Placenta, do começo ao fim.

Compartilhe:

Olá, tudo bem?

Você já pensou em como o bebê se alimenta e respira dentro da barriga? E o xixi e o cocô para onde vai? E se pegar uma gripe, como o bebê fica protegido? Já ouviu falar sobre a placenta? Como ela se forma? E para onde vai a placenta após o nascimento? Neste post vamos descobrir um pouco mais sobre um dos órgãos mais importantes e incríveis numa gestação: a PLACENTA, do começo ao fim.

Siiim, ela é um órgão importantíssimo e que a maioria das pessoas não sabem o que é, como funciona, para que serve e qual o final dado para ela.

Vamos começar por onde tudo começou…

Acontece o período fértil, o óvulo todo bonitinho saiu do ovário, está lá na trompas uterinas e foi fecundado pelo espermatozoide.

fecundacao placenta
via commons.wikimedia.org

As células começam a se dividir se tornando um embrião, que logo desce e se fixa na parede do útero. Tudo isso acontece em mais ou menos 6 dias.

Como se forma a placenta

placenta
O Embrião e a Placenta – Imagem via commons.wikimedia.org

Assim que acontece a implantação do embrião na parede do útero, uma parte do endométrio (aquele que seria o “sangue” da menstruação), sofre uma reação decidual e essa irá formar o que chamamos de decídua basal, uma camada interna no útero, que se juntará as células do embrião e começará a formar a placenta.

placenta-funcionamento
Funcionamento da placenta – Embriologia Via commons.wikimedia.org

A placenta se compõe por uma porção materna e uma porção fetal.

A porção fetal, será formada lá pela 3ª semana através das células matrizes do embrião.

A parte fetal é coberta pelo córion e pelos âmnios (os mesmos tecidos que envolvem o que chamamos de “bolsa d’águas”) e é de onde se ramificam os vasos do cordão umbilical que ligam o feto e a porção materna que fica conectada ao útero.

placenta-anatomia
placenta e anatomia – Via commons.wikimedia.org

Entre as circulações sanguíneas materna-fetal existe a barreira placentária.

Geralmente o sangue materno e o fetal não se misturam, embora o sangue materno extravase para alguns espaços, o sangue fetal fica dentro dos vasos, é conduzido por duas artérias e uma veia pelo cordão umbilical.

Ou seja, o sangue da mãe não circula no bebê e nem o sangue do bebê circula na mãe.

Passados os 3 primeiros meses de gestação a placenta estará em pleno funcionamento até o final da gestação quando o bebê nascer.

O que é placenta?

placenta

Placenta -via Casa da DoulaDo grego plakous e no latim placenta, ambos significam “bolo achatado” ou “pastel folhado”.

É um órgão redondo e esponjoso, que se forma no interior do útero. Ela ficará fixada na parede do útero durante toda a gestação.

É a placenta que assegura todas as trocas materno-fetais, regulação hormonal, trocas nutritivas e onde as circulações sanguíneas fetal e maternal estão em “contato”.

Principais funções da Placenta

Produzir hormônios

A placenta produz hormônios, como:

  • hCG – (Sabe aquele hormônio utilizado como indicador positivo de gravidez?) – Tem a função de sustentar o óvulo fecundado no início da gestação e estimular a secreção das células que promovem a diferenciação da genitália externa masculina e a descida dos testículos para o escroto.
  • Progesterona – Mantém a decídua, camada que envolve o saco amniótico e placenta, “segura” a gestação, inibindo a contração do útero e desenvolvendo as glândulas mamárias para a amamentação.
  • Estrógeno – aumenta o útero e a genitália externa da mãe, estimula o crescimento dos ductos mamários e relaxa os ligamentos pélvicos, o que influencia no parto.
  • Lactogênio Placentário Humano – influencia o crescimento do bebê, a lactação e o metabolismo da glicose e dos lipídios da mulher. A mãe utiliza a gordura (lipídios) para obter energia e a glicose fica disponível para o bebê. (4)

Trocas nutritivas

  • Gases, água, hormônios esteroides e ureia.
  • Glicose.
  • Vitaminas, os aminoácidos e os lipídios.

Oxigenação e excreção

O oxigênio e nutrientes são encaminhados da mãe para o feto, enquanto o gás carbônico e ureia no sentido inverso, do embrião para a mãe.

Desse modo, a placenta faz as vezes de pulmões e de rins do bebê.

De pulmões porque supre de oxigênio e recolhe gás carbônico.

E de rins porque dentro da bolsa d’água (de líquido amniótico) o bebê  faz xixi (excreta urina), mas também ingere a urina com líquido amniótico. Se não fosse a placenta, ele logo se intoxicaria. O líquido é reabsorvido pelo feto e o passar para o sangue dele os resíduos são enviado pelo cordão umbilical para a placenta, que finalmente, irá despejá-los no sangue materno.

Placenta como um órgão de proteção

Drogas como álcool, nicotina e cocaína podem passar para o bebê através da placenta. Também conseguem passar algumas drogas de efeitos indesejáveis, como alguns anestésicos utilizados para atenuar as dores do parto.

Gases tóxicos, como o monóxido de carbono e o dióxido de carbono; vírus, como o da rubéola e a herpes; a bactéria da sífilis, e a toxoplasmose, atravessam a placenta e podem prejudicar o desenvolvimento do bebê.

Foi comprovado que os vírus causadores da varicela, da varíola, do sarampo e da rubéola também conseguem de algum modo chegar ao sangue fetal.

Por isso é tão importante estar imunizada e com os exames pré-natal em dia.

A placenta recolhe do sangue da mãe as substâncias necessárias para o desenvolvimento do bebê, como por exemplo, os anticorpos. Anticorpos maternos, principalmente IgG, são transportados para o feto, o que protege o bebê das doenças comuns na infância.

Da mesma forma, também passam para a circulação do feto, em poucas horas, os antibióticos ministrados por via oral.

A placenta oferece também proteção física, pois junto com a bolsa de líquido amniótico, oferece um lugar seguro, com temperatura constante, protegendo o bebê de mudanças bruscas de temperatura e movimentos externos.

O que pode acontecer de errado com a placenta?

Algumas situações que podem afetar o funcionamento normal da placenta ou precisam de maiores cuidados são:

1. Placenta prévia total e parcial:

É muito comum grávidas terem placenta prévia no início da gestação.

  • Placenta baixa: A placenta apresenta posição baixa, mas não chega a encobrir a saída do útero, local onde ocorre a dilatação.
  • Prévia prévia marginal: A borda da placenta chega a encostar na abertura do colo do útero, mas não chega a obstruir.

Nestes dois casos o parto normal é possível, avaliando se não há sinais preocupantes durante o trabalho de parto, pois pode causar sangramentos.

  • Placenta prévia parcial: A placenta cobre parcialmente a saída do útero.
  • Placenta prévia total: A placenta cobre totalmente a saída do útero.

Já nestes dois casos, caso o diagnóstico seja comprovado no 3° trimestre, é o tipo mais grave de placenta prévia e está entre as indicações absoluta de cesárea agendada pré-termo (aproximadamente às 37 semanas) ou nascimento prematuro, pois entrar em trabalho de parto pode causar hemorragia e para a oxigenação do bebê.

placenta-superior-placenta-previa
Placenta Superior e Placenta Prévia – via commons.wikimedia.org

O principal fator de risco para placenta prévia é a cicatriz uterina anterior, e entre elas a principal é a cesariana anterior. Entre outras causas estão as intervenções anteriores no útero como: miomectomia e curetagem. Muitos partos anteriores, idade materna avançada, tabagismo e gestação gemelar também são fatores de risco. (6)

2. Descolamento prematuro da placenta:

Quando a placenta se descola da parede do útero, causando sangramento intenso e redução do fluxo sanguíneo, reduzindo o fornecimento de nutrientes e oxigênio para o bebê. Se ocorrer fora do período expulsivo, é uma das indicações reais de cesárea.

Mulheres com hipertensão arterial (pressão alta) ou pré-eclâmpsia, correm mais riscos de sofrerem um descolamento prematuro da placenta, por isso é muito importante um bom pré-natal, acompanhamento e controle da pressão arterial e protocolos de indução.(8)

3. Placenta acreta, increta e percreta:

  • Acreta – está inserida profundamente na camada interna do útero (decídua);
  • Increta – chega a musculatura uterina;
  • Percreta – ultrapassa a musculatura uterina podendo invadir até órgãos próximos, como a bexiga.

A placenta fica presa à parede do útero. Esse problema pode causar hemorragias com necessidade de transfusão de sangue e, nos casos mais graves, remoção total do útero e risco para a mãe.

Muito raramente reconhecida antes do nascimento, sendo muito difícil de ser diagnosticada antes da expulsão da placenta.

placenta-acreta-percreta-increta
Acretismo Placentário – Via commons.wikimedia.org editado por Juline Marconato

“Na suspeita de acretismo placentário, na preparação para o parto deve-se sempre fazer um ecodoppler obstétrico. Considerar a possibilidade de invasão de estruturas adjacentes (bexiga e intestino) em caso de placenta percreta, com grande perda sanguínea, que é indicação de histerectomia*. Quando esta situação for diagnosticada ou suspeita antes do parto, a mulher deve necessariamente ser encaminhada para um centro com bons recursos de hemoterapia e capacitado para realizar os procedimentos cirúrgicos que pode demandar. Por esse motivo, entre outros, deve-se cada vez mais reunir esforços para diminuir os índices de cesáreas como medida de redução da morbimortalidade materna.” (6) (Trecho do Manual Técnico – Gestação Alto Risco – por Ministério da Saúde)

*Histerectomia é uma operação cirúrgica, ginecológica, para remoção do útero.

4. Placenta calcificada ou envelhecida:

O envelhecimento da placenta é um processo normal e está relacionado com o grau de maturidade da placenta. Essa alteração só é um problema se o diagnóstico for acompanhado da diminuição ou parada de crescimento do bebê no útero, chamada de restrição de crescimento intrauterino (RCIU) ou outros fatores de risco.

Em geral, a mulher não apresenta sintomas e esse problema é identificado através de um bom acompanhamento pré-natal e nas ultrassonografias de rotina.

5. Infarto da placenta ou trombose placentária:

É o entupimento de algum vaso sanguíneo da placenta, causando diminuição da quantidade de sangue que vai para o bebê.

Diminuição ou interrupção completa dos movimentos do bebê dentro da barriga pode ser um dos alertas.

O diagnóstico geralmente acontece após abortos ou perdas repetidas.

SAF – síndrome do anticorpo antifosfolípide (a SAF, na maioria dos casos ligada à trombofilia, pode ser causada por uso de estrogênios, terapia de reposição hormonal, pressão de viagens aéreas prolongadas, cirurgias, imobilização e até a própria gravidez).

É uma complicação grave e rara, que pode causar abortos e perdas gestacionais, mas também pode não causar problemas durante a gravidez e passar despercebida.

Se houverem suspeitas, o recomendado é fazer exames que identifiquem a doença, como a trombofilia, que pode ser hereditária ou adquirida, e tratá-la.

 Placenta: O fim de um ciclo…

A placenta atinge a maturidade com 34 semanas.

O fluxo sanguíneo no local é intenso e aumenta quase 10 vezes mais no final da gestação. Nessa altura, 1/5 dessa circulação serve para abastecer a placenta com cerca de 100ml de sangue/minuto. (5)

No término da gestação, a placenta mede quase 20cm de diâmetro, 3cm de espessura e 500g.

placenta-porcao-fetal
Placenta lado fetal – via commons.wikimedia.org

Em média, 30 minutos após o nascimento do bebê, com mais algumas contrações, mas a dor não será tão intensa como no trabalho de parto, a placenta é expulsa, ou melhor, nasce.

O parto só acaba com a saída da placenta e é muito importante que a sua integridade seja conferida pelo profissional de saúde que estiver assistindo ao parto. A retenção de parte dela no útero, mesmo que pequena, poderá causar infecção e hemorragia, podendo levar a um processo de curetagem para a total remoção.

Placenta porção materna
Placenta – porção materna, lado que fica fixado ao útero – Via commons.wikimedia.org

Na cesárea a placenta também é retirada logo após o nascimento do bebê.

E então, assim que o bebê nasce, ela perde sua função.

Nasceu a placenta, e agora?

O parto acabou, nasceu a placenta e o que fazer com ela? Já pensou o que acontece com a placenta após o nascimento?

Nos hospitais, geralmente a placenta é imediatamente descartada como lixo hospitalar.

Mas a mulher pode pedir para ver e conhecer a sua placenta, é um órgão dela e ela tem todo o direito de fazer o que quiser com ele.

“Havendo a requisição da placenta pela família, o material não deve ser considerado como Resíduo de Serviço de Saúde (RSS). Assim, o serviço deve dispor de procedimentos próprios para garantir que o paciente ou a sua família recebam um material com a segurança de que ficará preservado com o tempo, pois é de fácil putrefação.” ANVISA

Pode tanto deixar ir para o lixo, quanto pedir para levar para casa e dar o destino que quiser.

O pedido para ficar com a placenta também pode ser solicitado no plano de parto.

Placentofagia, vai um filé com coentro?

O consumo da placenta é uma prática comum entre muitas mamíferas no mundo animal. Ainda não há evidências científicas comprovando os benefícios de se ingerir a placenta. Assim como não há provas do malefício.

Há alguns poucos estudos com entrevistas e muitos relatos pessoais. Mas ainda é um tabu, pois envolve alguns mitos, questões culturais e muita polêmica.

  • Encapsular: Pessoas especializadas no manejo, seguindo protocolos sanitários, preparam a placenta, a desidratando, moendo e encapsulando para que a mulher possa ingerir.
placenta-capsula
Capsulas de placenta – foto via banco de imagens pixabay.com
  • Shake: feito com uma pequena parte da placenta, frutas congeladas, leite ou água.
  • Comer: crua, cozida, assada, com coentro, acebolada… vai ao gosto de cada uma.
  • Tintura: um pedaço da placenta fica imerso no álcool e depois será consumido como uma espécie de “floral”.
Placenta
Placenta – Foto: Rabble via flickr.com

*Sempre lembrando que é importante buscar informações, ajuda profissional, cuidado ao manejar e armazenar a placenta, pelo risco de contaminação, para quem optar por ingerir a placenta.

**É uma escolha totalmente pessoal e ainda não embasada em evidências científicas.

Impressão ou carimbo

placenta-carimbo-impressao-arvore-da-vida
Carimbo da Placenta Imagem arquivo pessoal – Juline Marconato

Ao carimbar, surge o formato de uma linda árvore, alguns a chamam de “árvore da vida”, pois seus vasos dão a impressão de galhos. Pode ser feita numa folha de papel, tecido, tela…

Tintas e criatividade. Uma lembrança que ficará eternizada.

Dica: Pergunte se sua doula faz este tipo de serviço.

Plantar

Algumas famílias fazem como um ritual, para guardar a lembrança junto a alguma planta que irá acompanhar o crescimento do bebê. Pode ser plantada no quintal, num espaço da família, até mesmo num vaso.

Dica: Lembrar de cobrir com bastante terra para que o cheiro não atraia animais, ou gere desconforto.

placenta-plantar
Arquivo pessoal –
plantando a placenta da gestação do Mikhael, junto ao pé de cereja.

Conheça seu corpo, informação é poder!

A vida é cheia de ciclos, rituais, simbolismos, encontros e despedidas.

Se seu parto ainda vai acontecer, se te fizer bem, peça para ver a placenta, admire esse órgão tão incrível, sentindo gratidão àquela que por semanas e meses foi capaz de unir e nutrir dentro do ventre outro ser humano.

Se teu parto já aconteceu e você não sabia nada disso, mas sentiu vontade de ter feito alguma coisa  diferente com a sua placenta, não sinta culpa. Pense nela com gratidão.

E espalhem conhecimento e informação compartilhando este texto.

Você pode ler mais em estudos científicos sobre o assunto. Essas foram as minhas referências de base para este texto :

  • Termos linguísticos sobre placenta:

https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/placenta

  • Termos Médicos sobre placenta:

https://www.infopedia.pt/dicionarios/termos-medicos/placenta

Principais referências sobre embriologia:

PDF – Capítulo 5 do Livro de Embriologia – Embriologia: texto, atlas e roteiro de aulas práticas. Porto Alegre, Tatiana Montanari, 2013. Disponível em:

http://www.ufrgs.br/livrodeembrio.

http://www.ufrgs.br/livrodeembrio/ppts/5.desenvhumano.pdf

  • Como nasce e se desenvolve a placenta?

https://www.agravidez.com/como-nasce-e-se-desenvolve-a-placenta.html

  • Alterações da Placenta:
  • Para que serve a placenta e o que pode acontecer quando ela está alterada – por Dra. Sheila Sedicias, Ginecologista:https://www.tuasaude.com/a-placenta/
  • Placenta Prévia e Acreta:

Indicações Reais e Fictícias de Cesariana – por Dra. Melania Amorim – Blog Estuda, Melania, Estuda!

http://estudamelania.blogspot.com.br/2012/08/indicacoes-reais-e-ficticias-de.html

  • Trombose Placentária:

Entrevista na Revista Crescer – O que é Trombose Placentária – Por Juliana Malacarne: http://revistacrescer.globo.com/Gravidez/Saude/noticia/2016/06/o-que-e-trombose-placentaria.html

Hipertensão na gravidez – por Dra. Melania Amorim – Blog Estuda Melania, Estuda: http://estudamelania.blogspot.com.br/2012/10/estudando-hipertensao-na-gravidez-parte.html

  • Depoimentos e opiniões sobre o consumo da placenta:

Placenta: O Que Você Precisa Saber Sobre Ela – por Giovanna Balogh – Blog Mães de Peito: http://www.maesdepeito.com.br/placenta-o-que-voce-precisa-saber-sobre-ela/

Por que as pessoas comem placenta? – por Laura Devlin http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/05/140512_comer_placenta_beneficios_mvbronzeamento

Compartilhe:

Uma resposta para “Placenta, do começo ao fim.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.