Eu disse sim à doula que havia em mim!

Compartilhe:

Sou a Carol, prazer!

Vim ao mundo por meio de uma cesárea consentida pelos meus pais após o médico ter explicado seu “receio”, pois eu estava pélvica ou segundo minha mãe “sentada, esperando o ônibus passar”.

Minha mãe conta que desde pequena sempre gostei de ervas e de coisas naturais. Isso só aumentou com o passar do tempo e, após um desvio de rota bem científico – bacharelado em biomedicina, pesquisa básica e pesquisa clínica, comecei a estudar algumas terapias integrativas. Terapia floral, aromaterapia, reiki, psicossomática fazem parte dos meus estudos e paixões.

Mesmo amando essa área holística, eu não conseguia fazer minha transição de carreira, parece que faltava alguma coisa. E o que eu descobri após um processo terapêutico pessoal não era “o que faltava”, mas sim “quem eu iria atender”. O dia que assumi para mim que iria cuidar de gestantes, tudo fez sentido aqui dentro!

Servir e cuidar <3 (acervo pessoal)

Preciso ser mãe para ser doula?!

Se eu tenho uma certeza na vida é a certeza que quero ser mãe. Quando estava em um relacionamento estável, esse era um assunto recorrente e buscava informações sobre parto humanizado de forma orgânica. Achava maravilhoso o trabalho das doulas e sabia que iria querer uma para mim quando minha hora chegasse – hora essa que ainda não chegou.

Encerramento do curso de doulas da ComMadre (acervo pessoal)

Do momento de descobrir que eu queria cuidar de gestantes até dizer com segurança “eu sou doula” foi um processo. Embora todos que convivem comigo me diziam, “nossa, você leva jeito para isso”, “o seu jeito de falar me acalma, me sinto segura com você”, eu tinha a crença limitante de que para ser doula é preciso ser mãe.

E não sou mãe ainda, e agora? Descobri que para cuidar e apoiar outras mulheres é necessário acolhimento e entrega amorosa. É estar disponível genuinamente para as necessidades e demandas de outra mulher num momento que transita entre a força e a vulnerabilidade. É acreditar no protagonismo feminino, é lutar para que a mulher seja respeitada e ouvida.

Na prática vejo quão libertador foi trocar a minha crença limitante por uma crença fortalecedora de “mulher que apoia outra mulher, independentemente de qualquer coisa”.

Estrutura do meu ‘doular’

Com a Adriana e o Mauí <3 (acervo pessoal)

Me formei doula em 2018, e sinto que tudo que fiz profissionalmente até aqui se encaixa perfeitamente na doulagem. Nosso corpo e mente não podem ser segmentados – tudo está interligado e durante o trabalho de parto isso é evidente.

Nos encontros pré-parto, a conversa vai além da fisiologia, é preciso se preparar emocional e mentalmente para essa viagem rumo a partolândia.

Assim como eu tive que descobrir o meu porquê para fazer o que faço hoje, convido as gestantes a descobrirem qual o porquê delas. A clareza e certeza dos motivos que a levaram a parir, mesmo em um sistema cesarista, ajuda – e muito – quando as coisas se tornam desafiadoras!

Sou apaixonada por flores e ervas in natura, na forma de florais e óleos essenciais. Como a natureza é linda e nos propicia formas de cura fantásticas. Como cada gestante é um universo único, trabalho de forma individualizada – nada de fórmulas prontas!

De acordo com o que a gestante precisa, crio fórmulas florais que podem auxiliar na gestação e trabalho de parto, produtos  terapêuticos com óleos essenciais – sabonete líquido, creme, inalador pessoal, etc., combinação de ervas para escalda-pés para a reta final da gestação.

A alegria da visita pós-parto <3 (acervo pessoal)

 

Atuo como doula de forma voluntária em um hospital em São Paulo e de forma particular. Criei o AromaDoula para unir minhas paixões e aos poucos esse projeto está criando forma. Eu disse sim ao desejo de cuidar e servir outras mulheres. Eu disse sim ao privilégio de presenciar o nascimento de vidas e famílias. Eu disse sim à doula que havia, e que sempre existiu, em mim!

 

 

Referências

Evidências qualitativas sobre o acompanhamento por doulas no trabalho de parto e no partohttp://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-81232012001000026&lng=en&tlng=pt

O valor do suporte à parturiente: um estudo da relação interpessoal no contexto de um centro de parto normal. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v17n1/12.pdf

Apoio contínuo para mulheres durante o parto. https://www.cochrane.org/pt/CD003766/apoio-continuo-para-mulheres-durante-o-parto

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.