Entendendo o processo de dilatação

Compartilhe:

A dilatação é a “abertura da porta” para a saída do bebê. Quando o bebê está pronto e chega o momento do nascimento, o corpo se prepara, há uma intensa liberação hormonal, iniciam-se as contrações e assim o colo do útero começa a dilatar até a marca de 10cm para dar passagem à saída do bebê.

Nesse vídeo é possível entender melhor como se dão as contrações no útero e como esse processo resulta na dilatação do colo.

É um processo incrível e ao mesmo tempo intenso e assustador, mas se entendemos melhor nossas dúvidas sobre os processos eles passam a nos assustar bem menos, concorda? Então vem comigo que tentei esclarecer aqui algumas das dúvidas mais comuns sobre esse tema!

E se eu não tiver dilatação?

dilatação
Fonte: Roberta Martins – Fotografia

Devolvo com outra pergunta: se não dilatar ou se não dilatar no tempo que te impuseram? É comum ainda ouvirmos que a progressão da dilatação se dá pela regra de 1cm/1 hora, mas será que realmente isso tem aplicabilidade? Este ano (2018), a OMS lançou suas recomendações para o cuidado intraparto para uma experiência de parto positiva, dentre as recomendações, algo muito importante:

“O rítimo de dilatação mínimo de 1cm/hora durante o primeiro estágio ativo é irrealisticamente rápido para algumas mulheres e por conta disso não é recomendado para identificar a progressão normal do trabalho de parto. Uma dilatação cervical mais lenta que 1cm/hora por si só não deve ser tomada como rotina para indicar uma intervenção obstétrica.” (OMS, 2018, p. 3)

É isso, cada corpo é um corpo, cada mulher uma mulher e cada qual se comporta da sua forma, o importante é garantir nesse processo que mãe e bebê seguem bem e avaliar de forma real e não com base em uma média que não se aplica à um grande número de mulheres.

Algo importante é considerar que muitas vezes a evolução pode estar sendo comprometida por outros fatores externos e quando este for o caso, buscar adequar o ambiente pra que a parturiente se sinta confortável e segura. Doulas cuidam bem disso, muitas vezes é uma luz que precisa ser apagada, um banho morno que se pode tomar, é muita gente que não precisa estar no ambiente… somos sempre olhos e ouvidos atentos à isso.

Outro detalhe é que a dilatação não é o único processo do trabalho de parto, então você não precisa ficar focando nos números, sejam centímetros ou horas. Na fase de latência, por exemplo, é tempo de poupar energia e não de fazer mil exercícios mirabolantes pra querer dilatar super rápido. Toda essa ansiedade e foco nos números podem acabar causando um efeito contrário se a gente pensar na ideia de que “o parto está entre as orelhas”.  Nesse sentido, se você achar que não vai lidar bem com essa questão, uma dica é pedir para não ser informada após a avaliação da dilatação a não ser que exista uma questão muito específica para ser conversada. Isso vai de cada uma, muitas vão lidar melhor sabendo.

Quando falam de “ter passagem” é a mesma coisa que a dilatação?

Não! A dilatação é referente ao colo do útero, já  a passagem trata da pelve materna. O termo “ter passagem” é popularmente usado para tratar sobre desproporção céfalo-pélvica (DCP), ou seja, quando a cabeça do bebê, seja por seu diâmetro ou por mal posicionamento, não consegue passar pela pelve materna. Isso pode acontecer mesmo que com dilatação completa.

Nesse caso a grande questão é que não há como fazer essa previsão antes que a mulher entre em trabalho de parto e chegue a dilatação de 8-10cm entretando esse diagnóstico é comumente dado antes disso.

Nesse post você pode ler mais sobre isso.

Depois que dilata, a vagina fica larga?

Fonte: Wikimedia Commons

O primeiro ponto aqui é entender o que é que dilata e não, não é a vagina! A dilatação acontece no colo do útero. Com as contrações, a “porta” do útero abre dando passagem pra saída do bebê. Ok, mas e como passa pelo canal vaginal? O canal vaginal é elástico, como uma liga de cabelo, o bebê passa esticando e após a passagem tudo vai retornando pro lugar.

(Na imagem ao lado é possível ver o colo do útero onde está escrito “cérvix”).

O que pode acontecer é que o processo da gestação pode causar alguns efeitos na musculatura da região pélvica e você pode vir a sentir alguma diferença (independente da via de nascimento), nesse caso a fisioterapia é uma grande aliada tanto na prevenção quanto no tratamento.

Fonte: Roberta Martins -Fotografia

Durante todo esse processo de trabalho de parto mil coisas podem acontecer, mas mesmo no curso “normal” a sua cabeça vai fazer muita diferença nesse processo, então, se eu puder deixar uma dica, digo que: entendendo o que é o processo da dilatação,  você “entregue, confie, aceite e agradeça”. Não se pilhe com isso, não se apegue aos números, não se imponha regras. Confie no seu corpo e relaxe!

REFERÊNCIAS

BALASKAS, J. Parto Ativo: guia prático para o parto normal. 3. ed. São Paulo: Ed. Ground, 2015.

BIO, Eliane. O Corpo no Trabalho de Parto. São Paulo: Ed. Summus Editorial, 2015.

WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: World Health Organization; 2018.

Doulas recomendam:

A placenta após o parto Você grávida já parou pra pensar o que vai acontecer com a sua placenta após o parto? Você que pariu, já passou pela sua cabeça onde ela foi parar? Mu...
Decifrando o Plano de Parto O que é o plano de parto? O plano de parto é um documento que pode ser feito em forma de lista ou carta onde a mulher gestante especifica por escrito...
Em quanto tempo eu tenho alta do parto normal? Após o nascimento do meu bebê, em quanto tempo eu terei alta do parto? Será que eu já posso voltar pra casa no dia seguinte? Ou terei que esperar no h...
Ter ou não ter uma doula? Eis a questão! A função da doula Por Julia Otero Resumindo, a função da doula é dar suporte físico, emocional e informativo ao longo da gestação, parto e pós-...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *