Do marketing à doulagem: a jornada de uma executiva às origens de seu feminino

Compartilhe:

De histórias e caminhos percorridos, de alegrias e dores, incertezas e esperanças, me fiz mulher, mãe e doula.

Tantas Marinas em uma só.

“De Sangue e Sonhos”. Esta frase sempre me acompanhou, desde que eu tinha meus vinte e poucos anos e “blogava” histórias e poesias.

Pisciana.

Embora flutuasse em escritas poéticas, livros e música, minha vida foi pautada em trabalho, trabalho sério.

Minha família me ensinou que mulher deve trabalhar e ser independente!

Então lá fui eu desbravar o universo masculino da competitividade, do lucro, da esperteza.

Me tornei gerente de marketing em empresa multinacional, pós-graduada em comunicação corporativa pela USP.

Atendi a todas as expectativas da família e do mercado e vivia feliz, embora um tanto só, porque não me encaixava.

Não me encaixava. Havia um vazio no peito que eu não conseguia preencher porque nem tinha coragem de olhar direito pra ele.

Até que um dia, a notícia: grávida!

João e sua revolução em mim.

Engravidei do João sem programar, sem planejar. Aconteceu.

E foi como se todas as certezas pousassem sobre o meu ser de uma só vez: minha maternidade não caberia nessa minha vida e eu queria parir naturalmente.

João nasceu de um parto instrumental com vácuo-extrator, com equipe humanizada. Na época achei que tivesse sido a experiência mais incrível da minha vida e levei dois anos para entender que sofri todas as intervenções não recomendadas pelas Novas Diretrizes do Parto Normal: posição litotômica, manobra de Kristeller, aplicação de ocitocina sintética , puxo induzido e episiotomia.

Parei de trabalhar e mergulhei no mundo da maternidade, abraçada ao João e ao meu renascimento.

A constatação da realidade do que foi meu parto, meu puerpério intenso e difícil, o fato de estar 100% entregue à maternidade e disposta a me olhar no espelho pela primeira vez na vida, me fizeram estudar, estudar muito!

E entre lágrimas, leituras, conversas e postagens ao longo de três anos, uma amiga certo dia me lançou a pergunta: “Quer ser minha doula?”

Eu? Doula?

Me pareceu loucura, impossível, absurdo e, no entanto, tão incrível!

No período de um mês, fiz o curso de Formação de Doulas no Gama, uma imersão com Dominique Sakoilski, chamada Sete Segredos do Parto e, meu registro na Maternidade São Luiz para acompanhar minha amiga Fernanda em seu parto.

A partir desta primeira experiência, percebi que estava exatamente onde deveria estar. Como se um portal se abrisse para que eu, finalmente, pudesse enxergar minha verdade e meu propósito de vida.

Me lembrei que minha bisavó tinha sido parteira tradicional, daquelas que vão de charrete pela roça para apoiar mulheres em seus partos. Uma senhora muito modesta que ajudou a vir ao mundo toda uma geração de crianças em sua cidade.

Com esta lembrança, me abri para  o meu feminino, para a história das mulheres de minha família e pude compreender tantos porquês de minhas escolhas e caminhos até então.

Meu presente, meu ofício

Hoje, após três anos do primeiro parto que acompanhei, me aprofundei ainda mais nos estudos para me especializar e oferecer um atendimento acolhedor, amoroso e profissional.

Uma das grandes lições que tenho aprendido ao longo desta carreira é que as histórias não são sobre mim. Sou apenas instrumento para que mulheres consigam ter o parto que desejam e, ainda que não consigam, sigo sendo instrumento de apoio, empatia e escuta. Não se trata de mim ou do que acredito, mas do que aquela mulher, única em sua história, valores e possibilidades, pode e deseja vivenciar.

Meu papel é estar ao seu lado, trilhando este caminho com ela.

Trabalho em Ubatuba, Caraguatatuba e Paraty acompanhando partos domiciliares, hospitalares, realizando atendimentos pós-parto, sessões de terapia corporal biodinâmica e, em todos os casos, assistindo mulheres em seus incríveis processos de empoderamento.

É uma jornada linda de acompanhar!

Minha formação:

  • Doula Parto – Gama, 2015
  • Aromaterapia na Gestação, Parto e Pós-Parto – Maria Alice Godoy, 2015
  • Seven Secrets of a Joyful Birth – Dominique Sakoilsky, 2015
  • Doula Pós-Parto – Commadre, 2016
  • Massagem na Gestação, Parto e Pós-Parto – Gama, 2016
  • Massagem Biodinâmica nos Processos de Psicoterapia Corporal – Glória Cintra, 2016
  • Desafios nos diálogos com casais grávidos e puérperos – Alexandre Coimbra Amaral, 2017
  • Psicologia do Puerpério – Alexandre Coimbra Amaral, 2018
  • Em formação no curso de especialização em Psicologia Biodinâmica – Instituto Brasileiro de Psicologia Biodinâmica – 2018

Aqui você aprofundar a leitura em assuntos que abordei:

Doulas recomendam:

Parto hospitalar: por que ter uma Doula ? Até o final do século XIX, a grande maioria das mulheres tinha parto vaginal e  em casa, realizados por parteiras, conhecidas também como aparadeiras,...
Paguei caro, sem pagar um centavo! Contei anteriormente minha história resumida Aqui e agora sinto esse ímpeto de partilhar uma de minhas maiores dores e que venho buscando constantemen...
07 Coisas que não te contaram sobre o Parto Normal... Quando se está para viver algo novo, é importante saber o que pode acontecer. Então, se você está se preparando para o parto normal, senta aqui e v...
Benefícios do Yoga na gravidez “Seu corpo vive no passado e sua mente no futuro. No Yoga eles se unem no presente”  B.K.S. Iyengar Por que praticar Yoga durante a gravidez? São ta...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.