Parto, uma caixinha de surpresas!

Compartilhe:

Sangue, suor, lágrimas “y otras cositas más”! Gosto de dizer que o parto é uma caixinha de surpresas porque por mais que a gente deseje, sonhe, busque e planeje, não tem o controle de tudo. Somente vivendo o momento para experienciá-lo como ele se apresenta.

Mas mesmo com essa incerteza, é possível vivenciar a espera com tranquilidade e ter uma experiência positiva de parto. Se preparar para esse processo pode fazer toda a diferença!

Informação é poder!

Mas por que me preparar para o parto, se ele pode acontecer completamente diferente do planejado? Aqui é que está o poder transformador que só o conhecimento pode nos dar! É através da informação que teremos realmente autonomia para decidir sobre nossas escolhas e que seremos protagonistas do nosso processo. Respeito à autonomia e ao protagonismo feminino é um dos pilares da humanização do parto e nascimento.

Empoderamento feminino

O parto é um momento singular na vida de uma mulher e de sua família. Um tema cercado por muitas expectativas e também muitos mitos e medos. Então, se preparar para este momento é super importante (e também para a amamentação e para o puerpério, ok!?)! É nessa preparação que vamos entender em qual cenário obstétrico estamos inseridos:

  • o Brasil é um dos líderes do ranking de países com maior taxa de cesárea no mundo. Mais da metade dos nascimentos são feitos por cesariana, segundo a pesquisa “Nascer no Brasil” de 2014, quando o recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde) é de no máximo 15%. Na rede privada os dados são ainda mais alarmantes, atingindo quase 90% das vias de nascimento;
  • Apresentamos índices altíssimos de violência obstétrica. Uma em cada quatro brasileiras relatou ter sofrido algum tipo de agressão durante o pré-natal, o parto, o puerpério (pós-parto) ou numa situação de aborto, segundo pesquisa da Fundação Perseu Abramo de 2010;
  • Mulheres negras são as maiores vítimas da violência obstétrica no Brasil. Segundo dados de 2014 do Ministério da Saúde, a mulher negra recebe menos tempo de atendimento médico do que uma mulher branca; enquanto 46,2% das mulheres brancas tiveram acompanhantes no parto, apenas 27% das mulheres negras utilizaram esse direito; enquanto 77,7% das mulheres brancas foram orientadas para a importância do aleitamento materno, 62,5% das mulheres negras receberam essa informação; 60% das mortes maternas ocorrem entre mulheres negras.
  • É crescente a parcela de mulheres insatisfeitas com o atual modelo de assistência ao parto e nascimento no nosso país. Esse modelo tecnocrático, centrado no médico e no hospital, com elevadas taxas de cesárea e/ou partos violentos e com excesso de intervenções, que repercute com o aumento da prematuridade e outros efeitos adversos sobre a saúde da mulher e do bebê, tanto no setor público quanto no privado. E crescente também é a busca por uma assistência mais respeitosa e digna, o modelo humanista.
Parto, uma caixinha de surpresas!
Foto: Carla Raiter – Projeto 1:4 – Retratos da violência obstétrica.

A partir disso é que seremos capazes de entender que existe uma outra forma de assistência ao parto e nascimento e traçar planos em busca de uma assistência mais condizente com o que acreditamos. Uma assistência individualizada; centrada nos nossos direitos e nas nossas necessidades. Que além do respeito à mulher, tem a visão do parto como evento saudável, integrativo e transdisciplinar e tem o respaldo da medicina baseada em evidências (outros dois pilares da humanização do parto e nascimento).

A importância do Plano de Parto

Basicamente, o Plano de Parto é um documento elaborado pela gestante, no qual ela registra seus desejos e o modo como decide ter o seu bebê. Recomendado pela OMS, é uma ferramenta de fundamental importância para o empoderamento feminino, podendo garantir uma melhor qualidade da assistência e uma experiência mais satisfatória do parto.

Parto, uma caixinha de surpresas!
Foto: Alquimia / Aline Teixeira

Sua importância se dá não só por ser um documento onde fica registrado de forma clara tudo aquilo que a gente deseja da assistência em relação ao trabalho de parto, parto, cuidados com o bebê e pós-parto imediato, como também por demonstrar que estamos minimamente informadas sobre os procedimentos feitos no decorrer desse processo e que não gostaríamos de ser tratadas com intervenções de rotina, mas com cuidado individualizado e recebendo apenas intervenções se realmente forem necessárias.

Para isso é necessário estudar e entender como desejamos que seja conduzido esse processo, para sermos realmente protagonistas da nossa história. E para além do cenário obstétrico, é essencial saber também:

  • as transformações biopsicossocioespirituais causadas pela gestação e todos os processos que se sucedem à ela (transformações significativas na vida de toda a família, mas especialmente na vida da mulher; e a maneira como ela vivencia essa experiência é importante para a própria percepção deste ciclo e da maternidade);
  • cuidados durante a gestação e pré-natal;
  • quais opções de profissionais, equipes e locais de parto na cidade e região (ou da localidade de interesse);
  • fisiologia e fases do trabalho de parto;
  • intervenções que podem ocorrer na mãe e no bebê durante o trabalho de parto;
  • amamentação e cuidados com o bebê;
  • cuidados no pós-parto;
  • puerpério;
  • e tantos outros temas que uma doula pode facilitar.
Parto, uma caixinha de surpresas!
Foto: Alquimia / Fabricio Mendes

É estudando para elaborar como você deseja viver esse momento, que vai descobrir também que podem acontecer situações fora dos seus planos. A bolsa que rompe antes do trabalho de parto, bebê pélvico, pré-eclâmpsia, mecônio, trabalho de parto longo demais, transferência, analgesia ou várias outras situações que podem acontecer durante a gestação e mesmo durante o trabalho de parto, incluindo a cesárea.

É importante elaborar um plano A e B, C, D ou o alfabeto inteiro. Imaginar como o parto pode acontecer, mas estar aberta e acolher as mudanças que ocorrerem durante todo o processo para lidar melhor com a situação e, ainda assim, ter uma experiência positiva de parto.

Mesmo que o parto aconteça de uma forma bem diferente do que você esperava, pode ser uma experiência fantástica. Não desista, nem se entregue aos primeiros sinais de alteração. O parto é trabalhoso, dizem até que semelhante a uma maratona. Um momento de muita entrega, de superação de limites e de prazer também. Deixe o parto te surpreender e lute por ele!

Referências

Doulas recomendam:

Parto humanizado, o que é? Parto humanizado!  Esse termo se tornou muito frequente hoje em dia, especialmente nas mídias e redes sociais . Muitas pessoas acham que o parto human...
Amamentação durante a gravidez, é perigoso? Via Eveline Dias A amamentação é uma prática milenar com reconhecidos benefícios nutricionais, imunológicos, cognitivos, econômicos e sociais. Tais ...
Meu filho fez dois anos. Será que meu leite virou ... "Ainda tem leite aí?". "Esse menino não vai largar esse peito?". "Quando tu vais desmamar essa criança?". Essas são algumas das perguntas que uma mãe ...
DOULA não é apenas “aquela que serve”... Olá. Eu sou a Nati. Educadora física, técnica em enfermagem e Doula. Moro em Cascavel/PR. Sou casada com o Christopher, com quem tenho dois filh...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.