Parto verticalizado: por que é melhor?

Compartilhe:

Sempre que pensamos em parto já vem a nossa mente uma mulher deitada de pernas abertas. Até nas novelas essa é a cena recorrente de parto.  Embora, esteja enraizado na cultura ocidental que para os bebês nascerem as mães tenham que estar deitadas, essa não é a posição ideal para o nascimento. Mas se essa não é a melhor forma, porque então, adotamos essa posição? Para entender isso é preciso entender como esse hábito começou.

 

Como surgiu o parto deitado?

O parto deitado ou em posição de litotomia (ou ginecológica), com a mulher deitada na maca e as pernas abertas apoiadas em perneiras surgiu na França. O Rei Luís XIV, conhecido como o “Rei Sol”, governou a França por longos anos e teve 22 filhos, com várias mulheres diferentes. Ele gostava de assistir ao nascimento dos filhos, mas seus primeiros filhos nasceram em posições verticais, o que prejudicava sua visão do nascimento. Para que o rei pudesse assistir ao nascimento de seu filho, uma de suas amantes, Madame Montespan, pariu deitada. Ter o filho na posição deitada se tornou comum entre os súditos franceses que queriam imitar o rei.

Representação do rei Luís XIV no nascimento de um dos filhos – Megacurioso

A partir do século XVII, as parteiras foram perdendo espaço na cena do parto e dando lugar aos médicos cirurgiões. Os homens que antes não participavam dos nascimentos passaram a assumir o controle e isso trouxe sérias mudanças. Entre elas a posição da mulher durante o parto. As mulheres que antes andavam e assumiam posições variadas durante o trabalho de parto, passaram a ficar deitadas. Inicialmente, apenas durante a fase de expulsão do bebê e depois durante o período de dilatação também. Tal prática facilita o trabalho do médico, mas tira da mulher o controle sobre o seu corpo e a liberdade de escolher qual a posição mais confortável para ter o bebê.

Nas últimas décadas, percebeu-se que toda essa tecnologia obstétrica não trouxe segurança e tranquilidade para a mulher e o bebê. Diante disso, surgiu a necessidade de se resgatar práticas adotadas anteriormente, mais naturais e adequadas à fisiologia do parto.  Prática simples e que traz mudanças significativas para a qualidade do parto é  o uso de posições verticais durante todo o trabalho de parto e, principalmente, no período expulsivo.

Quais as vantagens do parto verticalizado?

As diretrizes nacionais de assistência ao parto de 2017 recomendam: Deve-se desencorajar a mulher a ficar em posição supina, decúbito dorsal horizontal, ou posição semi-supina no segundo período do trabalho de parto. A mulher deve ser incentivada a adotar qualquer outra posição que ela achar mais confortável incluindo as posições de cócoras, lateral ou quatro apoios.

Angelita Alves

 

Nos últimos 30 anos, percebeu-se que as posições horizontais não traziam vantagem para o parto, iniciando-se pesquisas por evidências científicas que demonstrassem a vantagem de posições verticais para o parto. Abaixo estão listadas as principais vantagens do parto verticalizado:

  • Nas posições em pé, de cócoras ou de joelhos, a gestante conta com a ação da gravidade para auxiliar na descida do bebê durante o período expulsivo.  É mais fácil fazer força em posições verticais, na qual a força é direcionada para baixo que em posições horizontais. Deitada a mulher se esforça muito mais para empurrar o bebê e os resultados são menores, necessitando de mais intervenções como, por exemplo, o uso do fórceps.
  • Quando a mulher pode se movimentar e inclinar-se para frente , ela exige menos esforço do útero. Pois o útero se inclina para frente durante as contrações. O ideal é que a mulher também possa ter liberdade de se inclinar para frente durante a contração. Assim ela colabora com o útero e ajuda a reduzir a dor. Em posição de litotomia, o útero gasta mais energia, pois precisa atuar contra a gravidade. Com o esforço maior do útero, as contrações são mais dolorosas.
  • Na posição vertical, a pelve tem liberdade total de movimentação. Na posição de cócoras, o sacro fica livre para se movimentar para trás e abertura da pelve aumenta em 30%. Em posições horizontais o sacro fica imóvel e a abertura da pelve é reduzida.
Static – Parto Ativo
  • Quando a mulher está verticalizada o bebê faz uma pressão maior na pelve. Essa pressão que o bebê faz auxilia no processo de dilatação do colo e facilita o encaixe da cabeça do bebê dentro da pelve.
  • Em litotomia as pernas da mulher estão mais separadas que o normal, por iso a pressão sobre o períneo é  maior. Sentada ou semi-sentada a pressão da cabeça do bebê vai diretamente no períneo que não consegue se expandir. Dessa forma, as posições verticais são mais recomendadas, pois não traz impedimentos  para o períneo  se expandir e nem é necessário um esforço maior dele. Além de permitir que o períneo se ajuste a cabeça do bebê.
  • Em posições verticais há uma melhor circulação placentária e melhor suprimento de oxigênio para o bebê. Deitada, os vasos sanguíneos do abdômen são comprimidos contra a coluna vertebral. O que pode comprimir a veia cava (que traz o sangue de volta ao coração) reduzindo a passagem de sangue para o útero e a placenta e aumentando o risco de sofrimento fetal.
  • As contrações são mais intensas, regulares e frequentes quando a mulher tem a liberdade de se movimentar e mudar de posição. Contrações mais eficazes reduzem o tempo de dilatação e, consequentemente, o tempo do trabalho de parto e também a necessidade do uso de ocitocina sintética.
  • Em posições verticalizadas a placenta sai de forma espontânea, sem a necessidade de intervenções. Isso reduz o risco de hemorragias pós-parto e infecções.

Ficar em posição supina, semi-supina ou décubito dorsal horizontal no trabalho de parto, além de prolongar a duração do parto e aumentar os riscos e a necessidade de intervenções, deixa a mulher em posição passiva e sem autonomia.

Enfim, o parto verticalizado é o melhor, pois  a fisiologia do corpo da mulher é respeitada. A mulher tem autonomia e liberdade para se movimentar e escolher em qual posição quer que seu filho nasça e pode ser protagonista de seu próprio parto.

 

 

Caminhando para o parto normal – Maternidade Natural

 

 

Referências

Parto Ativo – Janet Balaskas

REFLEXÕES SOBRE DEAMBULAÇÃO E POSIÇÃOMATERNA NO TRABALHO DE PARTO E PARTO http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbgo/v27n6/a11v27n6.pdf

REFLEXÕES SOBRE DEAMBULAÇÃO E POSIÇÃOMATERNA NO TRABALHO DE PARTO E PARTO  http://www.scielo.br/pdf/ean/v11n2/v11n2a23

Diretrizes Nacionais de Assistência ao parto http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf

https://www.megacurioso.com.br/ciencia/106177-perversao-de-rei-popularizou-o-doloroso-parto-deitado.htm

Doulas recomendam:

E se eu não tiver dilatação no parto? É bastante comum vermos mulheres que desejavam parto normal serem levadas a uma cesariana porque, de acordo com o que foi dito para elas, não tiveram ...
Como o seu estado emocional pode afetar o seu part... Você já parou pra pensar que o seu estado emocional pode fazer toda a diferença no seu trabalho de parto (vou usar muito as palavras “trabalho de pa...
Do coração nasceu uma Doula Do coração para a vida O início de mim Vim de uma família grande, de maioria mulheres, minhas avós somadas tiveram 23 filhos, desses, 20 nascer...
Como ter um trabalho de parto rápido? Ah, você está gestando e veio correndo procurar o pote de ouro no fim do arco-íris né? Certamente você já ouviu sobre ‘como é bom quando o parto desen...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *