O que faz o leite materno ser tão importante?

Compartilhe:

Muitos estudos científicos já conseguiram provar que o leite materno é o melhor alimento que existe na natureza, para o bebê. Gestantes e mamães sabem que é importante amamentar, mas nem todas sabem o que faz o leite materno humano ser tão poderoso. Então vou compartilhar um pouco do meu conhecimento sobre o assunto e espero que você entenda porque vale o “sacrifício” da amamentação!

Ainda na gestação

Foto: Francine Pires

Já nas primeiras semanas de gestação, o corpo começa a passar por processos de mudanças e desenvolvimentos causados pela ação hormonal. O aumento dos seios e escurecimento da aréola é a primeira mudança mais visível e, em algumas mulheres, pode ficar sensível e dolorido. Nessa fase a produção de leite não acontece, mas as glândulas mamarias estão amadurecendo e produzindo os anticorpos que constituirão a primeira proteção do bebê após seu nascimento.

Fases do Leite Materno após o nascimento

 

Com o nascimento do bebê, uma cascata hormonal sinaliza às glândulas mamarias que é hora de iniciar a fabricação do leite. Porém, essa primeira produção pode levar de 3 a 5 dias dependendo da mulher. Então, o que irá sustentar esse pequeno ser até a efetiva produção de leite? O nosso corpo é inteligente e está tudo sob controle, ou seja, o leite materno tem fases e cada uma tem sua importância para o novo ser que chegou ao mundo.

>O COLOSTRO é o primeiro alimento que deve ser consumido pelo recém-nascido, se possível ainda na primeira hora de vida. É liberado, em pequenas gotas, no primeiro dia após o parto. Sua coloração pode ser transparente ou amarelado.
Rico em células do sistema imunológico e produtoras de células sanguíneas, confere ao bebê proteção e desenvolvimento adequado do sistema digestório entre outros.
Sua ingestão proporciona energia, sendo muito importante para a transição adequada do ambiente intrauterino para o extrauterino. É comparado também a uma vacina, pois o bebê receberá todas as células de defesa e anti-inflamatórias que foram produzidas, exclusivamente para ele, durante a gestação.

A efetiva produção de leite se inicia com a APOJADURA, ou seja, descida do leite. Esse pode ser dividido em leite de transição e leite maduro.  Ambos têm uma composição de células de defesa mais efetivas na proteção da mucosa intestinal dos recém-nascidos. O volume e composição do leite de transição ainda não são muito bem compreendidos pela ciência, portanto ainda é muito variável. Já o leite maduro, tem sua composição mais estável de proteínas, lipídios, carboidratos, sais minerais, vitaminas e anticorpos. Podendo variar em volume, de mulher para mulher, dos 700 a 900 ml/dia nos primeiros seis meses.
Benefícios para o desenvolvimento infantil

Fonte: Pixabay

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a amamentação ocorra por 2 anos ou mais, sendo nos seis primeiros meses, exclusivamente o leite materno.

Quanto mais tempo amamentado com leite materno, mais prolongado os benefícios para o desenvolvimento infantil uma vez que o aleitamento materno proporciona estímulos, favorece o vínculo afetivo entre mãe e bebê, protege contra infecções de ouvido, pneumonia, diarreias e evita doenças como asma, diabetes e obesidade. Sem falar no menor gasto com remédios e médicos, uma vez que adoecem menos ou a doença tende a ser menos agressiva.

Além disso, um estudo pioneiro realizado na cidade de Pelotas-RS com crianças acompanhadas desde o seu nascimento até os oito anos de idade, revelou uma maior capacidade intelectual, daqueles amamentados até os seis meses de vida ou mais, quando comparados às crianças pouco ou não amamentadas.

Sendo assim, o leite materno humano é único e inigualável em seus benefícios, não possibilitando a ciência produzir nada semelhante a ele até o momento.

E então, conseguiu entender um pouco mais sobre esse alimento tão maravilhoso que nosso corpo produz para nossos pequenos? Quer saber mais sobre o assunto? Pode entrar em contato comigo por aqui.

Referências

Amamentação: bases científicas. Marcus Renato de Carvalho, Cristiane F. Gomes. Ed.: Guanabara Koogan, 4ªedição, Rio de Janeiro, 2017

Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos.

http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_da_crianca_2019.pdf

Impacto do aleitamento materno no coeficiente de inteligência de crianças de oito anos de idade

http://www.scielo.org.bo/scielo.php?pid=S1024-06752015000100009&script=sci_arttext

 Riscos de se Alimentar um Bebê com fórmulas: Uma bibliografia resumida, com notas e comentários.

https://pt.slideshare.net/senacsaopaulo/riscos-de-se-alimentar-um-beb-com-frmulas-8263686

 Saúde da criança: Nutrição Infantil Aleitamento Materno e Alimentação Complementar

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_nutricao_aleitamento_alimentacao.pdf

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.