Como conheci a doula que havia em mim.

Compartilhe:

A descoberta.

Essa jornada se consolidou em meu coração após assistir uma linda reportagem do SBT repórter sobre parteiras tradicionais. Nesse dia meu coração queimou e eu falei é isso,  assim que desejo parir e ser respeitada.

Em 2011 fui presenteada com a tão sonhada e planejada gestação. Sempre tive em mente que o parto normal seria a melhor opção. Na época morava em Ubatuba, procurei por uma doula e para minha tristeza não encontrei e fui parir com a convicção de que se fosse um parto vaginal já estaria realizada e não foi bem assim. Acreditava que o hospital era um lugar seguro e que o médico obstetra era o único profissional capacitado para “fazer o parto”. Com exatas 38 semanas minha bolsa rompeu dei entrada no hospital com apenas 1 centímetro de dilatação não deixaram meu esposo passar o trabalho de parto ao meu lado. E lá estava eu sozinha e vulnerável numa sala fria sem saber o que fazer. Após 24 de indução com ocitocina sintética, episiotomia e muita força comprida nasce meu príncipe Ian nasceu pesando 3.950 e 50 cm de muita vida e fofura porém com anomalia anorretal (são defeitos de nascimento, nos quais o ânus e o reto não se desenvolvem adequadamente).

Ian com sete dias aguardando a cirurgia.

Da maternidade ao hospital para cirurgia de correção que foi realizada com dez dias de vida. E com quinze dias ele não resiste ao pós cirúrgico e retorna para sua casa de origem.                        Saudades eterna desse gorducho que me fez valorizar mais e mais a vida!                                             

 

Sai desse parto com a convicção de que tudo poderia ter sido conduzido com amor e respeito. Descobri que a gestante de baixo risco pode escolher parir em casa ou numa casa de parto assistida por enfermeiras obstetras e obstetrizes. Ao me aprofundar nos estudos percebi que me faltou uma ponte chamada “informação” que me conduziria com autonomia e me faria passar com segurança e amparada de amor.

A consolidação do desejo.

No dia de Setembro de 2012 me formei doula pela Escola de Doulas ANDO/Campinas foram dias transformador, renovador e também de muitas dores e choro. Percebi o quanto meu primeiro parto foi sofrido e doloroso e que o desfecho poderia ser bem diferente. Um momento marcante foi quando o pediatra Carlos Correa (Caca) falava sobre os cuidados com recém-nascido  e criação com apego. O quanto era importante amamentar em livre demanda isso é: sempre que o bebê quiser. E eu na primeira gestação tinha lido muitos livros que impunham regras: amamente a cada três horas, não deixe o bebê dormir no colo, deixar chorar um pouco não faz mal, etc…

Nesse momento cai em prantos de saudades do Ian que viveu tão pouco e que nasceu com o marco da violência, privado do contato pele a pele na primeira hora de vida, ficou no berçário e recebeu água glicosada porque não tiveram disposição de me ensinar como amamenta-lo.

Mas no final do curso nascia uma nova mulher, mãe e doula. Sai capacitada e cheia de desejo de engravidar novamente e ser uma facilitadora para que outras mulheres pudessem trilhar esse caminho com apoio, respeito e amor.

Grupo de Apoio ao parto em Sorocaba Sp. Aqui conheci minha doula Gleise Piva e a fotografa Ariane Chiebao. Gratidão!

E no processo de preparação para gestar eu participava de grupos de apoio que considero muitíssimo importante, seja seu primeiro ou décimo parto é a chegada ao mundo de uma nova pessoa, de uma nova mãe e pai. Será sempre um evento marcante, eu acreditava e acredito que essa preparação abre portas para ser um momento de felicidade intensa e satisfação.

Fiquei gravida do segundo, viva!

Após quatro meses formada doula descubro que serei mãe novamente e daquele momento em diante eu só sabia pensar, sonhar e desejar um parto domiciliar.

Um grande trampolim sair do parto institucionalizado ao domiciliar. Eu estava disposta a me jogar e viver essa linda experiência, mas ao mesmo tempo vinha o medo. “Ih se der algo errado em casa, como resolver?” Meu esposo tinha muito receio por ter passado pela experiência da perda do Ian e pensava: _Um já virou anjo e perder outro em casa não irei suportar. Mas eu me mantinha firme estudando, trabalhando o medo e fortalecendo ele, que foi um excelente parceiro. Francisco meu amor obrigado por embarcar comigo nessa linda viajem, sem você eu não teria conseguido, te amo!

A primeira doulagem.

Em junho de 2013 já estava com minha barriguinha de cinco meses do Tito e fui privilegia com esse casal Joyce e Julio. Ela em busca do tão sonhado VBAC ( parto vaginal após cesárea). É possível sim ter um parto lindo após uma cirurgia. Essa de que: uma vez cesárea sempre cesárea é uma falácia. E nesse dia uma mulher foi curada e renovada e a doula que havia em mim nascia disposta a servir, apoiar e fortalecer as mulheres e ao mesmo tempo convicta de que minha casa era o melhor lugar para receber o Tito com leveza e satisfação.

A realização do parto domiciliar.

Em 22 de outubro de 2013 recebo a cura, alegria, força e poder ao vivenciar um trabalho de parto ativo e super intenso que durou 5 horas.  Estar em casa me proporcionou  tranquilidade, liberdade, calma e segurança. Quando a equipe  chegou eu já estava com 9 de dilatação entregue a cada contração que encarava como uma onda, a onda que me impulsionava das profundezas do meu mar de dor e força para o descanso da marola de vida  e cura .

Meu milagre chegou empelicado(quando o bebê nasce dentro do saco amniótico intacto, quando a bolsa não arrebenta)  amparado pelo pai e cheio de vernix caseoso que sou apaixonada por esse cheirinho que fiz questão de deixar na pele dele por quatro dias.

E a força do parir trouxe a doula que havia em mim.

Roda de Mães grupo de apoio para gestantes e casais grávidos em Itanhaém-Sp

Não pari apenas um filho, pari meus medos e minha força. Hoje tenho a convicção de que nós mulheres somos mais fortes do que imaginamos. Ian veio me ensinar que muitas vezes perdemos pra ganhar.  E que parir é revelador e transformador. Mulher não perca a oportunidade de se encontrar e se fortalecer. O parto é um momento marcado pela importância
da chegada de uma nova vida. Mais que um evento
médico, é um acontecimento repleto de emoções e
significados.

Deseja um parto respeito e mais natural possível, empodere-se! Leia , faça pesquisas, participe de rodas de apoio para gestantes faça tudo o que está ao alcance e tenha uma doula para chamar de sua. Estudos mostram que a presença dessa profissional trás resultados favoráveis, destacando-se redução da taxa de cesarianas, da analgesia/medicamentos para alívio da dor, da duração do trabalho de parto, da utilização de ocitocina e produzindo aumento na satisfação materna com a experiência vivida.

Ahh satisfação ao parir e encontrar a doula em mim!

Realmente isso! Desfrutei dessa satisfação e tenho como missão promover as mulheres esse direito de escolha munindo elas com informação para que possam decidir sobre como e onde ter seu bebê e o que é melhor para ela como mulher e para seu bebê porque o parto é muito mais que uma experiência de nascimento, é o nascer e renascer. Nasce um bebê, renasce uma mulher!

Conheça um pouco mais sobre essa doula  que encontrei em mim acessando aqui: https://www.facebook.com/doula.fabi.7

Referências:

Doulas brasileiras https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/182444/TCC1%20DOULAS%20BRASILEIRAS.pdf?sequence=1

Impacto do parto vaginal após uma cesárea
prévia sobre os resultados perinatais file:///C:/Users/Windows%207/Downloads/Impact_of_vaginal_delivery_after_a_previous_cesare.pdf

Parto Domiciliar: direito reprodutivo e evidênciashttp://estudamelania.blogspot.com/2012/08/estudando-parto-domiciliar.html

 

Compartilhe:

6 respostas para “Como conheci a doula que havia em mim.”

  1. Que lindo ! Você é linda e altamente favorecida! Privilégio demais poder ter acesso à sua linda história e saga de amor.
    Parabéns

  2. Que lindo Fabiana, lógico que eu me lembro da sua história …. mas depois que me renasci tudo se transforma … chorei aqui ao ler ….. penso que falta tanto carrinho para com as gestantes 😥😥😥

  3. Tive um parto normal …..
    Mas falta carrinho, afeto e respeito pelo ser humano…..
    Oque me deixou mais tranquila foi o Adriano Oliveira estar ao meu lado 💞

  4. Owwn 😍 Lembro de quando eu estava grávida e você me deu diversas dicas para a dilatação pois eu não queria cesárea e nem que o parto fosse induzido de jeito nenhum, detalhe eu já estava de 40 semanas kk e suas dicas foram um sucesso 💥👏😍

  5. parabens a todas as Doulas👏🏽👏🏽👏🏽 Mulheres corajosas que ajudam mulheres que optam por parto natural a conduzir esse momento mágico com segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.