Inchaço no terceiro trimestre, como se cuidar?

Compartilhe:

A gravidez traz experiências diferentes para mulheres, as tornam mais sensíveis devido às muitas transformações as quais seu corpo é submetido. Elas prestam atenção ao fato de estar germinando uma nova vida, felizes e cautelosas quando sente pela primeira vez os movimentos do pequeno ser em sua bolsa. É uma experiência fantástica quando vê pela primeira vez a barriga mexer e em muitas vezes se tornar visível às minúsculas perninhas na barriga.

Falando das mudanças, as hormonais são consideradas as principais causadoras dessas transformações na mulher, sem esquecer, é claro, também que o volume total de sangue aumenta, o fluxo sanguíneo para o útero e para os rins são maiores e que o crescimento do feto causa ampliação e deslocamento do útero.

Ainda temos o aumento de peso corporal e mudanças adaptáveis no centro de gravidade e postura. Essas alterações trazem muitas consequências ao corpo materno, em muitas vezes prejudicando-a tanto na questão de saúde como também na estética, pois nessa fase as mães passam por muitos conflitos psicológicos (medos, ansiedades, traumas, depressões, baixa estima).

São transformações intensas tanto físicas como emocionais. Todo o corpo se transforma para abrigar e nutri o bebê durante toda a gestação até o parto e normalmente a partir do 5º mês da gestação iniciam os inchaços em razão da compressão do útero sobre as veias e também má circulação.

Que inchaço é esse?

Segundo o ginecologista e obstetra Wagner Hernandez, membro da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de São Paulo (Febrasgo) e diretor do Centro Obstétrico do Hospital das Clínicas de São Paulo, a retenção de líquidos na gravidez é um mecanismo hormonal, que ocorre por conta do aumento do volume de líquidos (entre 25% e 35%) circulando no corpo da mãe.

Naturalmente o útero começa a exercer mais pressão sobre a região da pélvis, e também pressiona a veia cava, veia responsável pela recepção do sangue oriundo das pernas, motivo pelo qual, quando pressionada, faz com que o fluxo sanguíneo reduza e acumule mais nos membros inferiores, esse aprisionamento acarreta a descida da água através das veias capilares, para os membros inferiores gerando, assim, o inchaço (termo técnico é edema), na região inferior do corpo.

A ocorrência do inchaço aumenta no terceiro trimestre, que corresponde da 27º a 40ª semana da gestação, que é quando o útero mostra-se extenso. Nessa fase as gestantes se queixam de dor lombar, micção frequente, fadiga, edema, principalmente em membros inferiores. É comum no final do dia, os sapatos parecem que encolhem, as pulseiras já incomodam e normalmente as alianças (para quem tem) ganham novas funções, virando pingentes do colar.

Você está grávida e se reconhece nessa cena?

Sim, né? Eu te entendo!

Esse tal inchaço incomoda por demais, porém as alterações que acontecem no organismo feminino são com o propósito de proporcionar ao feto o máximo de desenvolvimento.

O inchaço fisiológico é normal e sem riscos para a saúde de mãe e filho, ele é simétrico e atingem igualmente os dois pés, as duas pernas e até mesmo as duas mãos.

Atenção!!! Caso esse inchaço seja irregular, poderá ser o inchaço patológico, acontece quando apenas um dos membros aumenta de tamanho e também é generalizado no corpo todo, inclusive no rosto, e não diminui após uma noite de sono ou um período de descanso com pernas elevadas, o que pode ser sinal de trombose e pressão alta na gravidez, respectivamente. Por isso, não dá para ignorar, será preciso uma avaliação medica e até mesmo intervenção medicamentosa.

E dá para se prevenir?

Bem, o inchaço na gestação não tem como ser evitado, porém é possível administrá-lo, sem falar que, algumas questões podem favorecer o surgimento do edema, como a época do ano em que a mulher está no fim da gravidez. O verão, por exemplo, costuma piorar bastante os sintomas, já que a temperatura alta faz os vasos dilatarem, o que facilita o extravasamento e acúmulo de líquido nos tecidos.

Bem, já que não é possível evitar o inchaço, podemos lançar mão de algumas coisas para amenizá-lo:

  • Atividades físicas – contribuem e muito para o alívio do inchaço, além de aumentar a sensação de bem-estar. Caminhada e hidroginástica são ótimas opções, mas recomendo que sejam feitas de acordo com a recomendação médica, pois cada corpo tem uma história e por isso deve ser uma atividade pensada para você.
  • Alimentação – faça refeições equilibradas, com verduras, legumes e frutas. Mantenha uma dieta fracionada (a cada três horas), com ingestão adequada de calorias e proteínas, pouco sal e livre de produtos industrializados ricos em sódio (como salgadinhos e embutidos). Evitar deitar logo após que tenha se alimentado.
  • Hidratação – tenha o hábito de ter uma garrafinha de água à mão para onde for. Incremente fazendo água saborizada (saborizar com limão e/ou gengibre é uma boa pedida), sucos naturais de frutas e esqueça os refrigerantes.
  • Meias elásticas – não é muito querida pelas gestantes, mas trazem bons resultados. É melhor escolher aquelas de baixa ou média compressão, segundo orientação do seu médico e de preferências.
  • Mude de posição – se no trabalho você fica em pé ou sentada por muito, faça pequenas caminhadas com frequência para melhorar a circulação. Também é bacana ter um apoio de pés para mantê-los levantados.
  • Calçados – os melhores são aqueles que a grávida se sente confortável, porém evite o salto alto. Lance mão de rasteirinhas, chinelos e sapatilhas, porém para algumas mulheres ter um saltinho de 1 (um) centímetro pode fazer uma grande diferença na prevenção do inchaço.
  • Drenagem linfática manual – diversos estudos já mostraram a eficácia da massagem para reduzir o edema em grávidas. Um deles, realizado pela Santa Casa de São Paulo, avaliou mulheres entre 23 e 38 anos que estavam entre o quinto e o oitavo mês de gravidez e não tinham nenhum outro problema na gestação além do inchaço. Elas recebiam uma hora de drenagem, dia sim, dia não.
  • Pés para o alto – ainda que a mulher não sofra com o inchaço na gestação, ele pode surgir depois que o bebê nascer. Trata-se de uma reabsorção natural do líquido em excesso no corpo, mesmo que tenha passado despercebido na gravidez. Para aliviar, coloque os pés para cima sempre que possível, faça pequenos intervalos com caminhadas para melhorar a circulação e beba muita água.

    Foto do site: https://www.bebeabordo.pt/pernas-inchadas-na-gravidez/
  • Descanso no trabalho – se você trabalha sentada é bom que realize algumas pausas durante trabalho para aliviar a pressão da pélvis e da veia cava, esse descanso pode ser encosta na cadeira se inclinando para trás ou até mesmo levantar e ir buscar um copo de água, assim você também irá favorecer a hidratação.
  • Spinning Babies – nela existe um movimento que o inversão inclinada para frente, a mulher fica de joelhos em uma poltrona ou sofá e se apoia com os antebraços no chão, deixando a cabeça relaxada. A posição deve ser mantida entre 30 segundos e um minuto e pode ser repetida até três vezes por dia, procure uma ajuda profissional, pois é preciso ter alguns cuidados e precauções para execução desse movimento.

Esse movimento é o alongamento, em repouso, dos ligamentos uterinos. O alongamento pode desfazer possíveis potenciais fatores limitantes próximos ao colo e também dará uma reduzida na pressão da barriga na pelve, por consequência também irá reduzir a pressão na veia cava.

Meus pés já estão inchados, e agora?

Além das dicas dadas acima você pode se valer de alguns artifícios caseiros para te dar mais conforto e reduzir esse inchaço.

  • Escalda pés – Fazer um escalda-pés no final do dia ajuda a relaxar e diminui o inchaço e as dores que podem surgir. Como fazer?
    Acervo Pessoal da Fernanda Maciel
    Escalda pés

    Acervo Pessoal da Fernanda Maciel

Pegue uma bacia ou balde com um pouco de sal grosso, coloque água quente, a mais ou menos 37°C (não é queima pés, te que ser em uma temperatura confortável e aconchegante).

Você pode potencializar colocando óleos essenciais, como o de lavanda, que ajuda ainda mais a equilibrar o sistema nervoso, aliviar dores de cabeça e diminuir a insônia.

Coloque na água um chá, como o de camomila usando as flores, ou mesmo o saquinho, que também é uma ótima opção para trazer mais relaxamento.

O ideal é que você use um balde, para mergulhar a perna até os joelhos, na panturrilha temos a bomba muscular e água nessa região contribui para o retorno venoso. No fundo dele, coloque pedras arredondadas ou bolinhas de gude para massagear a sola dos pés.

Cerca de 20 minutos é o suficiente para que você consiga um resultado de relaxamento e bem-estar. Seque bem os pés,  se quiser aplique um hidratante e procure mantê-los aquecidos.

  • Banho de contraste – Você vai precisar de 2 (duas) bacias, em uma coloque água quente (mesmo esquema de ser com uma temperatura confortável), permanece com os pés imersos por 3 (três) minutos, isso vai ajudar a dilatar os vasos sanguíneos. Depois, coloca os pés na água fria (pode colocar umas 3 (três) ou 4 (quatro) pedras de gelo) por 1 (um) minuto, a água fria que vai fazer uma constrição/ diminuir o tamanho dos vasos sanguíneos.

Importante! Você vai repetir esse revezamento dos pés nas bacias por 3 (três) vezes, devendo cronometrar o tempo.

Essa diferença de água quente para água fria vai fazer o corpo tirar o excesso de líquido dos pés e tornozelo levando para corrente sanguínea e o corpo eliminará o excesso através da urina.

Em seguida, deite confortavelmente com os pés para o alto, é importante os pés ficarem acima do nível do coração, para ajudar no retorno venoso.

E para finalizar, se possível, peça que alguém faça uma massagem no pés (sempre tem alguém que diz que está ali para ajudar a gestante quando ela precisar, então  essa é a hora de usar essa, risos). O ideal é que seja pelo menos 1 (um) minuto de massagem em cada pé, pode cronometrar, e deve ser no sentido dos dedos para baixo.

Utilizando uma dessas dicas você amanhecerá renovada e com mais disposição para o dia e com certeza irá eliminar totalmente ou parte desse inchaço.

Se você tem alguma dica que usa ou tenha alguma dúvida fala comigo. Clique aqui!

Um cheiro de doula,

Jaiana Rodrigues

 

Texto escrito com as seguintes referências:

Drenagem linfática corporal no edema gestacional: https://sandrabarbosa.webnode.com.br/_files/200000127-c3432c43cf/ARTIGO%20OBSTETR%C3%8DCIA.pdf

Benefícios da drenagem linfática manual em paciente com edema de membros inferiores no sétimo mês gestacional: http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/14/20_-_Ben._da_dren._linfYtica_man._em_paciente_c_edema_de_membros_inf._na_paciente_no_sYtimo_mYs_gestacional.pdf

Gravidez e exercício físico: uma revisão: https://www.efdeportes.com/efd133/gravidez-e-exercicio-fisico.htm

Remédios caseiros contra pés e tornozelos inchados: https://www.bebeabordo.pt/pernas-inchadas-na-gravidez/

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.