Plano de Parto, por que preciso de um?

Compartilhe:

Embora o plano de parto seja um documento recomendado pela Organização Mundial de Saúde há anos, nós tenhamos leis regulamentando seu uso, ainda é pouco utilizado pelas gestantes no Brasil, a maioria dos médicos e hospitais não adotam sua conduta, vamos conhecer um pouco mais sobre ele.

 

O que é um Plano de Parto?

giphy.com

 

Para mim, plano de parto é acima de tudo uma ferramenta de autoconhecimento. 

 

Quando você começa a pensar em suas preferências, percebe que precisa em primeiro lugar, de informações sobre como é a rotina de assistência ao parto e nascimento no Brasil, em seguida é bom conhecer quais são as recomendações de cuidados intraparto da Organização Mundial de Saúde (OMS) para uma experiência de parto positiva, e então se perguntar quais são os seus desejos e expectativas. 

 

O plano de parto vai deixar claro quais procedimentos você quer evitar e como você espera que seja feita a assistência hospitalar ou domiciliar, durante o trabalho de parto, parto e cuidados com o recém nascido.

 

A rotina de atendimento ao parto

canva.com
canva.com

 

Ao chegar na maternidade, logo após o preenchimento de sua ficha, a parturiente é orientada a se desfazer de todos os seus objetos pessoais, recebe a camisola do hospital, em seguida lhe é colocado um soro, para hidratar e alimentar, já que ela será proibida de comer e beber qualquer coisa. 

Logo na triagem, seus pêlos são raspados, é feito um exame de toque para avaliar a dilatação (geralmente o toque é repetido a cada hora por diferentes profissionais), e lhe aplicam uma lavagem intestinal. 

Muitas de nós já ouvimos falar muito a respeito do “sorinho” que é pra aumentar as contrações, é a ocitocina sintética que é utilizada de forma rotineira. 

Cada instituição tem seu protocolo, mas é muito comum que por volta de 5 ou 6 cm de dilatação rompam a bolsa d’água e que durante o exame de toque sejam feitas manipulações no períneo e colo do útero com a intenção de aumentar a dilatação e acelerar o trabalho de parto.

Quando ela está com a dilatação quase completa, perto de 8 cm, ela é colocada deitada, de costas, na posição de exame ginecológico e orientada a fazer força (manobra de Valsalva), antes mesmo de chegar no período expulsivo.

A episiotomia (o famoso pique) é feita de rotina, lhe aplicam uma manobra chamada Kristeller, que consiste em uma pessoa empurrar a barriga da mãe para “ajudar” o bebê a sair.

Assim que a cabeça do bebê sai ele é puxado, o cordão umbilical é cortado, ele é mostrado para a mãe e entregue para o pediatra, para ser aspirado, receber um colírio e tomar banho. 

Muitas vezes ele vai para o berçário e só é levado para a mãe depois de algumas horas.

Esta forma de assistência está muito longe da prática baseada em evidências científicas e das diretrizes da OMS para assistência ao parto, vamos conhecê-las:

 

Recomendações da OMS para uma experiência de parto positiva

 

  • Condutas não recomendadas 

 

– Prática de lavagem intestinal e raspagem dos pêlos púbicos.

– Uso de soro e ocitocina rotineiros em trabalho de parto.

– Posição de litotomia (posição ginecológica, deitada com as pernas elevadas por apoios) durante o trabalho de parto e parto.

– Esforços de puxo prolongados e dirigidos (manobra de Valsalva) antes que a mulher sinta o puxo involuntário

– Massagens ou distensão do períneo durante o parto.

– Romper a bolsa d’água durante o início do trabalho de parto.

– Pressão no fundo uterino durante o trabalho de parto e parto. (manobra de Kristeller)

– Manipulação ativa do bebê no momento de nascimento.

– Corte precoce do cordão umbilical

– Restrição de alimentos leves e líquidos durante o trabalho de parto.

– Exames de toque freqüentes e repetidos especialmente por mais de um prestador de serviços.

– Transferência rotineira da parturiente para outra sala no início do segundo estágio do trabalho de parto.

– Adesão rígida a uma duração estipulada do segundo estágio do trabalho de parto, como por exemplo uma hora, se as condições maternas e do bebê forem boas e se houver progresso do trabalho de parto.

– Uso liberal ou rotineiro de episiotomia (corte na região vaginal, famoso pique).

– Aspiração nasal ou oral de rotina do bebê

– Banhar o bebê imediatamente após o parto

 

  • Condutas recomendadas

 

– Plano individual determinando onde e por quem o parto será realizado (plano de parto)

– Monitorar o bem-estar físico e emocional da mulher ao longo do trabalho de parto e parto, assim como ao término do processo do nascimento.

– Oferecer líquidos por via oral durante o trabalho de parto e parto.

– Respeitar a escolha da mãe sobre o local do parto

– Apoio empático pelos prestadores de serviço durante o trabalho de parto e parto.

– Respeitar a escolha da mulher quanto ao acompanhante durante o trabalho de parto e parto.

– Oferecer às mulheres todas as informações e explicações que desejarem.

– Utilizar métodos não farmacológicos para alívio da dor durante o trabalho de parto e parto como massagem, técnicas de relaxamento e banhos.

– Liberdade de posição e movimento durante o trabalho do parto.

– Estímulo ao trabalho de parto ativo e posições não deitadas durante o trabalho de parto e parto.

– Realizar precocemente contato pele a pele, entre mãe e filho, dando apoio ao início da amamentação na primeira hora do pós-parto

– Aguardar 24h para dar o primeiro banho no recém nascido (em situações especiais em que o banho se faz necessário por conta de condições clínicas da mãe, aguardar no mínimo 6h)

Febrasgo.org.br
febrasgo.org.br

O que a lei diz a respeito do plano de parto?

 

Em São Paulo, há leis estadual (15.759/2015) e municipal (15.894/2013) que determinam que os hospitais aceitem o plano de parto, é um direito da gestante e se a maternidade se recusar, cabe mandado de segurança para proteção do direito da mulher.

 

O ideal é que após elaborar o plano de parto, ele seja assinado pelo médico e então protocolado na maternidade dias antes do parto.

 

É preciso constar no prontuário da paciente a justificativa do médico para cada intervenção que seja feita e que não esteja de acordo com o plano de parto apresentado. 

 

Como ainda não há uma lei federal nem todas as maternidades aceitam o plano de parto.

 

O que não pode faltar no seu plano de parto?

ans.gov.br
ans.gov.br

Como você pode perceber o plano de parto é uma ferramenta que vai te auxiliar na conquista de um parto respeitoso. Não se sinta constrangida ao elaborar o seu plano de parto, busque informações e seja muito sincera em relação aos seus desejos.

 

Este é um dia muito importante, você vai se lembrar dele pelo resto da sua vida. Converse com sua equipe a respeito das suas preferências, e se sentir que não há abertura para isso, talvez seja interessante conhecer outros profissionais que estejam mais alinhados com as suas necessidades.

 

Se identificou com meu modo de escrever? Gostaria de sugerir um tema específico para um próximo texto ou mesmo ser informada sobre novas publicações, agenda de cursos e eventos? Inscreva-se aqui que estaremos em contato direto, ah e fica tranquila, não compartilharei seus dados e não envio spam. Até breve

 

Referências

 

Diretrizes da Organização Mundial de Saúde para uma experiência de parto positiva

https://www.who.int/reproductivehealth/publications/intrapartum-care-guidelines/en/

 

LEI Nº 15.759, DE 25 DE MARÇO DE 2015

https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/2015/lei-15759-25.03.2015.htm

 

LEI Nº 15.894, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2013

https://www.imprensaoficial.com.br/DO/BuscaDO2001Documento_11_4.aspx?link=/2013/diario%2520oficial%2520cidade%2520de%2520sao%2520paulo/novembro/09/pag_0001_BC5JDRLMRHOCEe1Q4G2H7IVM257.pdf&pagina=1&data=09/11/2013&caderno=Di%C3%A1rio%20Oficial%20Cidade%20de%20S%C3%A3o%20Paulo&paginaordenacao=100001

 

Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf

Uso e influência dos Planos de Parto e Nascimento
no processo de parto humanizado

http://www.scielo.br/pdf/rlae/2015nahead/pt_0104-1169-rlae-0067-2583.pdf

BALZANO, Cristina. O parto é da mulher!:Guia de preparação para um parto feliz/Cristina Balzano; ilustrações de Anne Pires. 1 ed. Belo Horizonte: Editora Gutenberg, 2019.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.