O pai na amamentação

Compartilhe:

Mãe tem uma  carga maior com os cuidados do bebe, isso é fisiológico, não tem como fugir. Gestou, pariu e chega a hora de nutrir! Estar acompanhada, ter rede de apoio desde o início da amamentação é MUITO importante. Amamentar é tipo um desafio, algumas mulheres “tiram de letra”, bebe vem, encaixa, suga e uaauuuu, deu certo! Relatam que “nem doeu, só senti umas fisgadas quando ele suga!”.

Amamentação tranquila, bebe recém nascido. Fonte: Pixabay

Já outras mulheres (tipo a maioria pra falar a verdade), dão uma sofrida. E é aí que a ajuda, apoio, cuidados e gestos carinhosos vindos principalmente do pai, fazem a diferença e estimulam a mãe a persistir na amamentação. Estudos mostram uma grande satisfação dos homens em poderem participar deste momento e quando são reconhecidos pelas suas parceiras também.

NASCEU O BEBE, NASCEU O PAI! BÓRA TRABALHAR, PAPAI!

Existe uma boa parte de pais que afirmam que a “ficha de pai” só cai quando o bebe nasce! Pois bem, com as mulheres isso também pode ocorrer, mas o que trago hoje é a idéia de trazer o pai para a amamentação, de uma forma participativa, pois agora com a cria nos braços, o impressão de que “agora sim” ele pode estar contribuindo para a criação daquele bebe, atuando realmente e dividindo com sua parceira a carga da amamentação e cuidados com o bebe.
O leite materno é reconhecidamente o melhor alimento para a criança, os benefícios se estendem a mãe, ao pai, a família, a sociedade, o país, a ecologia e o planeta. O conceito de pai tem sofrido alterações há anos, consequência das transformações pelas quais o mundo, especialmente no campo político, econômico, científico e cultural, vem passando. O lugar paterno era associado à função de prover a família de suas necessidades materiais e assegurar a “ordem da casa”. O homem ainda é escravo do estereótipo masculino que determina figuras de identidade como de super-homem que, na vida cotidiana, traduz-se no pai protetor e provedor material.

ATUALIZAÇÃO DA PATERNIDADE

A nova disposição para assumir o exercício da paternidade, a responsabilidade cotidiana pelo cuidar do outro, o ocupar-se e o permitir-se ser ocupado cotidianamente pelo filho representa atitude de humanização e contribui para a desconstrução do papel tradicional do masculino.
A família, desse modo, tem dupla função: a primeira constitui satisfação de necessidades básicas como alimentação, calor, abrigo e proteção; e a segunda função de proporcionar ambiente no qual possa desenvolver ao máximo suas capacidades físicas, mentais e sociais, sendo necessária atmosfera de afeição e segurança. Na atual sociedade a figura excêntrica que culturalmente assumiu de responsável pelo sustento da família, apresenta agora, novas funções:
– companheiro,
– cuidador,
– protetor, entre outros.
Atualmente compreende-se que a valorização à participação paterna, desde o pré-natal, quebra barreiras de adaptação e cuidados ao filho e à puérpera, contribui no manejo da amamentação, evitando o desmame precoce.

O HOMEM E A AMAMENTAÇÃO

Seguem algumas dicas para a participação efetiva e afetiva do pai no apoio ao aleitamento materno:

1- Encoraje e incentive a sua mulher a amamentar.
Ela pode estar insegura de sua capacidade para o aleitamento. Seu apoio é fundamental nesta hora!

2- Compartilhe, aceite e respeite o momento da amamentação em relação ao sentimento de posse dos seios da mulher. Seios são fisiologicamente (e divinamente) feitos para amamentar. O toque pode ficar restrito, respeite SE a mulher demonstrar não estar confortável durante a relação sexual em não tirar o sutiã ou evitar o toque.

Sugar Daddy Reaction S GIF - Find & Share on GIPHY

Sai pra lá, querido! 

3- Sempre que possível, participe do momento da amamentação. Sua presença, carinho e toques durante o ato de amamentar são importantes para o vínculo afetivo do trinômio mãe+pai+bebe!

4-  No momento que o bebe estiver mamando, ofereça um copo de água ou um suco de frutas para a mãe. Produzir leite dá uma sede (e fome!) então é bem provável que isso seja bem recebido!

5- Seja paciente e compreensivo em relação à arrumação da casa, refeições e organização do que quer que seja, as necessidades do recém-nascido são prioridades! Se coloque a disposição de auxiliar nesses pontos, para que ela também não se cobre, pois saberá que você está encarregado dessa parte e isso será um alívio para a cabeça dela também.

É para facilitar, não complicar mais ainda o momento! – Arte: Rodrigo Bueno-2016

6- Se estiverem na rua e a mulher precisar amamentar, auxilie procurando o lugar mais confortável possível. Isso não quer dizer que tenha que ser um lugar RESERVADO! Apenas, CONFORTÁVEL! Como uma cadeira ou um banquinho que possa ser levado até ela, se não tiver esta opção, busque o carro, estacione numa sombra, por exemplo. Se estiverem em casa, ofereça de buscar um travesseiro para apoio das costas ou braços, a almofada de amamentação, um paninho caso precise para o leite que extravasa no inicio ou qualquer outro item que possa deixá-la mais confortável!

7- É de madrugada, bebe já mamou? O papai pode trocar a fralda ou fazer o bebe arrotar. Deixa a mãe voltar a dormir! Daqui algumas horas o bebe vai acordar e pedir mamá novamente! O descanso é importante para uma melhor produção de leite.

8- Não leve para casa latas de leite, mamadeiras ou chupetas! O sucesso da amamentação é a persistência. É comprovado cientificamente que o uso de bicos e leites artificiais prejudicam este processo, pode parecer a melhor opção no momento, mas a longo prazo será prejudicial em vários pontos, como o desmame precoce, má formação da arcada dentária, atrapalhar a interação mãe+bebe, altera a respiração do bebe, aumenta a probabilidade de otite média e enfim tem mais efeitos negativos do que positivos.

A IMPORTÂNCIA DO INCENTIVO DO PAI

Incentivar é o que mais tem efeito positivo no processo todo, e quanto mais o pai souber sobre as vantagens e o manejo da amamentação, bem como o prejuízo do uso da mamadeira, mais eles incentivam a mãe a dar somente o peito.
A parceria entre o casal se fortalece, a mãe por algumas vezes pode se não ter o costume de aceitar ou receber tanta ajuda. Mas deixe o pai se aproximar bastante de vocês neste momento, demonstre a gratidão pelo apoio e sigam feliz por este caminho, que é tão rico de amor e nutrientes!

 

Referencias:

O contexto atual do pai na amamentação: uma abordagem qualitativa* –
rmmg.org/exportar-pdf/185/v21n2a02.pdf

Paternidade e amamentação: mediação da enfermeira http://www.scielo.br/pdf/ape/v29n4/1982-0194-ape-29-04-0374.pdf

Guia Prático de Atualização – Sociedade Brasileira de Pediatria – Departamento Científico de Aleitamento Materno http://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/Aleitamento-_Chupeta_em_Criancas_Amamentadas.pdf

Compartilhe:

5 respostas para “O pai na amamentação”

Deixe uma resposta para Patricia Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.