O Teste de Apgar no recém-nascido

Compartilhe:

Todo bebê ao nascer passará pelo teste de Apgar. Os que nasceram no hospital, casa de parto ou em casa. Os que chegaram ao mundo por um parto normal ou por uma cesárea. Todo bebê será avaliado nesse teste.

Calma, esse não é mais um procedimento invasivo a ser evitado. Na verdade, o Teste de Apgar ( também chamado de índice, escore ou escala de Apgar) é uma forma simples, objetiva e não-invasiva de analisar o bem estar do bebê. Em literalmente 5 minutos você – e o pediatra neonatal- saberão como o bebê lidou com a chegada ao mundo exterior.

E sabe o que é mais bacana? Esse teste pode ser feito enquanto o bebê está no colo da mãe ou do pai!

Fonte: giphy

Como o Teste de Apgar é feito?

Como eu disse antes, o Teste de Apgar é uma avaliação do bem estar do bebê ao nascer. Ela é feita pela observação de cinco aspectos: a cor de pele, a  frequência cardíaca (batimentos por minuto), os reflexos (mais ligados a questão de expressividade do bebê, careta, olhos abertos e atentos, choro…), a respiração e o tônus muscular (se ele estica e contrai as pernas, está agitado, ou se é um movimento mais discreto, por exemplo). Cada um dos pontos analisados recebe uma nota que vai de zero a dois, somando um total de 10 pontos.

Essa análise de vitalidade é feita em dois momentos: no primeiro e no quinto minuto de vida após o nascimento. Ao final do teste, você tem o Apgar do bebê.

nota-apgar-recem-nascido
Tabela: Malu Moraes

De forma mais objetiva, as notas funcionam da seguinte forma:

  • Apgar de 8 a 10 : Ótimo! O bebê não precisa de intervenção.
  • Apgar de 5 a 7: Talvez o bebê precise de uma mãozinha pra ver que fora do útero é legal. Um colinho quentinho de mãe pode ajudar, mas as vezes o pediatra precisa dar uma força.
  • Apgar abaixo de 5: Exige atenção especial do pediatra.

A primeira nota expressa como foi a passagem do bebê para fora do útero. Isso envolve o nascimento como um todo, inclusive a assistência dada a ele.

Já a nota do quinto minuto, representa a adaptação do bebê ao meio externo. Por isso, uma nota muito baixa no quinto minuto pode requerer cuidados mais extensivos ao bebê e uma terceira observação no teste de Apgar no 10 minuto de vida.

Apgar e a  observação em berçário

Você já deve ter percebido que em alguns muitos relatos de partos, após o nascimento o recém-nascido é afastado da família para passar 2 horas em observação no berçário.  E se eu te contar que isso não tem fundamento?

Pois é. No Brasil, há mais de 30 anos existem leis que estimulam que mãe e filho permaneçam juntos desde o nascimento até a alta hospitalar. Isso mesmo: há mais de trinta anos. As leis caminham cada vez mais para um atendimento humanizado e baseado em evidências científicas.

Em 2016, por exemplo, o Ministério da Saúde publicou as diretrizes para organizar a atenção integral e humanizada à mulher e ao recém-nascido no Alojamento Conjunto.

O alojamento conjunto é quando mãe e filho permanecem na mesma acomodação durante a estadia na maternidade.

Essa orientação, que tem caráter legal e obrigatório, aponta as vantagens de manter mulher e bebê juntos desde o nascimento até a alta hospitalar. Dá uma olhada:

  • Favorece o vínculo afetivo do bebê com a mãe e família.
  • Favorece o aleitamento materno.
  • Possibilita observação e cuidados constantes ao recém-nascido, com comunicação imediata de qualquer anormalidade.
  • Estimula o cuidado familiar com o recém-nascido, sendo possível suporte profissional se necessário.
  • Diminui o risco de infecção hospitalar.

Percebeu o destaque? A portaria do Ministério da Saúde traz um ponto importantíssimo: no seio familiar o bebê recebe atenção individual e exclusiva, e se necessário os familiares chamarão a equipe de saúde.

Bebês saudáveis (e até os com alguma questãozinha) que não apresentam complicações sérias de saúde são estimulados a permanecerem com suas famílias.

Lembra aquele bebê com Apgar entre 5 e 7 e que talvez precise de uma mãozinha na adaptação da vida fora do útero?

teste-apgar-recém-nascido
Foto: Iris Valvert e Marina, em contato pele a pele durante a Hora de Ouro. Acervo Pessoal.

“O contato pele-a-pele entre a mãe e o bebê imediatamente após o parto é uma prática que ajuda na adaptação do recém-nascido à vida fora do útero, facilita o aleitamento materno e traz benefícios como o controle da temperatura corporal da criança e o vínculo entre mãe-filho”. (MINISTÉRIO DA SAÚDE)

Não que o teste tenha sido inspirado num cuidado mais humanizado ao nascimento, mas ele é muito favorável a isso. Após avaliado no Teste de Apgar, o bebê só precisa ser pesado e medido – coisas que podem esperar tranquilamente por pelo menos uma hora para serem averiguadas.

E nesse tempo, o bebê tem acesso a estimadíssima Hora de Ouro! E ela traz enormes benefícios para a mulher e o recém-nascido a curto, médio e longo prazo. Entre essas vantagens estão o contato pele a pele (que estimula a produção hormonal necessária para recuperação do parto, descida do leite, favorece o controle térmico e respiratório), fortalecimento do vínculo afetivo entre bebê e família  e o estabelecimento da amamentação.

Teste de Apgar e a Humanização

Quando se fala em humanização, muitas pessoas imaginam um parto na água, num ambiente à baixa luz, uma doula, música tocando e a aromaterapia no ar.

Acontece que a humanização é um movimento baseado na evidência científica, atendimento de qualidade e respeito a autonomia da pessoa/paciente.

Quando existe uma avaliação não-invasiva eficiente que diz que o bebê está bem; quando temos estudos científicos que apontam o colo de mãe/pai (contato pele-a-pele) como melhor regulador para vida extra-uterina para o bebê; quando temos leis que incentivam e apoiam a presença contínua do recém-nascido junto a mãe desde o nascimento até a alta hospitalar, nós podemos reivindicar um atendimento humanizado para toda uma família, questionando condutas ineficazes e prejudiciais a vida de quem acabou de nascer.

Referência Bibliográfica:

A proposal for a new method of evaluation of the newborn infant. Virgínia Apgar (Leia aqui)

Atenção à Saúde do Recém-Nascido. Volume 4. Ministério da Saúde. (Leia aqui)

Golden hour ou hora de ouro, a primeira hora de vida do bebê. Júlia Agnes (Leia aqui)

Método Canguru. Ministério da Saúde. (Leia aqui)

Normas Básicas do Alojamento Conjunto. (Leia aqui)

Portaria nº 2.068, de 2016. Ministério da Saúde. (Leia aqui)

Saúde da Criança. Parto e Nascimento. Ministério da Saúde. (Leia aqui)

Compartilhe:

Uma resposta para “O Teste de Apgar no recém-nascido”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.