Episiotomia é

Compartilhe:

O título do texto não está incompleto. Eu realmente ainda não consegui decifrar se episiotomia é uma violência obstétrica, uma mutilação ou ambos.

Muitas mulheres passam caladas por esse procedimento, sem entender o que ele significa.

A episiotomia

O procedimento da episiotomia, ou pique, como também é chamada, é um corte que é feito na vagina, geralmente em direção ao ânus, que, dizem, serve para ampliar o canal por onde o bebê vai passar. Geralmente é feita com anestesia local.

Considerada mutilação por muitos, ele é utilizado em partos instrumentais e que, geralmente, não se usa uma posição fisiológica adequada. Se o parto for verticalizado, é extremamente raro que vá se precisar de uma episio.

Em meados de 1920, sem estudo algum, dois médicos obstetras famosos na época, Pomeroy  e DeLee, institucionalizaram o corte como rotina em todos os partos de primiparas (primeiro bebê), sem nenhum estudo. Isso mesmo. Não foi feito nenhum estudo para a utilização desse procedimento. Segundo eles, ela deveria ser feita para evitar danos perineais.

Consequências

Muitas. A maioria das mulheres que sofre esse corte relata muita dor, e danos irreversíveis a saúde da mulher. Ela causa uma marca não só no corpo, mas na vida da mulher. Aumenta a dor no ato sexual, causando até um certo medo de voltar a vida sexual ativa após o nascimento do bebê. Muitas mulheres tem tanto medo desse corte que optam por ter seu bebê de cirurgia agendada de cesariana, tamanho pavor de terem suas vaginas cortadas, muitas vezes sem necessidade.

Episiotomia de rotina é considerada violência obstétrica. Muitas vezes ela é realizada sem o mínimo de explicação, por pura rotina. Existem também alguns médicos que fazem o chamado ponto do marido, que nada mais é que um ponto a mais na episio, para que a vagina fique “mais apertada”, causando assim muita dor no ato sexual.

As laceracões, comuns no parto, são mais fáceis de cicatrizar do que a episio, pois elas geralmente são de primeiro ou segundo grau, pegando apenas pele e mucosa, raramente são de terceiro ou quarto, onde pode ter um dano maior aos tecidos da vagina.

Como evitar

Com uma assistência adequada, e um parto respeitoso. Parir em posição fisiológica também ajuda a evitar lacerações e episiotomia. Sempre buscar um médico obstetra atualizado, que siga as evidências científicas atuais, e se preocupa com o bem estar da mulher.

Se a mulher escolher a melhor forma de parir não vai escolher a posição deitada, pois esta posição, chamada de litotomia, é incômoda para a gestante. Geralmente as mulheres escolhem parir em banquetas de parto, cócoras ou quatro apoios, evitando assim o uso da episio, e, em muitas vezes, evitando até a laceração perineal na hora do parto.

Chega de parto violento para vender cesariana! Vamos deixar as mulheres parir da forma que elas acham melhor!

Referências Bibliográficas:

Estudando Episiotomia – Por Dra Melania Amorim http://estudamelania.blogspot.com/2012/08/estudando-episiotomia.html

Episiotomia http://www.ostetrichemilano.it/download/EPISIOTOMIA.pdf

Pomeroy RH. Shall we cut and reconstruct the perineum for every primiparaAm J Obstet Dis Women Child 1918;78:211-9.

DeLee JB. The prophylactic forceps operation. Am J Obstet Gynecol. 1920:254; discussion 255.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.