E foi assim que a Doula que já havia em mim floresceu!

Compartilhe:

Olá, me chamo Marcela e tenho 32 anos. Sou casada com o Rodrigo e mãe de um menininho lindo chamado Ben. Venho contar um pouco da minha trajetória até aqui e como foi o meu despertar para a doulagem.

O que você vai ser quando crescer?

Quando criança sempre fui muito curiosa e o assunto nascimentos já me despertava interesse. Queria saber a história de nascimento de todos da família e amigos. Mas algo ali naquelas histórias me deixava desconfortável, ainda não conseguia identificar o que, mas já era suficiente para questionar o por quê dos nascimentos me parecerem tão “sofridos”.
Sempre surge aquela pergunta quando se é criança: O que você vai ser quando crescer? Minha mãe, conhecendo meu interesse por nascimentos sempre dizia que eu seria uma ótima obstetra, mas não era naquela função que gostaria de estar. Quando realmente chegou a hora de decidir o que cursar, escolhi por ser Bióloga, uma de minhas paixões.

Na Biologia pude compreender muito melhor o corpo humano e seu funcionamento. Toda a modificação que ocorre em um corpo gravídico, o processo desencadeado para parir. Comecei a entender o que me deixava tão incomodada nas histórias que ouvia sobre nascimentos. Era um processo onde não havia apoio, sem orientação clara, não eram respeitadas as vontades daquelas mulheres e por muitas vezes violento.
Ainda como Bióloga trabalhei em um museu de Ciências itinerante. A exposição continha modelos anatômicos do corpo humano e em especial do sistema reprodutor e uma peça de um útero gravídico. Era meu modelo preferido da exposição, passava horas mediando sobre gestação, parto e todas as dúvidas que iam surgindo.  A Doula já estava presente em mim, só ainda não sabia o que era.

De Bióloga à Doula

A busca por histórias e vídeos de parto nunca pararam, amava escutar mulheres contando como seus filhos vieram ao mundo e meu coração se enchia de amor. Já sabia também que quando fosse minha vez eu escolheria o parto normal (ainda não sabia que não bastava só ter a vontade rs), a vontade de sentir o meu corpo agir para parir era indiscutível.
Em uma de minhas buscas por um parto mais respeitoso encontrei a palavra DOULA. Mas o que seria isso? Doula, de origem grega, significa “aquela que serve”, seu papel junto a mulher é oferecer informações baseadas em evidências científicas, respeitar e apoiar suas decisões e oferecer um suporte tanto físico quanto emocional na gestação, parto e pós parto, ou seja, uma mulher acolhendo outra mulher. Era isso!!!! Foi como se uma nuvem saísse dos meus olhos e pude enxergar ali o que eu sempre quis fazer. Foi um despertar para o cuidado.
Anos se passaram, já não trabalhava mais com Biologia, mas a vontade de ser Doula nunca se perdeu. Até que minha irmã engravida pela segunda vez e, sabendo da minha vontade de ser doula, me convida para ser sua doula. Que honra!!!! Uma mistura de felicidade e emoção tomou conta de mim. Poder estar presente no nascimento da minha sobrinha e renascimento daquela família seria mágico, e esse convite só veio para reafirmar o meu desejo de atuar na humanização do parto.

 

 

E em 2017 me reinventei e, com o curso de formação de doulas, descobri minha vocação. O meu primeiro atendimento como doula foi em Junho de 2017.

De Doula à mãe

Depois de 13 anos de relacionamento, e um mês do casamento oficial (rs) eu e meu marido decidimos que já estava mais do que na hora de nos permitirmos ser pais. Brinco que o Ben só estava esperando uma brecha pra poder vir. Engravidei!!!!
Foi uma gestação muito tranquila, acompanhada por uma equipe maravilhosa e uma doula incrível (Sim, a doula também tem doula rs).

Foto: Ronaldo Oliveira Fotografia

Nosso parto foi longooooo, tivemos todos as nossas vontades respeitadas e estávamos tranquilos para receber nosso bebê surpresa (isso mesmo, só descobrimos o sexo quando nasceu). Rompemos a dor para gerar a vida e ali, com meu menino nos braços, eu renasci e pude vivenciar um amor que só multiplica e transborda.

O Ben veio pra chacoalhar minha vida e me permitir vivenciar e adentrar ainda mais nesse mundo. Permitindo conhecer pessoas incríveis e fazer novas amizades e parcerias.

Hoje minha missão é

Hoje inicio um novo ciclo, e me coloco a disposição para auxiliar novas famílias, com informação, cuidado, dedicação, amor e respeito.
Utilizo a aromaterapia em atendimentos com gestantes, auxiliando na formação da sinergia para a gestação, trabalho de parto e pós parto. Auxilio na amamentação e sou habilitada para o uso da laserterapia na saúde da mulher e da criança (fissuras mamilares, lacerações, assaduras etc).


Facilito, junto a outros profissionais, uma roda de apoio a maternidade chamada Espaço Matre, com troca de informações e experiências. E atuo como Doula em um projeto de voluntariado em um Hospital público da zona norte do RJ.

Tem alguma dúvida sobre minha assistência como Doula ou gostaria de saber mais informações referente a roda gratuita de apoio a maternidade? Me envia um Direct pelo Instagram: @marcelahenri ou entre em contato pelo Whatsapp: (21) 9 8092-0613.

Agradeço por me acompanharem até aqui.

Referências Bibliográficas

Evidências sobre o suporte durante o trabalho de parto/parto: uma revisão da literatura – http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2005000500003

Fadynha. A Doula no Parto: O papel da acompanhante de parto especiamente treinadapara oferecer apoio contínuo físico e emocional à parturiente.  3.ed, São Paulo: Ground, 2011.

Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: uma revisão sistemática – https://www.redalyc.org/pdf/714/71416100022.pdf

SOBOTTA, Johannes et al.. Sobotta atlas de anatomia humana.23. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.