Viver a gravidez é arriscar a todo momento

Compartilhe:
Foto de Michele Pampanin

Parir não é uma questão de querer ou não sentir dor.
É saber o tamanho da sua própria força. 

É confiar que tudo dará certo, mesmo conhecendo cada limitação pessoal, não ter certeza se seremos boas mães, se tudo será como o sonhado no parto, se a amamentação vai ser difícil ou fluída. É ter um mundo de cobranças e de alegrias a cada chute.

De sentir prazer em toda compra e presente feito para o bebê, como se a pequena peça tornasse ele mais e mais real do lado de fora.
É ter carinho por todos os lados, como se o mundo girasse ao redor do seu umbigo, que nem está mais ali.
O esperar por cada ultra
Esperar por cada contração para poder gritar, para o mundo, para sí: Sou mãe!

Para as mães de segunda viagem, a participação do filho mais velho durante o parto pode ser uma experiência ótima, para todos.
Além de reforçar laços, facilita muitas vezes na aceitação do novo membro pelo primogênito. 

Como você vai escolher que seja o final da gravidez?

Bebês que nascem em um parto normal respeitoso graças à escolha de seus pais já nascem com algumas vantagens como:

  • Não sofrer nenhuma intervenção desnecessária ao nascer (aspiração, banho, colírio, separação da mãe).
  • Receber todo o sangue que percorre o cordão e placenta <3 O que significa 100ml de sangue a mais, prevenção de anemia na primeira infância, aumento significativo de ferro e recebimento completo de células tronco <3.
  • Nascer com os pulmões plenamente maduros, o que diminui muito os riscos de precisar de UTI Neonatal por desconforto respiratório.
  • Sair do quentinho do útero direto para o calor dos braços e peito da mãe e lá ficou, mamou já nos primeiros minutos de vida.
  • Esse bebê tem chances menores de desenvolver alergias de pele e respiratórias na sua vida.
  • O Sistema imunológico dele já foi ativado logo durante o nascimento ao entrar em contato com a flora presente no corpo da mãe

As chances de ter um parto normal no Brasil são menores que 40%.

É preciso muito mais do que “sorte” se você busca por um parto normal respeitoso no Brasil. Nosso país é reconhecido internacionalmente justamente pelo grande número de cesáreas desnecessárias realizadas e na contramão dessa turma você vai encontrar outras profissionais como eu: Doulas!

Com suporte físico e emocional contínuo, a Doula resgata o laço ancestral entre mulheres que apoiam outras mulheres. É um serviço que reúne muita empatia, autonomia, profissionalismo, informação de qualidade e profunda dedicação.

De acordo com a sua necessidade a doula pode indicar leituras, outros profissionais para suporte, movimentos que estimulem o autoconhecimento, realizar massagens e auxiliar nas dúvidas tão frequentes durante a gestação sempre com informações baseadas em evidências científicas atualizadas.
As trocas sobre impressões e vivências junto à condutas hospitalares e processos naturais do parto são ricas e levam à mulher atendida não apenas conforto, mas a experiência de quem já assistiu inúmeras outras mulheres em transformação percorrerem seus próprios caminhos.
A Doula não empodera, ela oferece as melhores ferramentas para que a mulher e sua rede de apoio façam isso por sí mesmos com autonomia durante o Trabalho de Parto e depois.

Com apoio contínuo físico e emocional já durante a gestação e quando possível também durante o parto e pós parto. Através de diversas técnicas não farmacológicas a Doula proporciona a mãe-parturiente ambiente o mais acolhedor, tranquilo e seguro possível proporcionando assim um maternar saudável. Ajuda no alívio de dores, relaxamento e entrega.
Foi apontado, em um estudo global (Klaus & Kennel, 1993), que a presença da Doula no trabalho de parto traz benefícios eficientes:

  • Redução de 50% nos índices de cesariana;
  • Redução de 25% na duração do trabalho de parto;
  • Redução de 60% nos pedidos de analgesia peridural;
  • Redução de 30% no uso de analgesia peridural;
  • Redução de 40% no uso de ocitocina;
  • Redução de 40% no uso de fórceps.

Outros estudos também mostram claramente que a presença da doula no pré-parto e parto trazem benefícios de ordem emocional e psicológica para mãe e bebê, incluindo resultados positivos da 4ª a 8ª semanas após o parto:

  • Aumento no sucesso da amamentação;
  • Interação satisfatória entre mãe e bebê;
  • Satisfação com a experiência do parto;
  • Redução da incidência de depressão pós-parto;
  • Diminuição nos estados de ansiedade e baixa auto-estima.

Você não pode tentar o parto normal

Já viu alguém tentar tomar banho, ou tentar aprender uma nova habilidade?  Quando você está realmente comprometido com algo e quer do fundo da sua alma que aquilo se torne real você diz: Eu quero um parto normal.

“Mas Sam, algo fora do meu controle pode acontecer e eu não conseguir”

Sim, pode. E essa é a realidade de muitas mulheres Brasil a fora. A diferença é que você vai saber sempre que você fez tudo o que era possível naquele momento para viver a melhor e mais segura experiência de nascimento. Tudo! Lidar com o parto real, o parto que não sai exatamente como estava lá no mundo dos sonhos, fica muito mais fácil.

Você pode ficar com raiva, frustrada, decepcionada – com os outros- mas não com você. Porque você se respeitou a todo momento no processo. Respeito que começa assumindo seu lugar no mundo e o que você deseja viver nele.

Eu quero um parto normal é uma frase que pode mudar vidas e espero, de coração, que mude a sua a partir daqui.

Beijo da Doula

Sam

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.