O quê é que tem na bolsa da doula?

Compartilhe:

Certa vez, fui atender um gestante em trabalho de parto na sua casa e cheguei chegando com um mala vermelha,  ela e o marido olharam para mim meio sem entender e me perguntaram o que eu levava ali!

Dei de ombro e disse sutilmente: “Calma, vocês vão ver o poder da bolsa da doula!” – Como se ali houvesse porções e instrumentos mágicos!

Na verdade não há nada de mágico nos instrumentos de trabalho de uma doula! É de se ressaltar que cada doula tem em sua mala o que ela considera imprescindível para a concretizar seu papel de acompanhante treinada para dar suporte contínuo, tanto físico como emocional, a gestante e seu acompanhante em trabalho de parto.

Assim, nesse post vou me ater a minha experiência e claro, a minha bolsa de doula e meus instrumentos de trabalho! E caso tenha curiosidade, pergunte a sua doula o quê que tem na bolsa dela!

No início do meu trabalho como doula fiz uma bolsa bem genérica e com o tempo fui aperfeiçoando e percebendo o que funcionava para mim e para as minhas gestantes! Durante a doulagem posso usar tudo que está na bolsa ou quase nada, sempre depende da mulher que estarei doulando e das suas necessidades no momento do parto!

Doula Ana Paula Lanza    Foto:Thaty Naila

No entanto, estudar a fisiologia do parto, tanto hormonal como física, e entender o que acontece com a mulher em trabalho de parto me ajudou muito a cada dia mais aperfeiçoar minha mala de doula e levar nela o que realmente poderei usar.

Outra coisa foi entender quais os métodos de alívio de dor existentes e quais eu me sentia à vontade em usar!

E então vamos lá… O quê que tem na sua bolsa de doula, Ana?

  • Maletinha com Óleos essenciais, um vidrinho pequeno de álcool 70% e um óleo de semente de uva que uso para massagens e para ser o carregador dos óleos essenciais; alguns vidrinhos para fazer as misturas necessárias. E um aromatizador elétrico;
  • Bola suíça (normalmente, deixo com a gestante quando completa 37 semanas);
  • Rebozo;
  • Leque;
  • Um copo de esquentar água e um fervedor elétrico;
  • Bolsa de água quente e bolsa de sementes;
  • Aquecedor portátil (minha cidade é mais fria);
  • Espelho;
  • Peneira média;
  • Bacia retrátil e um pote de mistura para escalda pés;
  • Piscina de parto;
  • Bomba para inflar e desinflar a piscina;
  • Plástico impermeável para forrar a piscina (individual);
  • Mangueira para encher a piscina (individual);
  • Bomba de aquário e mangueira para tirar a água da piscina;
  • Uma nécessaire com elásticos de cabelo, um pente, álcool em gel, escova de dentes e pasta, chicletes, sachês de mel, tesoura, isqueiro, remédio para dor de cabeça, uma meia grossa, bolachinha, carregador de celular, sacolas plásticas e saco de lixo;
  • Uma troca de roupa e uma blusa de frio;
  • No meu celular tenho um aplicativo de música no qual tenho playlist´s de parto, com uma seleção que venho fazendo desde o meu primeiro parto e a cada gestante eu atendo peço algumas músicas de referência, ou adiciono na minha lista ou crio uma própria para ela;
  • E uma mala de doula pra guardar isso tudo!!

Muito maluca essa bolsa né!? No entanto, nela consigo trabalhar vários métodos de alívio de dor, como a música para promover introspecção e relaxamento, o calor das bolsas de água quente e sementes na lombar, os óleos para acalmar e fazer massagens, o escalda pés, o banho de emersão e por aí vai…

Mas certeza que você deve estar se perguntando para que um isqueiro? Para amolecer a pontinha da mangueira e ela entrar no caninho de saída de água! E a tesoura? Uma vez tive que cortar o top de uma doulanda que havia tomado analgesia e não podíamos correr o risco de tirar o cateter do lugar, outra para cortar a mangueira da banheira que ficou grande… e por aí vai!

Uma coisa eu garanto a você doula precisa de jogo de cintura em criar pequenas soluções no momento do trabalho de parto, para que assim a gestante fique o mais confortável possível!

E sem dúvida o que levo para o meu trabalho de mais importantes, como é para a atuação de qualquer doula, são:

  • Paciência;
  • Disposição;
  • Comprometimento com aquela família;
  • Empatia;
  • Cuidado amoroso;
  • Muito respeito;
  • Palavras de incentivo;
  • Silêncio muitas vezes necessário;
  • Mãos firmes e abraço acolhedor;
  • Conhecimento baseado em evidências científicas e;
  • Uma pitada significativa de intuição para entender a necessidade de cada mulher em trabalho de parto!!  
Doula Ana Paula Lanza Foto: Thaty Naila

 

Referências Bibliográficas:

Evidências qualitativas sobre o acompanhamento por doulas
no trabalho de parto e no parto.

PARTO E NASCIMENTO: SABERES E PRÁTICAS HUMANIZADAS

TRABALHO DE PARTO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.