Uso do óleo essencial de lavanda no trabalho de parto

Compartilhe:

Quem nunca ouviu uma doula falando “tem cheiro de lavanda!!!” para se remeter ao aroma predominantemente sentido durante um partejar?! Posso apostar que a lavanda faz parte de alguma memória olfativa sua, e se não fizer, posso garantir que ela ainda fará!

Mas afinal, o que são óleos essenciais?

Fonte: Flickr

São substâncias repletas de moléculas voláteis altamente complexas e concentradas – cada óleo essencial apresenta de 100 a 300 componentes químicos! Essa composição química atua em prol da sobrevivência das plantas, ou seja, são essenciais para o processo vital das plantas aromáticas. Cuidam de si antes de cuidarem de nós!

Essa composição química oriunda da Mãe Natureza tem inúmeras propriedades curativas e que nos beneficiam, e é disso que a Aromaterapia se serve – aplicação consciente de óleos essenciais visando a saúde e o bem-estar do indivíduo em todas as esferas – corpo, mente e espírito.

Lavandula angustifolia, prazer!

Lavandula angustifolia
Fonte: Flickr

Aqui me refiro a essa entidade, a Lavandula angustifolia, uma espécie de lavanda que produz um óleo essencial cheio de propriedades terapêuticas. Seu nome científico – Lavandula – deriva do latim lavare, que significa lavar, e isso não é a toa: há relatos do uso da lavanda em banhos públicos e higienização de ferimentos. Desde a antiguidade cuidando e propiciando bem-estar!

Seu uso no trabalho de parto

Seja por meio de massagem na lombar (ou outra região pertinente) ou inalação, a lavanda é amplamente utilizada devido às suas propriedades terapêuticas. Durante o trabalho de parto, ela pode ser utilizada para:

  • Alívio da dor;
  • Ansiedade;
  • Medo;
  • Tensão;
  • Cansaço;
  • Promoção de bem-estar e relaxamento.

A atuação da Lavanda na redução da ansiedade, medo e dor foi relatada em um estudo com mais de 8.000 parturientes conduzido por Burns e colaboradores (veja esse estudo nas referências)!

Tem contraindicações?!

 

Sim! Ela não deve ser usada se a parturiente estiver em uso de medicação anti-hipertensiva, pois a Lavanda é um óleo essencial com propriedades hipotensivas (tem a capacidade de diminuir a pressão arterial). Deve ser evitada por parturientes que receberam anestesia peridural, por causa de seus efeitos similares à bupivacaína.

Além disso, deve ser levado em consideração:

  • Óleo essencial não deve ser aplicado diretamente na pele – ele é altamente concentrado e deve ser diluído, por exemplo, em creme neutro ou óleo carreador;
  • Diluição de 1% é considerada segura parturientes. O uso de altas concentrações de Lavanda causa o efeito oposto, em vez de relaxamento causa estimulação;
  • Use óleos essenciais puros e de boa procedência;
  • Doula – aromaterapeuta experiente e com conhecimentos sólidos em aromaterapia;
  • Prova olfativa (se possível antes do trabalho de parto ativo) – o uso do óleo essencial deve ser agradável para a parturiente, se causar aversão, desconforto, etc., este não deve ser utilizado!

Esse último item se refere ao fato de que os óleos essenciais, quando inalados, são reconhecidos por receptores e enviam rapidamente mensagens ao sistema límbico – o centro das emoções no nosso cérebro. Tudo o que uma parturiente não precisa é acessar memórias de dor, raiva, tristeza durante o trabalho de parto, não é mesmo?

Guardiã do portal do parto!

Ouvi esse termo uma vez e ele fez total sentido para mim. Muitos óleos essenciais podem ser usados durante o trabalho de parto, mas a Lavanda é soberana em sua gentileza.

Alivia a dor física e emocional da parturiente, dissolve o estresse instalado no ambiente, promove o relaxamento do corpo e da mente propiciando a entrega necessária para o “parir”. Equilibra o humor e varre a tensão diante do desconhecido. A Lavanda pega na mão e lava a alma da mulher que se dispõe a adentrar e se entregar ao ritual de passagem do parto.

Referências

HOARE, Joanna. The Complete Aromatherapy Tutor. Great Britain: Octopus Publishing Group, 2010.

TIRAN, Denise. Aromatherapy in Midwifery Practice. UK: Singing Dragon, 2016.

PRICE, Shirley. Aromaterapia e as Emoções. 6ª ed – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

Aromatherapy in childbirth: An effective approach to care. https://www.researchgate.net/publication/272450347_Aromatherapy_in_childbirth_An_effective_approach_to_care

Lavender aromatherapy massages in reducing labor pain and duration of labor: A randomized controlled trial. https://academicjournals.org/article/article1380805238_Abbaspoor%20and%20Mohammadkhani.pdf

 

 

 

Doulas recomendam:

E se eu não tiver dilatação no parto? É bastante comum vermos mulheres que desejavam parto normal serem levadas a uma cesariana porque, de acordo com o que foi dito para elas, não tiveram ...
Dilatação: a importância de respeitar o trabalho d... Eu tenho certeza que você já ouviu algumas mulheres dizerem que fizeram cesárea porque “não tiveram dilatação suficiente” ou porque “não entraram em t...
Vamos falar de amamentação? Podemos começar destacando a importância da “hora dourada”. Trata-se da 1a hora de vida do recém-nascido. Momento em que a família deve ter privacidad...
Métodos naturais para alívio da dor do parto. Nascimento da LizMamãe Carla Oliveira e Papai JuniorFoto de Vilma Alves A dor do parto é algo pessoal, cada mulher sente de uma forma e em uma int...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *