Como a minha profissão me escolheu…

Compartilhe:

Sou Juliana Bacci, doula, graduada em enfermagem. Nasci de uma Cesárea desnecessária, em uma noite fria no Rio Grande do Sul. Costumo dizer que a doulagem me escolheu, pois nunca me interessei pelo universo da gestação e parto, nem na época da minha graduação, meu foco era outro, até que em um dia de estágio hospitalar, acabei assistindo um parto, que transformou minha vida, acredito que este parto foi meu “divisor de águas”!

Um fracasso! Uma fralde!

Assisti  uma mulher parindo na posição de litotomia (frango assado), com puxos dirigidos, onde ninguém disse uma palavra de apoio, assim que o bebê nasceu, levaram direito para outra sala a fim de iniciar os procedimentos, aquela mulher pedia “cadê meu filho?”, “tá tudo bem?’, simplesmente ninguém a ouvia, a criança chorava, longe da mãe, e eu ali, uma simples estagiaria que não podia tocar em nada e muito menos falar…esperei a equipe técnica sair de perto da mãe, e quando eu vi eu estava lá, comecei a conversar com aquela mulher, acalmando-a, expliquei pra ela que seu filho estava bem, que logo logo ele estaria ao lado dela…me senti um fracasso! Uma fraude! Como que eu iria ser uma profissional da saúde se eu tivesse que ser como aquele sistema…

Foi ai que começaram meus questionamentos: “quando foi que perdemos a empatia?”, “como que a profissão me faz lidar com pessoas, me ensina a ser tão fria?”, foi assim que me toquei, mas será que precisa ser assim?!

Quando terminei minha faculdade de enfermagem (Fevereiro de 2019) comecei a estudar ainda mais, fui atrás de informação, eu queria entender como que o processo do parto tinha que ser assistido, porque eu não me conformei que eu deveria assistir um parto daquele jeito, entre buscas e leituras encontrei a palavinha que até então eu nunca tinha ouvido falar: DOULA! E lá fui eu, procurar o que significava, assisti um vídeo, sobre o parto humanizado e me apaixonei! Foi como uma luz, uma voz me dizia: você nasceu para ser doula!

O parto não precisava ser como presenciei…

Então, fui procurar um curso, e achei o GAMA em São Paulo, foi a melhor decisão que tomei! A cada dia daquele curso eu me apaixonava mais, eu fiquei maravilhada e aliviada, porque o parto não precisava ser do jeito que eu presenciei naquele dia de estagio. Voltei para minha cidade, com outra visão, e desde então não parei mais de estudar e buscar sempre informações de qualidade para todas as gestantes que me procuram.

Acredito que buscar informações é o segredo, para se ter o parto que tanto deseja, conhecer a fisiologia do parto, desmitificar certos mitos que nos foram passados, com tudo isso a mulher descobre a grande força que existe dentro dela, sendo assim a protagonista do seu parto.

Hoje, trabalho como doula.

Na cidade de Campo Verde MT, com consultas que preparam a mulher e seu companheiro para o parto, com informações de qualidade, exercícios que ajudem a manter o corpo da mulher em equilíbrio, para se ter uma gestação mais tranquila e sem muitos desconfortos, escuto famílias e ofereço ferramentas para que tenham o parto o mais próximo do esperado. Atuo também, acompanhando o parto da gestante, deixando o ambiente acolhedor, dando suporte emocional e físico como as massagens e posições mais favoráveis, auxiliando na amamentação.

Ser doula, é minha paixão! Adoro cuidar com carinho de quem carrega uma nova vida!

 

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

O papel da doula na assistência à parturiente http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/380 

Parto humanizado: um direito a ser respeitado. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/is_digital/is_0403/pdf/IS23(4)104.pdf

Influência da posição de parto vaginal nas variáveis obstétricas e neonatais de mulheres primíparas http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292009000400004

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.