Pouco Líquido ou oligodrâmnio, e agora?

Compartilhe:

Você chega ao tão esperado fim da gestação. Está a termo, é assim que se chama quando você passa das 37 semanas. Seu obstetra recomenda uma ultrassonografia e você recebe um diagnóstico de “pouco líquido”. Infelizmente muitos profissionais ainda indicam logo que se faça uma cesárea, mas os estudos mais recentes já comprovaram que não há motivo para interrupção da gestação se a pouca quantidade de líquido for um fator isolado e eu vou explicar tudo direitinho nesse texto, vem comigo!

Conhecendo o Líquido Amniótico

O líquido amniótico é o um líquido que envolve o bebê e preenche a bolsa amniótica. A bolsa amniótica se forma na segunda semana de gravidez e quando está pronta enche-se de líquido inicialmente proveniente da mãe. O líquido amniótico é um importante componente intra-uterino e é formado por um conjunto de mecanismos entre bebê, placenta e o organismo da gestante. Ele é composto por água (98%) e elementos sólidos orgânicos e inorgânicos (2%). 

Pra que serve o Líquido Amniótico?

Bebê dentro da bolsa amniótica
Bebê dentro da Bolsa Amniótica. Fotografia: Canva

O líquido amniótico é um dos componentes que auxiliam o desenvolvimento do bebê, protege o mesmo contra choques mecânicos e de possíveis infecções. No início da gravidez impede a aderência entre o embrião e a membrana da bolsa amniótica, ajuda a controlar a temperatura corporal do feto, permite que ele se movimente livremente na barriga da mãe, ajuda também na prevenção da compressão do cordão umbilical. É, deu pra ver que ele tem muitas funções importantes na manutenção da gestação, não é mesmo?

Como ele o Líquido amniótico é produzido?

A partir do final do primeiro trimestre, a principal forma de produção do líquido é através da diurese fetal, ou seja, através do xixi do bebê! E aí ele é reabsorvido através da deglutição fetal, pois é, bebendo o próprio “xixi”. Mas não se preocupem, o bebê está em ambiente estéril e esse sistema é que auxilia no seu desenvolvimento.

View this post on Instagram

Você estava planejando engravidar e recebe seu positivo. Se é o seu primeiro filho provavelmente uma das primeiras coisas que vem a cabeça é quando você vai conseguir sentir os movimentos do bebê ou quando vai conseguir ouvir o seu coração. O coração do bebê é um dos primeiros órgãos a se formar e a partir da terceira semana dois tubos se juntam e dão origem a cinco estruturas: dois bulbos, um ventrículo, um átrio e um seio venoso. Na quinta semana esse tubo se divide em 4 cavidades e lá pela oitava semana de gestação que o coração vai estar pronto. No começo os batimentos cardíacos são perceptíveis através de um aparelho de ultrassom e DEPENDENDO DA SENSIBILIDADE DO APARELHO é possível ouvir o coraçãozinho a partir da quinta semana. Mas ATENÇÃO! a maior parte dos aparelhos só consegue detectar os batimentos lá pra SÉTIMA semana. A ansiedade em saber se está tudo bem é grande e acolher esses sentimentos fazem parte da descoberta da gestação. Assim como vem sentimentos felizes, podem aparecer medos e inseguranças. Lembre de ouvir o seu corpo, se auto-conhecer pode ajudar muito nesse processo. É verdade que depois que a gente ouve o coração do bebê a gestação se torna mais real e palpável, e enquanto isso não acontece, não deixe de aproveitar a alegria da descoberta! #maedeprimeiraviagem #mamaedeprimeiraviagem #meupositivo #primeiropositivo ##redekoru #coletivodedoulas #doulagemcoletiva #doula #doularecife #doulaolinda #doulaslife #doulagem #partohumanizado #partonormal #partonatural #partovaginal #parto #partohospitalar #partodomiciliar #assistenciaaoparto #parir #gestante #gestacao #gestar #meuparto

A post shared by Rede Koru | Doulas (@redekoru) on

Como é medido o líquido amniótico?

O líquido amniótico pode ser medido através da ultrassonografia por meio do índice do líquido amniótico (ILA), que consiste na soma das medidas ecográficas dos diâmetros verticais dos maiores bolsões do líquido, dividindo-se o útero em quatro quadrantes e tomando-se, como centro, a cicatriz umbilical (umbigo!). Outra forma de avaliar o volume do líquido amniótico é a utilização da técnica de medida do maior bolsão vertical (MBV), que consiste na mensuração dos diâmetros verticais máximos dos bolsões de líquido amniótico existentes, registrando-se apenas a maior medida encontrada. Uma meta-análise recente concluiu que a técnica do MBV parece ser uma escolha melhor para avaliação do volume do líquido amniótico

E como é feito o diagnóstico de pouco líquido amniótico ou oligoidrâmnio?

O diagnóstico de pouco líquido é feito primordialmente pela ultrassom. Foto: Canva

O oligoidrâmnio ou pouco líquido é diagnosticado pelo ILA quando o somatório dos diâmetros verticais dos maiores bolsões é inferior a 5,0 cm ou ao percentil 5 para a idade gestacional ou pela técnica do MBV, com o maior bolsão vertical medindo menos que 2,0 cm.

Clinicamente pode-se suspeitar de pouco líquido quando a altura uterina aferida é menor do que a esperada para a idade gestacional.

Devido à frequente associação do oligoidrâmnio com fatores de risco gestacional, é necessário descartar, a partir do seu diagnóstico, se não houve ruptura de bolsa amniótica, doenças maternas (síndromes hipertensivas, doenças autoimunes, diabetes com vasculopatia, entre outras), restrição de crescimento intrauterino, malformações e infecções fetais, além de confirmar a idade gestacional. Eliminada a existência de comorbidades materna e/ou fetal ou de rompimento de bolsa e reavaliada a idade gestacional, confirma-se o diagnóstico de oligodrâmnio ou pouco líquido no termo da gestação.

E agora? Faço uma cesárea por causa do pouco líquido amniótico?

Segundo essa revisão sistemática não há indicação de interrupção rotineira da gravidez. Todo caso deve ser individualizado e descartado todos os fatores de risco a gestação pode ser mantida com controle clínico.

Quando a conduta conservadora é adotada, uma das estratégias para aumentar o índice do líquido amniótico é a hidratação oral materna com pelo menos 2L de água.

Outra estratégia proposta para aumentar o volume do líquido amniótico é a imersão subtotal da paciente em água, à temperatura de 34 ºC, por período de tempo variável. Vários estudos destacaram a validade do banho de imersão por tempo de 30 a 60 minutos, havendo incremento do ILA de 50 a 60%.

Caso haja persistência do quadro de pouco líquido, a interrupção da gravidez deve ser considerada através de uma indução de parto.

Então se você estiver no final da gravidez e receber o diagnóstico de pouco líquido, certifique-se que é um fator isolado. Se algum obstetra e/ou ultrassonografista vier te assustar com essa falsa indicação de cesárea, corra. Procure uma segunda opinião, discuta as condutas, e lembre-se: o parto normal, mesmo que seja necessária a indução, é mais saudável para você e o seu bebê e não coloca vocês em riscos desnecessários.

Até a próxima,

Laís

REFERÊNCIAS:

  1. Alterações do Volume do Líquido Amniótico
  2. Alteração do Volume do Líquido Amniótico: Oligoidrâmnio
  3. Oligoidrâmnio isolado em gestação a termo: qual a melhor conduta?
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.