Infecção urinária na gestação. Devo me preocupar?

Compartilhe:

A ideia de escrever esse post surgiu após uma conversa com uma amiga que trabalha na UTI neonatal de um grande hospital público. Naquele dia estávamos conversando sobre os desafios do dia a dia dentro de uma UTI neonatal e eu curiosa que sou, já fui logo querendo saber o porquê de tantos bebês irem parar numa UTI…

Google – UTI Neonatal – Hospital Mário Dourado Sobrinho – Irecê – BA

Qual não foi minha surpresa quando ela relatou que a grande maioria dos bebês recebidos lá, chegava à UTI por prematuridade além de algumas outras causas como risco materno (hipertensão, eclâmpsia). E acrescentou que os bebês nascidos de parto prematuro sem causa aparente eram considerados de risco infeccioso, sendo vários deles nascidos precocemente por conta de uma infecção urinária não tratada ou um pré-natal mal feito… Confesso que essa informação me chocou e pensei que precisávamos (ainda precisamos todos) fazer o possível pra ajudar a minimizar essa situação! Informação é um caminho – concluí!

E cá estou eu hoje, depois de muito pesquisar sobre, pra falar um pouquinho a você gestante sobre esse tema pouco conhecido mas tão importante que é a Infecção Urinária na gestação, mais conhecida em termos médicos por ITU (Infecção do Trato Urinário).

 

Afinal o que é importante saber sobre a ITU?

 

Giphy

Você sabia que a infecção urinária na gestação é muito comum? Por isso a importância de estarmos sempre atentas para reconhecê-la e evitá-la já que o maior risco que ela oferece é o parto prematuro. Afinal nenhuma mãe quer ver seu bebê vindo ao mundo antes da hora e despreparado para as condições aqui do lado de fora, não é mesmo?

Segundo as publicações no Caderno de Atenção Básica ao pré natal de baixo risco, elaborado pelo Ministério da Saúde, na pág.190, a infecção urinária é a ” infecção comum em mulheres jovens, que representa a complicação clínica mais frequente na gestação, ocorrendo em 17% a 20% das mulheres nesse período. Está associada à rotura prematura de membranas, ao aborto, ao trabalho de parto prematuro, à corioamnionite, ao baixo peso ao nascer, à infecção neonatal, além de ser uma das principais causas de septicemia na gravidez.”

O mais importante a fazer é realizar um bom acompanhamento pré-natal, no qual à cada trimestre, seu obstetra pedirá exames de urina para investigar a possibilidade de uma ITU e caso o resultado seja positivo, realizar imediatamente o tratamento.

Esse rastreio é muito importante ainda que não hajam sintomas, já que existe a chance da gestante apresentar o que se chama de Bacteriúria assintomática, ou seja, há a presença de bactérias mas sem a apresentação de sintomas e essa condição também pode levar a um parto prematuro e outras complicações. Novamente segundo dados do Ministério da Saúde,  na página 190, “cerca de 2% a 10% das gestantes apresentam bacteriúria assintomática, sendo que 25% a 35% desenvolvem pielonefrite aguda. ”

O tratamento é feito através da prescrição de antibióticos específicos e compatíveis tanto com o estado gravídico quanto com o tipo de bactéria presente (detectada através de antibiograma) e é importante que ele seja seguido à risca pela paciente para evitar que as bactérias se tornem resistentes. Nem é preciso dizer que nunca se deve optar pela automedicação!!!

 

Por que a ITU ocorre mais facilmente no período gestacional?

Imagem Google
Google

 

  • Ocorrem alterações funcionais e anatômicas em todo o organismo da mãe, bem como nos rins e nas vias urinárias, o que favorece a multiplicação de microorganismos.
  • Ocorrem alterações imunológicas que podem tornar a mãe mais suscetível a infecções no trato urinário.
  • A própria anatomia da genitália feminina (uretra – canal por onde sai o xixi -curta e proximidade do ânus), ficando mais suscetível à contaminação.

 

Tem algo que posso fazer para evitá-la?

 

Além de realizar direitinho o seu acompanhamento pré-natal não se esqueça de beber MUUUUITA água ! O ideal são cerca de 2 a 3 litros por dia.

Giphy

Fique atenta a sinais como dor ao urinar, urina turva ou com sangue, (acompanhada ou não de febre) ou até mesmo sinais de trabalho de parto prematuro (contrações ritmadas ou dor antes de 38 semanas de gestação).

Não hesite em procurar assistência médica o mais rápido possível se suspeitar de algo.

Espero ter te ajudado com essas informações. Conta pra mim nos comentários o que achou? Fique à vontade também para sugerir outros temas sobre os quais você gostaria que eu escrevesse aqui no blog da Casa!

Beijo grande!

Alline

 

Referências:

Diagnóstico de infecção de urina em gestantes                              https://aps.bvs.br/aps/o-diagnostico-de-infeccao-urinaria-em-gestantes-pode-ser-feito-apenas-com-o-exame-de-urina-i-com-sedimento-urinario-sumario-de-urina-qual-o-exame-mais-importante-nesse-caso/

 

Cadernos de atenção básica ao pré natal http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.