O significado moderno da dor do parto

Compartilhe:
Foto Carol Calegari – Nascimento Maria Valentina.

Muitas mulheres inciam a gestação com o desejo de ter um parto normal, mas junto desse desejo vem o medo da dor.  Vamos entender um pouco sobre ela? Quais seus benefícios e o que está ligado a esse momento?

A dor do parto é importante e necessária para o processo do nascimento e faz bem ao bebê. É o resultado das contrações uterinas que, junto aos movimentos fetais, pressionam o colo do útero para que se abra, permitindo a passagem do bebê.  Entretanto, a dor é vista frequentemente como algo ruim, que merece não existir.

Esta visão, sustentada pela percepção de que a dor é um sintoma de males e doenças, permitiu que o profissional do parto nos convencesse de que a dor é dispensável durante o evento e que ela não tem nenhum valor, é um mal a ser curado com tratamentos modernos e tecnologia.

O medo pode pressupor também da gestante não reconhecer o início do trabalho de parto, de quando ir para a maternidade ou procurar seu médico, do tempo que vai durar o parto, de ser dilacerada e que o bebê rasgue sua genitália afetando sua feminilidade, de rotinas intervencionistas, de não ser capaz de parir, tudo isso está ligada à sua auto-estima e experiências pessoais.

Então, se há dor no trabalho de parto, qual é seu propósito, e como podemos nos beneficiar dela?

O obstetra e professor da Universidade de Nottingham (Reino Unido), Dr. Denish Walsh, num artigo publicado na revista “Evidente Based Midwifery”, explica que a dor é um rito de transição que ajuda a regular o parto. Segundo Walsh, a dor do parto tem uma série de efeitos benéficos para a mulher e o bebê. A dor de parto, além de contribuir com a fisiologia do parto, fortalece ainda mais o vínculo entre mãe e filho.

Uma das vantagens de optar por um parto natural, além das razões médicas, é o prazer desse rito fisiológico que termina com o nascimento do bebê, além do fato de que a própria dor induz a liberação de endorfinas, que dão uma sensação de euforia e bem-estar, sobretudo o contato imediato pele a pele e amamentação na primeira hora de vida.

Podemos relacionar dois fatores que influenciam na experiência da dor:

  • Processo fisiológico: Há contratilidade uterina, fisiológica, normal que se torna mais frequente e mais intensa à medida que o nascimento do bebê se aproxima;
  • Processo emocional: E o estresse, as tensões e medos que aumentam a contração e reduz a duração dos intervalos entre elas.Entende porque devemos nos preparar para o parto? E como o equilíbrio de nossas emoções podem influenciar no processo fisiológico e determinar o desfecho final do parto?

    CASCATA DE HORMÔNIOS PRESENTE NO PARTO

OCITOCINA

A ocitocina é o hormônio central em todos os aspectos do comportamento reprodutivo. Em cada área da reprodução (relação sexual, trabalho de parto e parto, amamentação) ela funciona do mesmo modo e é afetada pelos mesmos fatores inibidores. Causadora das contrações uterinas.

ENDORFINA

A necessidade biológica para a dor no trabalho de parto é mediada pela capacidade de o corpo produzir endorfinas nos momentos de estresse físico agudo. Este hormônio oferece vários benefícios durante o trabalho de parto. Servem também como analgésicos naturais e ajudam a mulher a entrar em estados alterados de consciência, além de inúmeros outros benefícios para o binômio mãe-bebê.

ADRENALINA

É Liberada nos estágios finais do trabalho de parto e promove energia na gestante. Por isso que elas têm a necessidade de se agarrar em algo, ficar na posição vertical, gemer, empurrar o bebê. Quando o fluxo natural do parto é perturbado, o corpo toma ações instintivas de evasão para assegurar a sobrevivência e proteção da parturiente e seu bebê.
Se a adrenalina, que é secretada em condições de estresses, é liberada durante o trabalho de parto, ela pode desacelerar ou parar o trabalho de parto, diminuir a ação das endorfinas (aumentando a sensação dolorosa) e diminuir o fluxo sanguíneo para o útero, o que consequentemente diminui a oxigenação do bebê.

A DOR É INDIVIDUAL

Não é possível prever o nível de intensidade na dor para cada parturiente, isso é relativamente pessoal. Contudo, os fatore que podem influenciar de maneira negativa a dor do parto está atrelado a ansiedade, medo, tensão, histórico de vida, cultura e fatores ambientais.

Por isso, é importante que as gestantes busquem uma preparação psicológica emocional, permitindo aceitar as contrações como ondas crescentes que vão lhes dar a força necessária para empurrarem seu bebê. Assim, não sentirão receio e tensão durante todo o processo, evitando que a intensidade da dor aumente incontrolavelmente.

O principal é a mulher acreditar em si mesma, saber que tudo o que está sentindo decorre de um lindo evento natural e saudável, não de uma patologia. Crendo firmemente em sua natureza feminina e que seu corpo está mais do que preparado para que esse processo transcorra sem problemas, a parturiente consegue aumentar seu limiar à dor!

Em comparativo, ressalto que os mesmos hormônios presentes no parto são os que também fazem parte na relação sexual. Quanto maior o nível de relaxamento, mais positivo esse processo se dará. É por isso que algumas mulheres vivenciaram(ão) o parto orgásmico.

ONDE A DOULA ENTRA?

Durante o acompanhamento perinatal a Doula busca desmistificar alguns conceitos e orientar a gestante conhecer suas fraquezas, dores e dar significado aos medos e sentimentos tido por ela durante a gestação ou que possam aflorar no dia do parto.

No processo de trabalho de parto, é possível entender se aquela dor presente está relacionada ao emocional ou ao processo fisiológico esperado. Apesar disso, é possível o uso de métodos não farmacológicos para alívio da dor e orientação de relaxamento para uma melhor conscientização corporal e experiência positiva.

Enquanto doula, meu trabalho é o de informar às mulheres tudo o que pode acontecer. Seja para aquelas que idealizam muito ou para as que estão com medo. Todas precisam de informação de qualidade!

E você, tem medo da dor do parto? Já tem uma doula para chamar de sua? Conta como foi sua experiência! Segue lá @rafaellaiv.doula

Acesse o Formulário para maiores esclarecimentos https://form.jotformz.com/rafa_ivis/rafaela-ivis-doula

REFERÊNCIAS

Doulas como dispositivos para humanização
do parto hospitalar: do voluntariado à
mercantilização http://www.scielo.br/pdf/sdeb/v42n117/0103-1104-sdeb-42-117-0420.pdf

Dor do parto – sofrimento ou necessidade? http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302007000500009

Apoio contínuo para mulheres durante o parto –https://www.cochrane.org/pt/CD003766/apoio-continuo-para-mulheres-durante-o-parto

Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: uma revisão sistemática – http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072010000400022

Benefícios do parto normal para a saúde da mulher https://www.pfizer.com.br/noticias/Beneficios-do-parto-normal-para-a-mulher

PREPARO DA GESTANTE PARA O PARTO – http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71671973000200108

 

Compartilhe:

5 respostas para “O significado moderno da dor do parto”

  1. Existe algum serviço de Doula em Maceió com preços acessíveis? Não estou menosprezando o trabalho, sei que existe um custo toda a preparação para ser uma Doula mas é que estou desempregada, e já passei por duas Cesária e sei que terei que ter todo um apoio e suporte se eu quiser ter um parto normal.

    1. Oi querida, bom dia, tudo bem? Olha, preço acessível é algo que fica até um pouco subentendido, pois a realidade de cada um é que vai definir o que cabe e não cabe. No entanto, sugiro que você possa acessar minhas redes sociais e podemos conversar melhor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.