Será mesmo que o cordão é o vilão?

Compartilhe:

O que é o cordão umbilical

Ele se forma já na quinta semana de gestação, junto com a placenta, e é responsável pelo transporte de sangue da placenta ao bebê através do abdômen. O cordão possui cerca de 50 cm de cumprimento e 2 cm de diâmetro, por onde passam duas artérias e uma veia, entre essas estruturas existe a geleia de Wharton, uma substancia parecida com uma gelatina bem mais dura e resistente que protege os dutos de impactos.
É através desse sangue que o feto vai receber nutrientes, respirar e eliminar as toxinas. Guarde bem essa informação! Vamos falar mais sobre ela.

Como o nó se forma

Um bebê sadio se movimenta muito durante toda a gestação, é como ele desenvolve seus músculos e começa a se preparar para a vida no meio externo. O cordão umbilical é seu primeiro brinquedo e alvo de apertões muitas vezes, toda essa bagunça com chutes e cambalhotas podem acabar dando um nó no cordão.
Nunca, ou quase nunca é possível identificar a existência desse nó durante a gestação, não existe ainda nenhum aparelho capaz de visualizar isso, pois apesar da diferença visual em nada muda para mãe ou bebê a presença do nó!

O cordão não mata

 

Como o cordão é longo e preenchido pela geleia de Wharton, que amortece e protege a veia e artérias responsáveis pelo fluxo sanguíneo e trocas gasosas entre placenta e bebê. Mesmo com presença de um ou mais nós o fluxo de sangue não se altera e nada, ABSOLUTAMENTE NADA, muda para o bebê.

O exame gestacional que verifica o fluxo sanguíneo é o Ultrassom com Doppler, é através dele que o médico pode observar o funcionamento da placenta, cordão e coração do bebê.

Caso você não se sinta segura com um diagnóstico, procure por segunda, terceira ou até quarta opiniões. Nó de cordão, ou cordão enrolado em qualquer parte do corpo do bebê não é, isoladamente, indicação para cesárea.

 

 

Você pode ler mais aqui

Placenta e Anexos Embrionários http://www.ibb.unesp.br/Home/Departamentos/Morfologia/placenta-e-membranas-fetais-med.pdf 

Avaliação da vitalidade fetal anteparto  http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72032009001000008&lng=pt&nrm=iso

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.