A importância do apoio para uma maternidade ativa

Compartilhe:

O nascimento de um filho é uma das transformações mais significativas na vida de uma família. Todos são afetados, mas as alterações físicas, emocionais e sociais causadas pela gestação, e todos os processos que se sucedem à ela, têm especial impacto na vida da mulher; e a maneira como ela vivencia essa experiência é importante para a própria percepção do ciclo gravídico-puerperal e da maternidade.

É nesse ponto que a rede de apoio desempenha papel essencial diante das suas necessidades e é fundamental para os seus cuidados antes e após o parto, além de possibilitar a diminuição de ocorrências de eventos estressantes.

A importância do apoio para uma maternidade ativa
Foto: Alquimia / Aline Teixeira

Esse apoio pode vir de familiares, não familiares, profissionais e instituições. São diversos os tipos de apoio, desde orientações e informações, suporte material e financeiro, auxílio nas tarefas domésticas e de cuidado com os filhos, e o oferecimento de apoio emocional. Nesse contexto, pode haver o fortalecimento da mulher (da crença nas suas capacidades) e das suas relações interpessoais.

Universo ao meu redor

Nada melhor que poder contar com a família nesse momento de intensa transição existencial. Independentemente da quantidade de pessoas dessa rede, o que importa é a qualidade do apoio. A opinião e o incentivo das pessoas que nos cercam, sobretudo os companheiros, os avós da criança e outras pessoas significativas para nós são de extrema importância.

No entanto, as mulheres que possuem uma rede de apoio mais ampla, formada por um número maior de contatos e interações diárias, têm acesso a uma maior assistência do que as mulheres com redes menores. Em uma rede extensa, caso não recebam o apoio esperado em um determinado ambiente social, elas terão uma possibilidade maior de encontrá-lo junto a outras pessoas.

Rede de apoio é tudo!

Neste sentido, os grupos de apoio possibilitam, além do acolhimento, o intercâmbio de experiências e conhecimentos, por isso são uma excelente forma de promover a compreensão do ciclo gravídico-puerperal e o empoderamento feminino-materno.

Ishtar: um espaço para a autonomia e o protagonismo da mulher

O Ishtar – Espaço para Gestantes iniciou suas atividades em Recife, em 2007, quando três amigas se uniram em torno de um mesmo ideal: a vontade de parir e criar seus filhos de uma forma mais respeitosa, humanizada. E criaram esse grupo de apoio à gestação e ao parto ativo, que foi se espalhando por várias partes do Brasil. É um trabalho voluntário.

Num cenário nenhum pouco respeitoso com a mulher e com o bebê, cercado de mitos, intervenções excessivas, iatrogenia e violência, os grupos de apoio desempenham um papel tão importante e necessário: promover a autonomia e o protagonismo da mulher, contribuir para uma visão mais positiva e integrativa do parto, disponibilizar informações baseadas em evidências científicas; que são os três pilares do movimento humanista de assistência obstétrica e neonatal.

Aqui em Belo Horizonte o grupo foi fundado em 2011 com um grupo de amigas que também tinham esse desejo de criar um grupo de apoio mais focado no empoderamento feminino. Já são mais de 7 anos proporcionando diversas atividades para as gestantes e participando de frentes, movimentos e lutas em busca dos nossos direitos sexuais e reprodutivos. Atualmente oferecemos encontros para gestantes (seus acompanhantes e demais interessados) e para puérperas.

A importância do apoio para uma maternidade ativa
Encontro pós-parto do Ishtar BH. Arquivo pessoal.

Neste espaço, as mulheres e suas famílias podem se preparar para a gestação, para o parto e o pós-parto, bem como para a amamentação, o cuidado e a criação dos filhos, e assim terem a oportunidade de tomar decisões mais conscientes e verdadeiramente protagonizar o seu parto e a sua maternidade.

Quer conhecer mais sobre o Ishtar e participar dos nossos encontros? Acompanhe-nos no Blog, no Facebook e no Instagram!

Quer conhecer mais sobre mim e fazer parte de um grupo VIP de atendimento? Inscreva-se aqui!

Referências:

Doulas recomendam:

Como eu me descobri doula Quando criança, eu achava que gravidez era sinônimo de cesárea. Eu nasci assim, minha irmã também, todas as crianças que eu conhecia também tinham nas...
Doces e farinha branca: vilões do TP? por popsugar.com Você é uma daquelas milhares de mulheres que tem medo da dor do parto? E se eu te contasse que existe um jeitinho de minimizar e...
Nasce uma doula Eu sou uma mãe e apaixonada pela maternidade tenho dois filhos, hoje já são adolescentes. O caminho que me levou a me formar como doula foi longo e d...
Encontro Anual de Mães – 19/01 em Poços de C... Ano novo chegou e junto com ele, muitas novidades! O Encontro Anual do Grupo MAE está chegando para abrir a temporada de eventos direcionados a mães,...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *