Será destino? Ou sempre fui doula?

Compartilhe:

Vou contar um pedaço da minha história pra vocês…

Sou a Vanessa, nasci em Curitiba à 34 anos, desde pequena tinha o sonho de ser médica, de ajudar pessoas. Mas a vida as vezes toma rumos diferentes das nossas escolhas. Engravidei do meu primeiro namorado, fui mãe aos 14 anos. Demorei a ter certeza e contar pra família, depois, foi tudo tão rápido, entrei em trabalho de parto com 35 semanas, conseguimos segurar por uma, não teve jeito, ele tinha pressa!
Nasceu meu Leonardo (27/08/98), veio pra me transformar de todas as formas que possam imaginar. Chegou através de um parto normal hospitalar cheio de intervenções, eu sem acompanhante, mas eu estava confiante. Meu bebê logo foi separado de mim por conta da prematuridade, mas graças a Deus estava muito bem e pode ficar comigo pouco depois, porém demorou a mamar, quando retornou já estava dormindo, vestido e sei lá mais o que fizeram com ele… O interessante foi que a médica quis me “apresentar a placenta”, eu nem tinha ideia do que isso significaria pra mim mais tarde, nem conhecia direito aquele órgão tão fantástico, mas conheci e aquela imagem nunca mais saiu da minha cabeça.
Não foi fácil acabei criando ele “sozinha” depois que me separei (minha mãe sempre me ajudou muito), mas sempre digo que se tivesse uma chance de voltar, faria exatamente tudo igual, tenho muito orgulho de quem ele se tornou, de quem ele me tornou, e das escolhas que fiz pra chegar ate aqui.

Uma nova etapa

A vida então me trouxe a Jaraguá do Sul SC e começa outra fase, conheci meu atual marido e depois de 8 anos, resolvemos aumentar a família, e bastou um mês sem prevenção e… Poff Grávida! Grata “surpresa”, quase ninguém sabia que íamos tentar. Mas ali o Arthur já estava a caminho e eu prometi que dessa vez iria curtir cada detalhe, cada fase da gestação, tudo que não pude da primeira.

As semanas foram passando entre pesquisas e estudos, tive contato com um universo onde as doulas existem, conheci a Gi e no primeiro encontro eu já sabia que seria ela! Só não sabia das grandes surpresas que a vida me reservava.

Foram vários encontros, conversas, preparativos, chá de bençãos (recomendo, um dos dias mais lindos que já tive), ganhei uma amiga, até que o grande dia chegou!

Chá com Leo
Arquivo pessoal – No chá de bençãos com meu filho Leonardo, organizado pela @gidoula, por familiares e amigos queridos

Dia 20 de setembro de 2016 meia noite e meia a bolsa rompeu, ainda me surpreendo em lembrar a minha calma, em como me sentia preparada, tinha tanta confiança no meu corpo, acho que nada me abalaria naquele momento, avisei a doula, tomei um belo banho, ajeitei o que faltava e fomos ao hospital…

Internei, logo a doula chegou, estava tudo como nos planos, a médica disse que ele nasceria pela manhã (1cm de dilatação), mas eu sentia que não seria, as contrações logo ficaram intensas, a presença da Gi e do meu marido foram importantíssimas, massagens que aliviavam as dores, o apoio. Foi tudo tão rápido, nem deu tempo de ir pra bola, chuveiro essas coisas que lemos nos relatos, não teve tempo, às 04:55 ele veio, direto pro meu colo! E ele já sabia

Hora ouro
Arquivo pessoal – Arthur mamando na sua primeira hora

o que fazer, já mamou ali mesmo na sala de parto, e assim ficou “plugado” por uma hora inteirinha (Hora de ouro), meu corpo, meu momento, meu bebê, todos foram respeitados, num lindo parto pelo SUS, sem intervenção nenhuma, eu estava plena! Amamentei desde o inicio sem dor, sem fissuras, com respeito ao nosso tempo e assim seguimos 2 anos depois e até quando ele e eu quisermos…

Eu passava por mais transformações

Depois dessa experiencia tão intensa, não me entrava na cabeça (ainda não entra) o fato de que muitas mulheres não terão o apoio de uma doula, muitas nem sabem que poderiam ter ou que elas existem, dos benefícios desse suporte. Tenho vontade de parar gestantes na rua pra contar rsrsrs…
Foi então no meio desse turbilhão de sentimentos que eu percebi que eu sempre quis na verdade ser doula, eu só não sabia o que era e por qual caminho seguir, e colocava isso dentro do sonho de ser médica, que acabou ficando cada vez mais distante, mas agora eu estava encontrando o meu caminho.
Eu estava decidida, eu me assumiria doula!
Mas eu tinha uma profissão, tinha um caminho já percorrido, trabalhava a quase 13 anos com telefonia, teria que deixar tudo isso pra trás e começar do zero. Não tive medo, sai do meu trabalho, fiz minha formação e segui meu coração.

Formação como doula
Arquivo pessoal – A turma da minha formação como doula no @nfcdoulas

Hoje posso dizer que foi a melhor escolha que fiz. Não tinha noção do quanto precisaria e preciso estudar, pra poder ajudar a aliviar dores(emocionais e físicas), ter certeza de cada informação passada, ter segurança em olhar nos olhos de uma mulher no momento mais incrível da vida dela, e dizer eu que estou ali, que está tudo bem, que ela vai conseguir e que seu bebê logo estará nos seus braços, e ver essa cena não tem emoção maior, pouquíssimos momentos se comparam ao ver o início de uma nova vida, o primeiro suspiro, o primeiro olhar trocado entre uma mãe e seu filho. Isso é realmente viciante, eu não quero estar em nenhum outro lugar.

Indução Jaque
Arquivo pessoal – Indução de parto da Jaque

Foi isso que eu escolhi pra mim, essa é a minha forma de tornar o mundo um lugar melhor pros meus filhos viverem,  porque eu acredito que “para mudar o mundo, primeiro é preciso mudar a forma de nascer.”(Michel Odent)

Mas eu ainda me pergunto, será que já era meu destino? Ou será que as minhas escolhas me trouxeram até aqui? Realmente não sei a resposta, e não me importo, porque agora estou onde quero estar, fazendo o que faz sentido pra mim, o que me faz bem e isso sim faz diferença!

 

Leia mais sobre:

Fatores associados na amamentação na primeira hora de vidahttp://www.scielo.br/pdf/rsp/v48n4/pt_0034-8910-rsp-48-4-0697.pdf

Evidências qualitativas sobre o acompanhamento da doula no trabalho de parto e partohttp://www.scielo.br/pdf/csc/v17n10/26.pdf

Lei do acompanhante durante trabalho de parto, parto e pós-parto imediato  http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm

Compartilhe:

2 respostas para “Será destino? Ou sempre fui doula?”

  1. Muito lindo o seu relato e o seu trabalho…eu tive 3 gestações…a primeira eu tinha 18 anos e foi parto normal mais com intervenções, e as outras duas foram cesariana…mais eu sempre quis um parto natural e não pude ter…mais leio muito sobre e acho maravilhoso esse trabalho e com certeza você fará a diferença na vida dessas gestantes….por mais pessoas assim no mundo porque trazer uma vida ao mundo é o momento mais lindo na vida de uma mulher e vc(doula) faz toda a diferença…trazendo toda a segurança que a mãezinha precisa… parabéns vc é incrível 😍👏

    1. Queria sim que toda mulher tivesse a chance de ter uma Doula e o parto desejado, com respeito. Obrigada pelo carinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.