O sistema não quer te ver parir!

Compartilhe:

Uma das coisas que escuto muito das mulheres hoje em dia, quando o assunto parto surge, é: “Ah eu quero tentar parto normal, é bem melhor pra mãe e pro bebê não é mesmo? E nem deve ser tão difícil assim afinal o próprio nome já diz: parto normal!!” E essas mulheres crentes da possibilidade de um parto normal sem maiores dificuldades estariam certas se não fosse por um pequeno grande detalhe: elas são brasileiras e vão parir no Brasil, o segundo  país com a maior taxa de cesáreas do mundoooo!

É, infelizmente vivemos num país onde o normal (vulgo comum) é na verdade a cesariana, na maioria das vezes eletiva (com hora previamente agendada) sem nem mesmo “consultar” o bebê pra saber se ele está pronto pra nascer. Um famoso documentário brasileiro: “O Renascimento do Parto I” (já existem também o II e III – todos disponíveis na Netflix – assista aqui) descortina com maestria a realidade por trás do cenário obstétrico brasileiro e nos ajuda a compreender o sistema em que estamos inseridos. Afinal somente conhecendo a realidade é que podemos ter a chance de transformá-la não é mesmo?

Pois bem, vamos aos números…

 

Uma pesquisa realizada pela FIOCRUZ (Nascer no Brasil – Inquérito Nacional sobre parto e nascimento) mostrou que temos uma média de 52% de cesarianas no Brasil, sendo 46% no Setor Público e (pasmem!) 88% no Setor Privado; sendo que “a recomendação da OMS é para que as cesarianas não excedam 15% do total de partos, pois estudos internacionais vêm demonstrando os riscos das elevadas taxas de cesariana tanto para a saúde da mãe quanto a do bebê.” Essa pesquisa representa na verdade “o maior estudo de base-hospitalar realizado no país, […] e coletou informações em 266 hospitais públicos e privados e entrevistou aproximadamente 24 mil puérperas nos anos 2011-2012. Esse estudo histórico, coordenado pela pesquisadora Maria do Carmo Leal da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), em colaboração com diversas instituições científicas brasileiras de prestígio, mapeou e sintetizou pela primeira vez a situação das práticas de atenção ao parto e nascimento no país no século XXI. […]”

Mas a coisa não para por aí não, infelizmente! Se afinamos a lupa e analisamos especificamente dados da realidade local, essa situação se torna ainda mais caótica. Segundo uma publicação num dos principais jornais da cidade de Presidente Prudente em 29 de março de 2019, as cesarianas no município representaram 69,41% dos partos realizados em 2018.

Ainda segundo dados fornecidos por uma das maiores operadoras de plano de saúde do município, “o número de partos normais realizados pelos médicos credenciados no período de 01/01/2018  à 31/12/2018 foi de apenas 4%, contra 96% de cesarianas.” [vide imagem abaixo] Em outras operadoras esses números chegam a ser ainda mais alarmantes.

Percentual geral de cesarianas e partos normais em hospitais credenciados pela Unimed de Presidente Prudente no ano de 2018

Então não vou parir???

 

E o que fazer então diante de dados tão desanimadores? Você pode ser levada a pensar que é quase impossível conseguir um parto normal assim não é mesmo!?  Pois eu como doula , que estou todos os dias acompanhando a árdua luta de mulheres e casais para parir com dignidade apesar de toda essa realidade aí, te digo que fácil não é! Aliás nem um pouco! Mas é possível sim! Não sem dar um olé no sistema. rs

Isso só pode ser feito através de muita informação e empoderamento. Essas duas ferramentas te permitirão tomar as rédeas da própria vida e do próprio parto nas mãos. Ninguém pode te impedir de construir a sua própria história, se você não deixar! Nem sua família que abomina o parto normal porque se baseia em mitos, nem o obstetra “fofinho/a” cesarista que inventa mil desculpas esfarrapadas pra te convencer a marcar a data do “parto” pra facilitar a organização de sua agenda ou mesmo a enfermeira do plantão que acha você doida por querer sentir dor.  Escolhas te levarão para o melhor ou o pior caminho. E só você pode fazê-las! Escolhas sábias e conscientes. Escolhas baseadas na segurança e na possibilidade de uma vivência respeitosa para ambos: mãe e bebê, e porque não incluir o pai também!?

Mas Alline, onde vou encontrar essas informações que fortaleçam o meu empoderamento? Olha, a lista é bem grande mas só pra começar posso citar leitura de livros, documentários, artigos científicos, grupos de apoio presenciais e virtuais (em Presidente Prudente indico o GestaPrudente e no Facebook: Parto Natural e Cesárea!? Não,obrigada!), perfis de profissionais verdadeiramente competentes e que fazem um trabalho incrível voltado pra humanização do parto (aqui a lista também é grande!), relatos de parto, entre outros… Ah sem esquecer a construção de um Plano de Parto bem lindo e protocolado na instituição que você pretende parir pra fazer valer os seus direitos como cidadã e parturiente!

E olha, vocês nem precisam estar sozinhos nessa empreitada! Tem alguém que pode ir segurando a lanterna pra vocês, que pode ajudar a compartilhar o peso da bagagem e até te oferecer uma “aguinha”  na boca bem naquela hora em que o sol estiver “rachando mamona” no calor de um terreno deserto! Essa pessoa é a doula!

Doulas conhecem bem o terreno árido nas mais diversas regiões do nosso país desertificado de humanização. Elas sabem onde estão as trilhas, os atalhos, onde algumas já encontraram mananciais de água potável para se banhar. A doula vai contigo e , diferentemente do sistema, ela sim quer muito te ver parir! Ela sabe que você pode e é capaz! E se por algum motivo não for possível, ela também vai estar lá pra te apoiar e te ajudar a lidar com o “não-parto”. Porque sim é possível estar feliz pela chegada do filho e triste por não ter parido (mas isso é história pra um outro post rs)

Não a doula não faz parto! Ela faz parte! E pode tornar a viagem bem mais suave! Procure uma doula pra chamar de sua! A casa está cheia delas… É só entrar. Vem!?

Se precisar de uma doula experiente na região de Presidente Prudente, eu estou aqui e posso te ajudar! Fala comigo!

 

 

 

 

 

Referências

Brasil é o segundo país com maior taxa de cesáreas do mundo https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2018/10/brasil-e-o-segundo-pais-com-maior-taxa-de-cesareas-do-mundo.shtml

Parto normal ou cesárea? O que toda mulher deve saber (e todo homem também) DINIZ, S. G.; DUARTE, A. C. Editora UNESP, 2004. 179p. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832005000200020

Você já assistiu ao documentário O Renascimento do Parto? https://emais.estadao.com.br/blogs/ser-mae/voce-ja-assistiu-ao-documentario-o-renascimento-do-parto/

O documentário “O Renascimento do parto” para assitir https://www.netflix.com/br/title/80995575

Nascer no Brasil – Inquérito nacional sobre parto e nascimento http://www6.ensp.fiocruz.br/nascerbrasil/

Sumário Executivo – Nascer no Brasil http://www6.ensp.fiocruz.br/nascerbrasil/wp-content/uploads/2019/06/sumario_executivo_nascer_no_brasil-novos_resultados.pdf

 Jornal O Imparcial – Maioria dos partos nos hospitais de Prudente é cesárea   http://www.imparcial.com.br/noticias/maioria-dos-partos-nos-hospitais-de-prudente-p-e-cesarea,26442

GestaPrudente –Grupo de apoio à Gestação, Parto e Maternidade Ativos –    https://www.facebook.com/pg/gestaprudente/about/?ref=page_internal

Parto Natural – Grupo de incentivo ao parto normal – https://www.facebook.com/groups/partonatural1/

Cesárea!? Não, obrigada! – Grupo de Incentivo ao parto normal https://www.facebook.com/groups/cesareanao/

 

 

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.