Já ouviu falar sobre gestação anembrionária?

Compartilhe:

Já ouviu falar sobre gestação anembrionária?

Gestação anembrionaria ou ovo cego é uma gestação sem embrião. É gravidez psicológica? Não! Mas tem os mesmos sintomas de uma gravidez normal? Sim!

Descobri isso em 2012.  Tínhamos comprado nossa casa (aquele financiamento sabe…), tinha concluído a faculdade, fazendo planos para o mestrado agora vamos engravidar!! Uhhull!! Tudo certo? A princípio sim. Sensibilidade nos seios, sono infinito (me arrastava), fome um pouco além do normal e aí lembrei que a menstruação estava em atraso. Resultado aquele positivo lindo!!

Primeira consulta médico não ouvimos batimentos cardíacos fetais (BCF). Mas ok, é cedo ainda! Mesmo com a certeza do primeiro dia da última menstruação (DUM) poderia ter sido uma ovulação tardia. Ok! Médico pediu uma ultra. Agendamos e pelo exame 7 semanas e a pergunta nada gentil do ultrassonografista: Você tem certeza que está grávida? (Sim, com exame de positivo na mão e a pergunta do profissional foi esta). Durante o exame ele falou que tinha o saco gestacional, não apresentava bcf e que poderia ser uma gestação anembrionária. Não explicou nada. Saí de lá e fomos para casa pesquisar… E tudo que encontrei foi sobre ovo cego, talvez incompatibilidade genética, mas nada científico, muitas dúvidas e perguntas sem respostas. Consegui marcar consulta uns três dias depois.

No consultório com o médico ele (por incrível que pareça) foi empático. Disse que apesar da possibilidade ser anembrionária ainda poderíamos esperar algumas semanas e caso não evoluísse meu corpo daria os sinais e expeliria. Me tranquilizou e disse que de qualquer forma nada do que eu tivesse feito ou fizesse mudaria o resultado, que aliás era bem comum. De alguma forma ele me conformou. Não senti e não sinto culpa de nada. Dois dias depois senti uma cólica forte. Estranhei pois meus períodos menstruais eram tranquilos. E percebi um sangramento. Como ele já havia me orientado e prescrito medicação para a dor, apenas aguardei. Afinal meu corpo estava respondendo bem.

De um jeito estranho estava tranquila e com mais algumas pesquisas entendi de fato que não podia fazer nada para mudar aquele resultado. Liguei para minha mãe, contei o que estava acontecendo e ela veio. Comecei com um sangramento como se fosse um fluxo menstrual. Com dois dias percebi um aumento na intensidade do fluxo e da cólica. Num domingo de manhã, 15 de julho, tive uma cólica muito forte e fui no banheiro. Expeli algo parecido com um coágulo com certa rigidez na textura e não maior que a palma da minha mão.

Ilustração do saco gestacional expelido (algodão com vinagre tinto)

As cólicas continuaram em menor intensidade e cessaram.

Liguei para o médico e deixou a guia liberada para uma nova ultrassom. Na terça realizamos o exame e meu útero estava limpo.

Foi uma sensação de alívio pois não precisaria de curretagem. Sabia racionalmente que não havia nada de errado comigo, estava processando bem essa informação.

Digerindo tudo

As pessoas a minha volta (sei que todas com boa intenção) pareciam estar me “velando”. Mesmo eu dizendo que estava tudo bem, que com dois meses já poderia tentar novamente, elas não me ouviam. Eu não queria ser consolada, já tinha entendido aquilo tudo. Mas ainda insistiam dizendo: ‘logo tentam de novo”, “na próxima vai dar tudo certo”, e alguns “cuidado para não pegar peso”, etc.

Impaciente

Não tinha nada de errado comigo, parem de colocar culpa onde não existe lugar para ela! De toda forma, não aguentei. Uma amiga ligou. Eu estava transcrevendo entrevistas para um colega. Durante a ligação, desabei. Ela me entendeu. Eu estava bem. Mas as pessoas queriam que eu estivesse. Muito louco isso. Mas era o sentimento que tinha.

Médico orientou que usasse o anticoncepcional por apenas dois meses, pelo fato de ter sido natural, era rápida a recuperação. Mas não quis arriscar(?) e esperamos 6 meses.

E aí em março de 2013 aqueles sintomas novamente. Lembro de sentir um medinho. Mas ele logo foi embora, pois na primeira consulta já ouvimos os batimentos!!!

Exame positivo (Arquivo pessoal)

Era Maria Rosa que chegava!! Os nomes já estavam escolhidos muito tempo antes S2

Se você passou por essa experiência, conte-nos como foi.

Sintam-se abraçadxs!

Doula Gil Costa

Referências Bibliográficas

Gestação anembrionária ou ovo cego

https://www.guiadobebe.com.br/gestacao-anembrionaria-ou-ovo-cego/

Gravidez anembrionada ou ovo cego

https://ivi.net.br/blog/gravidez-anembrionada-ou-ovo-cego

Achados Ultra-Sonográficos em Pacientes com Ameaça de
Abortamento no Primeiro Trimestre da Gestação

http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbgo/v22n5/12189.pdf

Doulas recomendam:

Meu “Diário Semanal” de gestação ̵... Oi gente, tudo bem com vocês?? Vamos à mais uma parte do meu diário. Essa semana, agora vou mesmo, falar sobre as contrações de Braxton Hicks, como...
Doular é a minha revolução: como a luta pela vida ... Sou Elis Teixeira, tenho 34 anos e há 3 anos renasci após um parto domiciliar que mudou completamente a minha vida. Sou formada em História e especial...
Minha história de fertilização in vitro Hoje vou contar sobre o meu processo de fertilização, que teve início nos idos de 2010, quando estávamos tentando engravidar já fazia um ano e nada do...
Durante o parto podemos ver o bebê nascendo? Muitas mulheres não tiveram a oportunidade de ver o bebê nascendo. Algumas não tinham conhecimento que poderiam ter esse momento ou  quando solicitado...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.