Decifrando o Plano de Parto

Compartilhe:

O que é o plano de parto?

O plano de parto é um documento que pode ser feito em forma de lista ou carta onde a mulher gestante especifica por escrito seus desejos e preferências para o trabalho de parto e recepção do recém-nascido. Ou seja, é onde você diz o que gostaria ou não gostaria que acontecesse durante o seu trabalho de parto e pós parto.

Por que fazer um plano de parto?

Ainda nos dias de hoje muitos médicos e profissionais de saúde seguem sustentando práticas obstétricas desatualizadas e sem respaldo científico, o plano de parto pode impedir que condutas desnecessárias sejam praticadas no atendimento a parturiente já que ele tem a função de deixar bem claras para a equipe que irá acompanhar o parto quais são as preferências da mulher.

O plano de parto é uma ferramenta que leva a mulher a conhecer os procedimentos presentes no parto e a refletir sobre os acontecimentos possíveis na hora do parto, fazendo com que participe de forma ainda mais ativa daquele momento.

plano de parto
pxhere.com

Onde utilizar?

Ele pode e deve ser feito tanto para casos de partos hospitalares e em casas de parto, esclarecendo suas preferências do atendimento desde a sua chegada até alta médica; como também em caso de partos domiciliares.

Quando fazer?

Pode ser feito durante toda a gestação. Feito e refeito conforme você estuda e se inteira mais do parto. Conversa com sua doula, médico, parceiro. Busque informações para que o seu plano consiga refletir suas vontades. É bom que esteja pronto até o 7º mês de gestação.

Plano_de_parto_casal-pixabay.com
pixabay.com

Como elaborar um plano de parto?

Você pode criar seu próprio plano de parto, mas também existem modelos prontos na internet que você pode se inspirar ou usar o jeito que está.

A Defensoria Pública do Estado de São Paulo em parceria com a Artemis, ONG comprometida com a promoção da autonomia feminina e prevenção e erradicação de todas as formas de violência contra as mulheres um modelo de plano de parto em lista que você pode baixar aqui. 

Vamos usá-lo como exemplo explicando item a item das possibilidades no atendimento ao parto.

Esse plano de parto separa as condutas e procedimentos em fases:

  • Durante o Trabalho de parto
  • Parto (hora do nascimento)
  • Após o parto
  • Caso a cirurgia cesariana seja necessária
  • Cuidados com o bebê

 Nesse post vamos abordar as duas primeiras fases, Durante o trabalho de parto Parto (hora do nascimento).

plano de parto
Movimentação durante o trabalho de parto Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
 

Durante o Trabalho de parto

 

1.       Presença de um acompanhante de minha preferência, conforme a Lei 11.108/2005

 

Temos o direito! O parto é um momento muito importante para a mulher e não deve ser vivido sozinho. O direito ao acompanhante é lei e regulamentada pela portaria do Ministério da Saúde.

 

2.       Uso contínuo de soro e ocitocina sintética

 

Infusão intravenosa dificulta a mobilidade da parturiente, e assim o relaxamento. O uso contínuo de ocitocina sintética aumentam as taxas de cesarianas, uso de analgesia peridural e febre materna intraparto. Além de que as contrações induzidas por ocitocina sintética são mais doloridas e cansativas do que as contrações naturais, tanto para mulher quanto para o bebê.

 

3.       Liberdade para beber água e sucos enquanto seja tolerado

 

As técnicas de respiração pela boca deixam a boca seca e da sede.

 

4.       Liberdade para caminhar e mudar de posição

 

Manter-se ativa durante o trabalho de parto ajuda a lidar com a dor e facilita a descida do bebê na pélvis.

 

5.       Monitoramento fetal: apenas se for essencial, e não contínuo

 

O aparelho de monitoramento restringe a movimentação da parturiente além de ser totalmente desconfortável pois a mulher é instruída a ficar deitada com abarriga pra cima. Indica-se o monitoramento intermitente em gestações de baixo risco, e a ausculta por enfeira capacitada.
6.       Raspagem dos pelos pubianos

 

Não é obrigatório. Não diminui a incidência de infecções.

 

7.       Analgesia somente quando eu pedir

 

Analgesia pode interferir no trabalho de parto e na movimentação da mulher, ela não deve ser feita sem a autorização ou pedido da mulher. Como já dissemos aqui é considerada uma intervenção invasiva mas também pode ser um grande coringa para encarar o parto.

 

plano_de_parto_wikimedia
Contato pele-a-pele wikimedia.com
 

Parto (hora do nascimento)

 

8.       Liberdade para escolher a posição que me sentir melhor

 

De cócoras, em pé, deitada, de lado, na banqueta de parto…a posição para o nascimento do bebê deve ser a que a mulher estiver mais confortável. O que é bom pra uma nem sempre é bom pra outra. A posição de litotomia, onde você se deita de costas e coloca os pés nos estribos, muito comum nos hospitais, faz com que o parto seja um esforço contra a gravidade e é desencorajada pela OMS. Nesse post você vê mais sobre posições verticalizadas de parto.
9.       Episiotomia (corte na vagina) – somente se necessário com justificativa

 

É uma incisão feita na região do períneo, entre vagina e ânus, para ampliar o canal do parto. Geralmente realizada com anestesia local. Qualquer conduta médica no parto deve ser discutida com a parturiente. Não há nenhum benefício comprovado cientificamente do uso desse procedimento. Se existe Melania Amorim, UMA médica que tem 15 anos de assistência ao parto e NUNCA realizou uma epsiotomia sequer, vale a pena estudar sobre isso.

 

10.       Manobra de Kristeller (profissional de saúde faz pressão no fundo do útero para empurrar o bebê para fora)

 

A manobra é uma violência obstétrica não tem qualquer indicação. Não é recomendada pela OMS por trazer riscos à segurança da mulher e bebê.

 

11.       Ruptura artificial de bolsa, por rotina

 

Por que romper a bolsa artificialmente se ela se rompe sozinha durante o trabalho de parto? Não há nenhuma justificativa baseada em evidências científicas. Em alguns casos a ruptura é indicada para correção de distocias, mas NUNCA deve ser realizada com apresentação alta e móvel do bebê pelo risco prolapso de cordão.

 

12.       Amarração dos braços e das pernas durante o parto

 

Não faz o menor sentido durante o parto normal, mas é bom deixar claro que sua movimentação é importante para o trabalho de parto.

 

13.       Bebê imediatamente colocado no colo para o contato pele a pele

 

Acalma o bebê, fortalece o vínculo mãe-bebê e libera os hormônios do amor.

 

plano de parto
foto: Eveline Dias

Ufa! Quanta informação! No próximo post falaremos sobre o restante dos itens:

  • Após o parto
  • Caso a cirurgia cesariana seja necessária
  • Cuidados com o bebê

Até breve!

 

REFERÊNCIAS

  • Episiotomia

http://estudamelania.blogspot.com/2012/08/estudando-episiotomia.html

http://estudamelania.blogspot.com/2015/07/serie-videos-numero-1-episiotomia.html?q=episiotomia+evid%C3%AAncias 

  • Manobra de Kristeller

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf 

https://www.elpartoesnuestro.es/informacion/parto/maniobra-kristeller-0

  • Plano de parto

https://www.amigasdoparto.com.br/plano3.html

https://www.vix.com/pt/bdm/bebe/8238/plano-de-parto-o-que-e-e-como-fazer-um 

  • Rompimento da Bolsa das Águas

https://criaminha.wordpress.com/2014/01/14/rompimento-artificial-da-bolsada-srie-rotinas-do-parto-normal-o-que-eles-fazem-por-voc-que-mais-atrapalha-do-que-ajuda/

 

 

 

 

Compartilhe:

3 respostas para “Decifrando o Plano de Parto”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.