Puerpério: dicas práticas de como sobreviver

Compartilhe:

O puerpério é um período de adaptação da mãe, do bebê e da família, também conhecido como resguardo ou quarentena. É um período delicado, em que grande parte das mulheres desenvolvem uma certa melancolia, também conhecida como “baby blues”. Isso se deve sim à questão hormonal, mas a autora Laura Gutman defende que essa introspecção é propícia para a mulher mãe encontrar com sua própria sombra, seus traumas, suas necessidades.

Sendo assim, o puerpério é um momento de reformulação da identidade: a mulher não é mais só mulher, mas é mãe e esse fato abre espaço para ressignificar a própria vida.

Troca de olhares
Foto de Iluminar Partos – Clara Fernandes – @iluminarpartos

Tendo isso em vista, vamos às dicas para sobreviver a esse tempo novo e desafiante.

1. Se dedique ao seu bebê:

O bebê ainda nem sabe que nasceu, não sabe o que é estar separado de você. Por isso chora, quer peito, quer sentir o cheiro, ouvir seu coração. É tudo o que ele conhece da vida, por isso ele vai demandar sim. O bebê também é a chave para a identificação e superação das suas sombras.

2. Descanse:

Na medida do possível. Tente dormir quando ele dorme ou levar ele pra cama com você. O pouco aqui já ajuda.

3. Aceite ajuda:

Você não é a mulher maravilha e não vai conseguir fazer tudo com a mesma performance de antes – pelo menos não imediatamente. Aceite (e peça!) ajuda com as tarefas domésticas, os filhos mais velhos, as refeições. Ter com quem contar faz toda diferença.

4. Coma bem e beba bastante líquido:

Alimentação saudável faz toda a diferença, não só na saúde do bebê, mas no bem-estar e na disposição da mãe. Evitar comer alimentos ultraprocessados, doces e refrigerantes. Beber bastante água para recuperar o corpo e auxiliar na amamentação também é indicado.

Dica: se possível, congele algumas refeições ainda no fim da gestação para ter um estoque no puerpério. Menos uma preocupação.

5. Troque carinhos com o marido:

Aqui os dois podem se ajudar. A adaptação não é fácil pra eles também, acredite.

6. Aproxime-se de outras mães:

Você não está sozinha. São muitos os grupos de apoio ao puerpério e a identificação com outras mães pode ajudar a transcorrer com mais leveza essa fase. Além do mais, é uma desculpa pra dar uma volta.

7. Não leve em conta tudo que os palpiteiros falam:

Até porque seu instinto de mãe é poderoso, apesar de você duvidar. Ninguém sabe mais do que você do que seu bebê precisa. Aceite conselhos com muita parcimônia.

8. Se os sintomas persistirem, procure ajuda profissional:

O mundo pode achar que é frescura, que passa, que é assim mesmo, mas essa transição não precisa ser sofrida. Pode até ser dolorosa, mas sofrimento é um pouco demais. Um profissional qualificado pode te ajudar melhor nessa fase se estiver sendo muito difícil. Não exite em procurá-lo.

Referências

GUTMAN, Laura. A maternidade e o encontro com a própria sombra.

http://www.bellybeginnings.com/Handouts/LLLTearoffSheets/BabyBlues.pdf

 

 

 

Doulas recomendam:

Doula pra que te quero? A mulher por trás da Doula... Imagem do arquivo pessoal Eu me chamo Daniela Oliveira Lopes, tenho 34 anos, sou graduada em administração em comércio exterior, casada, mãe ...
Palpites na gestação – Manual de Sobrevivênc...   Eis uma verdade: basta você anunciar que está grávida que a chuva de palpites começa. As pessoas gostam de opinar em tudo! No nome do bebê, ...
Primeira casa do bebê: Placenta, Bolsa amniótica e... Parece que engravidar é bem fácil, mas na verdade o espermatozóide tem que encontrar o óvulo na hora exata e no lugar exato das trompas para que ele s...
Perguntas e respostas do Instagram para Sam O instagram ontem liberou uma nova forma de interação e eu, bem inocente, resolvi ver se funcionava. E não é que choveu perguntas gente? Pra não fl...
Compartilhe:

2 respostas para “Puerpério: dicas práticas de como sobreviver”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *