FAQ – Amamentação

Compartilhe:

Aí o bebê nasce e chovem palpites, opiniões e pareceres sobre qual a melhor forma de cuidar, educar e criar esse novo ser que chegou ao mundo. A alimentação, em especial, costuma ser grande fonte e dúvidas e incertezas e, nesse aspecto, a amamentação ganha em disparado no gráfico das angústias maternas.

Some-se a isso os ainda baixos índices de amamentação exclusiva em nosso país (não alcançando 60 dias, quando o recomendado seriam 6 meses) e prolongada por até 2 anos (pelo menos) ou mais. Muito disso se deve à falta de informações de fonte confiável e falta de apoio, por isso, aqui você encontra respostas simples e objetivas para 10 das maiores dúvidas que chegam sobre esse tema.

1. E se meu leite for fraco?

De maneira geral, leite fraco não existe. Todo leite é perfeitamente adaptado à necessidade de cada bebê. Mesmo nas mulheres que passam fome (ou por condição social ou por dietas altamente restritivas – que, aliás, são contraindicadas) o corpo prioriza a produção de leite em detrimento do sustento do corpo da mulher. Apenas em casos de extrema escassez de alimentos a produção de leite poderá ser afetada.

Fonte: Picksart

2. E se eu não produzir leite suficiente?

 

Quando bebê mama corretamente, em livre demanda, sem interferência de outros bicos, a produção de leite será adequada para atender à demanda do bebê. Quanto mais ele mama, mais leite será produzido. Aqui engloba também a amamentação não nutritiva, o mamar por outras necessidades que não a de satisfazer a necessidade de alimentação, mas, inclusive, necessidades emocionais.

3. Posso amamentar se eu estiver doente?

Na maior parte dos casos: PODE! O corpo irá produzir anticorpos que serão repassados no leite para proteger o bebê, diminuindo o risco de contaminação. Deve-se adotar alguns cuidados, tais como intensificar a lavagem das mãos e, conforme o caso, usar máscara.

4. Preciso tomar um medicamento: posso continuar amamentando?

Fonte: Pixabay

Boa parte dos medicamentos já é compatível com a amamentação, mas você deve conversar com seu médico a respeito e, caso o medicamento em questão não seja compatível, é possível na maior parte das situações, buscar alternativas que seja compatíveis. Também é possível consultar o risco à amamentação no site e-lactancia.

5. Fiquei mais de 24 horas sem amamentar: é verdade que o leite “estragou”?

Essa afirmação não tem fundamento científico. O que de fato pode acontecer é o leite empedrar na mama caso não seja feita a ordenha e/ou o bebê se recusar a mamar, dependendo do porque isso aconteceu. Em geral, essa  situação pode ser contornada com a ajuda de profissionais de apoio à amamentação.

6. Estou grávida: se eu amamentar meu filho mais velho vou prejudicar o desenvolvimento do novo bebê?

Fonte: Flávio Santos Photograpfy

Se está tudo transcorrendo bem com sua gestação e você não apresenta nenhum risco adicional, não há problema em continuar amamentando grávida, independentemente da idade do filho mais velho. A explicação de algumas pessoas para indicarem a interrupção da amamentação é que pode causar  contrações uterinas. Isso é verdade, pois na amamentação é liberada ocitocina que é o hormônio responsável pelas contrações. No entanto, no sexo também há a liberação de ocitocina e normalmente só há recomendação para a abstinência sexual em gestações de alto risco.

7. Quais alimentos devo evitar para não dar cólica no bebê?

Se o bebê não tem nenhum tipo de alergia, não é necessário evitar nenhum alimento, pois as cólicas são consequência do desenvolvimento do bebê. Após o nascimento é que o intestino vai completar sua maturação e é isso que pode causar cólicas no bebê. É um processo natural que em geral passa quando o bebê alcança o 3º ou 4º mês de vida.

8. É bom intercalar a amamentação com mamadeira para a mãe descansar?

Fonte: PDV

De fato a amamentação é bastante desgastante para a mãe, no entanto, se intercalar com mamadeira existe uma chance considerável, comprovada em diversos estudos, de ocorrer o desmame precoce por confusão de bicos. Por isso, o uso de mamadeiras e chupetas não é recomendável e a interferência na livre demanda pode atrapalhar a produção de leite.

9. Faz mal o bebê “chupetar” o seio?

O que as pessoas chamam de “chupetar” é a amamentação não nutritiva. O cérebro do bebê é muito primitivo e imaturo. Ele não sabe lidar com os sentimentos, assim sendo, o bebê não mama apenas quando tem fome ou sede, mas também quando sentem dor, tédio, angústia, etc. Enfim, tudo o que o bebê precisa resolver emocionalmente, ele resolve mamando e com o tempo ele se desenvolve e vai aprendendo a lidar com os sentimentos de outras formas. Além disso, essa amamentação é importantíssima para a manutenção da produção de leite.

10. E se eu sentir dor ao amamentar?

Dor ao amamentar não é normal. Algum desconforto nos primeiros dias e talvez quando ocorre a apojadura pode acontecer, porém, se há dor, é preciso buscar auxílio o quanto antes. Comumente pode haver algum problema com a pega do bebê ou outros fatores causando dor, e tudo isso precisa ser corrigido o quanto antes para evitar problemas maiores e mais graves como um desmame precoce ou mastite.

Você tem alguma dúvida adicional que te angustia ou preocupa? Manda pra mim preenchendo esse formulário!

REFERÊNCIAS:

SAÚDE DA CRIANÇA: Nutrição Infantil.

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_nutricao_aleitamento_alimentacao.pdf

Como ajudar as mães a amamentar.

http://www.redeblh.fiocruz.br/media/cd03_13.pdf

Amamentação E Uso De Medicamentos E Outras Substâncias.

https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/2012/12/amdrog10.pdf

Dez passos para uma alimentação saudável.

http://www.blog.saude.gov.br/images/arquivos/dez_passos_alimentacao_saudavel_guia.pdf

National Implementation of the Baby-friendly.

https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/255197/9789241512381-eng.pdf;jsessionid=50539409B6003FB1A5227378F17FAEE0?sequence=1

 

Compartilhe:

2 respostas para “FAQ – Amamentação”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.