Qual a diferença entre EO e doula

Compartilhe:

Antigamente, até meados de 1920, a maioria dos partos eram acompanhados por parteiras tradicionais.

Em São Paulo, inclusive, existia o serviço de parteria urbana, feita por parteiras tradicionais, que iam nas casas das pessoas atender os partos de baixo risco. O que aconteceu para que tudo tenha mudado em 100 anos?

O parto virou em evento hospitalar

 

O parto foi levado para o hospital mais ou menos na década de 50. Até essa década, a maioria das pessoas nasciam em casa. Isso foi bom para diminuir os índices de mortalidade e morbidade materna e neonatal. Porém, com a maioria das mulheres parindo em âmbito hospitalar, também tornou-se muito prático a indicação (muitas vezes sem fundamento) de uma cesariana, pois os hospitais não comportavam todas as gestantes durante os trabalhos de parto (percebemos que a falta de leitos é um problema antigo!)

Com isso, originou-se o mito do parto normal, baseado em partos traumáticos e cheios de violência obstétrica, onde a parturiente é “salva” pelo médico, sendo que as parteiras foram abominadas dos hospitais e sendo elas retiradas do parto.

A parteira tradicional

Em regiões remotas do país ainda é utilizado o serviço de parteria tradicional, onde mulheres mais velhas aprendem o ofício de parteria na tradição, muitas vezes utilizando plantas medicinais, remédios naturais e ritualizações culturais energéticas nos trabalhos de parto.

As enfermeiras obstétricas, ou parteiras modernas

Para se institucionalizar o parto, as enfermeiras que trabalham com isso fazem especialização em obstetrícia (ou a própria graduação em obstetrícia). Em países de primeiro mundo, os partos  de baixo risco (ou risco habitual) são acompanhados por obstetrizes (ou midwifes), e geralmente acontecem em casas de parto.

Elas podem, durante o parto:

*Aferir a pressão da gestante;

*Fazer ausculta no coração do bebê;

*Verificar a dilatação da parturiente através do exame de toque;

*Procedimentos clínicos em geral.

Doulas

As doulas são, segundo Dr Ric Jones, guardiãs do parto e do sagrado feminino. Elas são mulheres que dão suporte físico e emocional para p casal durante a gestação, parto e puerpério.

Elas não fazem NENHUM procedimento técnico, mas podem:

*Indicar posições fisiológicas para se usar durante o trabalho de parto;

*Aplicar técnicas não farmacológicas de alívio de dor;

*Explicar ao casal as fases do trabalho de parto;

*Ela é a primeira que chega durante o trabalho de parto, e geralmente a última que sai;

*Ajuda na primeira hora de vida (chamada de golden hour)

A doula é quem vai cuidar para que o parto ocorra conforme o desejo do casal. Através de olhares, vai entender a gestante, perceber se alguma coisa não está legal, e dizer à equipe.

Por isso é tão importante o trabalho em equipe dessas duas profissionais: parteira e doula. Enquanto uma está preocupada com os aspectos técnicos do parto, a outra está preocupada com o emocional.

E você, já tem uma doula pra chamar de sua?

Referências bibliográficas:

Janet Balaskas (1989). Parto Ativo: guia prático para o parto natural (a história e a filosofia de uma revolução).

Fiscalização e formação das parteiras http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342001000100008

Conheça as diferenças entre parto natural e parto normal  https://www.amanascer.com/diferencas-parto-natural-parto-normal/

Livro da parteira tradicional, Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/livro_parteira_tradicional.pdf

 

Doulas recomendam:

Parto normal: Deus me livre, mas quem me dera! Por Aline Baldassim Quem nunca ouviu uma história trágica sobre parto normal? Quem nunca pensou ou disse um Deus me livre?! Quem nunca viu ou ouvi...
Dança do ventre na Gravidez, em 5 tempos A dança do ventre é uma manifestação artística, categorizada dentro das artes cênicas, como dança folclórica e que, remonta há mais de 100 mil anos. E...
Pródromos: ou Por que sinto contrações mas não est... POR QUE NÃO TIVE DILATAÇÃO? É muito comum ouvirmos um “Tentei normal, mas não tive dilatação” na assistência privada no país. Isso não ocorre porqu...
Alojamento conjunto tempo todo entre mãe e bebê Fonte: https://parinti.acasa.ro/cresterea-copilului-365/cum-sa-vizitezi-o-mama-cu-un-nou-nascut-154738.html Quando falamos em nascimento, logo pen...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.