Está na hora de você parar de ser “a mulher que serve”

Compartilhe:

A palavra Doula vem do grego e significa a mulher que serve, se você ainda se apresenta dessa forma é hora de rever seus conceitos. Vamos pensar juntas no contexto e nas consequências de continuar alimentando essa definição?

A mulher da Grécia antiga não era considerada cidadã e ocupavam uma posição de inferioridade social em relação aos homens. Durante toda a vida permaneciam sob tutela de terceiros, eram eles seus pais, maridos e filhos.

Pronúncia correta é “dúla“, tem sua origem no termo grego clássico δούλη (“dúle“), que significa “escrava”. Sendo assim, nas famílias com maior poder aquisitivo existiam as Doulas e Doulos, que eram apenas escravos domésticos.  

A servidão do termo tem raízes socioculturais tão fortes que mesmo após 1970 quando o termo Doula passou a ser destinado à profissionais que ofereciam suporte à mulheres durante a gestação, parto e pós parto (termo popularizado pela antropóloga Dana Raphael) houveram fortes reações negativas na Grécia e uma tentativa infrutífera de substituir Doula por outros termos, como “paramana” (aquela próxima à mulher) e a tentativa de abolir o uso do termo, o que já era impossível.

A busca e o uso do significado original para explicar a função e descrever o significado moderno da Doula acaba fortalecendo a desvalorização profissional e uma construção equivocada sobre o papel social que se aplica hoje.

origem da doula
Early Childbirth by Gustave Joseph Witkowski

A Doula moderna é um agente ativo na desconstrução

Dentro da realidade de cada país a figura emblemática da Doula desenvolve de diferentes formas a assistência e suporte contínuo a mulher.

Dentro do Brasil, são responsáveis muitas vezes pela democratização do conhecimento, levando informações sobre o processo de gestação, parto e pós parto de forma acessível para mulheres em todos os lugares e atendimento individualizado.

Desenvolvem também papel político dentro das comunidades onde difundem e apoiam a autonomia da mulher e suas escolhas, tomadas conscientemente através de informações baseadas em evidências científicas atualizadas.

A Doula moderna é um agente ativo na desconstrução da imagem servil e frágil da mulher, sendo peça essencial na fomentação de movimentos em busca de assistência digna, desenvolvimento de leis que garantam boa assistência clínica.

Valorização profissional e não romantização

Quando você se libertar do papel romantizado que a servidão no doular traz enraizada perceberá a fluidez do trabalho chegar de mãos dadas com a valorização de cada um dos seus papéis. Tanto para você quanto para as mulheres que irão contratar seus serviços.

A doula, que não é serva, se sente digna de ser devidamente remunerada, cuida da sua saúde física e mental, conhece suas limitações pessoais e profissionais e consegue se ver como uma empreendedora, profissional autônoma cheia de desafios pela frente mas com prazer enorme de executar seu trabalho.

Ainda temos um longo caminho pela frente, muita desconstrução e muito debate!

Conte com a Casa da Doula nesse trajeto aqui no blog e lá na conta de suporte para profissionais no Instagram. Faça parte e conecte-se com outros profissionais de nascimento que estão iniciando e expandindo seus negócios também no Facebook  no grupo [Quem Doula a Doula?] .

Referências

The term “Doula” in modern Greece, International Doula Journal, Vol. 21, Issue 1, 2013

Greek Doula Association Background

O sexo e o casamento na Grécia Antiga, As verdadeiras mulheres de Atenas

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.