ela se transforma em sofrimento. Para não cairmos nessa cilada precisamos estar muito bem informadas, conhecer as fases do trabalho de parto e saber acolher as contrações e o sentimento que elas trazem.

A dor do renascimento

Arquivo pessoal. Parto da Lavínia – Hospital Bom Jesus

A dor do parto é decorrente as contrações que começam de leve e vão intensificando conforme o trabalho de parto progride. As contrações são como ondas que vem, atingem seu pico e depois se vão, dando uns minutos de descanso para a mulher.

Mas o que dói além das contrações é a morte de quem éramos antes para dar vida a quem nos tornaremos depois de parir. Doem as nossas incertezas, nossos medos, as histórias que nos contaram durante toda a vida. Para algumas, dói estar desamparada em um momento tão vulnerável. Dói não estar informada.

Parir é mergulhar no nosso eu desconhecido, na nossa alma, encarar a nossa escuridão para conseguirmos dar a luz a quem somos. É algo extremamente doloroso para umas e muito tranquilo para outras. Por isso a dor é muito relativa, é única para cada um! O que pode doer muito em mim pode não ser tão forte em você e vice versa.

Um coquetel de analgesias chamado Doula

Fonte: Daria Shevtsova no Pexels

Escolha bem quem estará ao seu lado, quem será sua equipe e seu apoio. Isso é muito importante! Além das informações que a doula traz durante a gestação, existe métodos não farmacológicos para alívio da dor que ela poderá aplicar durante o trabalho de parto, tais como: massagens, aromaterapia, posições, rebozo, controle da respiração, visualização, vocalização, entre outras técnicas. Pesquisas demonstram que a presença da doula no parto diminui significativamente a percepção da dor.

Mas parto não se resume em dor e a dor não pode ser maior do que você, porque ela faz parte de você, da sua história, da sua vida. Não deixe que o medo te impeça de viver a maior e melhor experiência que a vida pode te dar. Lembre-se que é um evento totalmente fisiológico, natural, o melhor para você e seu bebê. Confie no processo, na criação divina e em você. E venha compartilhar comigo seus medos se inscrevendo aqui.

“A única dor insuportável é aquela que não tem sentido” Terapeutas do Deserto.

 

Referências

O sentido e as funções da dor de parto https://bionascimento.com/o-sentido-e-as-funcoes-da-dor-de-parto/

Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: revisão integrativa http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/942

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.