Amamentação em Tandem: Amamentando filhos de idades diferentes ao mesmo tempo

Compartilhe:

Pode soar estranho, mas é possível amamentar filhos com idades diferentes ao mesmo tempo – e isso não faz mal a saúde de ninguém! Chamamos essa de amamentação tandem ou em tandem.

amamentação tandem
Foto: Laís Torres

A amamentação tandem é o ato de amamentar dois filhos de idades diferentes durante o mesmo período. Normalmente ela se inicia quando a mãe está amamentando, descobre uma nova gestação, segue com o aleitamento durante a gravidez e o mantém após o nascimento do caçula.

Essa modalidade maravilhosa da amamentação não é tão praticada no Brasil, e um grande motivo para tal é o fato da amamentação tandem estar cercada de mitos, como a associação a um maior risco de aborto e de causar a falta de colostro para o recém-nascido.

Hoje vamos dar uma chacoalhada nesses mitos com uma boa dose de embasamento científico!

1 – Amamentar grávida e o risco de aborto:

Essa é a frase nº 1 que desestimula a amamentação tandem e leva mulheres a desmamarem bruscamente seus filhos. Esse mito vem de uma dedução rápida que a primeira vista parece ser verídica: existe um hormônio chamado ocitocina cuja produção é estimulada, entre outras coisas, durante a amamentação. Esse mesmo hormônio atua também nas contrações uterinas. Logo, se uma mulher grávida amamentar, ela estará enchendo o corpo de ocitocina, que por sua vez estimulará contrações uterinas, expulsando o feto do seu útero.

Porém, querida leitora, essa dedução está errada. O corpo é sábio e se adapta totalmente a gestação e a amamentação na medida certa. Durante a gravidez a produção de ocitocina não é suficiente para desencadear sozinha o trabalho de parto. Isso porque existem outros hormônios envolvidos que mantém o útero fechadinhos e o bebê bem protegido.

amamentação-tandem
acervo Pixabay

Mas se você não está convencida, vamos a estudos:

Foram realizados alguns estudos investigando o aleitamento materno durante a gestação e o aumento do índice de aborto nessas mulheres. Apesar de algumas mulheres relatarem que sentem leves contrações durante algumas mamadas, elas cessam assim que o filho para de mamar. Ainda, essas mulheres não passaram por processos abortivos ou de partos prematuros.

A conclusão do estudo é que não existe relação entre amamentação na gravidez com maior chance de sofrer aborto ou parto prematuro. Ou seja, amamentar durante a gravidez por si só não provoca aborto e não leva a partos prematuros.

O Ministério da Saúde brasileiro também reconhece que a amamentação durante a gestação como possível, a enquadrando em uma condição especial de aleitamento, mas que deve ser suspensa em situação controversa.

“É possível manter a amamentação em uma nova gravidez se for o desejo da mulher e se não houver intercorrências na gravidez”. (MINISTÉRIO DA SAÚDE)

Além de incentivar a prática, o Ministério da Saúde dá orientações básicas em seu Caderno de Atenção Básica sobre aleitamento e alimentação complementar. Vale a leitura!

2- Amamentar estando grávida e a saúde da mulher e do feto.

O aleitamento durante a gestação pode ser mais desgastante e afetar a mulher em aspectos que não necessariamente o desenvolvimento do bebê, como exemplo a sensibilidade nos seios deixa a amamentação mais incômoda para a mãe. Também pode ser mencionado o cansaço próprio da gestação acompanhado da demanda da amamentação. Mas não há um prejuízo relacionado ao simples fato de amamentar grávida.

E reforçando, não há indicativos de que em uma gestação saudável exista prejuízos para o feto ou para a mãe provocados pela amamentação.

3- Amamentar grávida e o colostro

Sabe-se que durante a gestação é possível que o leite comece a ser produzido. No imaginário popular o colostro é o leite produzido durante a gestação e que vem se acumulando e “fermentando” para quando o bebê nascer. Seguindo esse pensamento, como fica o colostro do recém-nascido se o leite produzido na gestação está sendo tomado pelo bebê maior?

De início vamos esclarecer que esse leite da gestação ainda não é o colostro. Ele é um leite que sofre alterações e o filho mais velho pode sentir, principalmente em relação a produção que pode diminuir durante algumas fases da gestação e o sabor que se modifica graças a ação dos hormônios gestacionais.

Não se sabe ao certo quando o leite ganha as características de colostro, mas um estudo feito pelo grupo Alba Lactância analisou o leite de grávidas  e constatou que é apenas nas últimas 4 semanas da gravidez que o leite passa a adquirir as características de colostro. Ou seja, não está relacionado a um “acúmulo de leite durante um determinado período” e sim a estímulos próprios do corpo.

amamentação-tandem
acervo Pixabay

Colocando o poder de voz novamente na ciência, trago uma informação plus: O colostro de gestantes não-lactantes e gestantes lactantes possuem o mesmo valor nutricional e ainda, não há prejuízo no consumo de colostro pelos recém-nascidos amamentados em tandem com seus irmãos maiores – na verdade, esses bebês tem um bônus de desenvolvimento graças a parceria com os irmãos! Próximo tópico!

3- Amamentação tandem, apojadura e benefícios para o recém-nascido

A apojadura é a “descida do leite”, que pode ser entendida como o corpo seguindo o conselho de “melhor pecar pelo excesso do que pela falta” e mandando bastante leite para que o bebê. A apojadura é um período que a mulher pode ficar febril, sentir os seios pesarem, crescerem e endurecerem: é sentir o peito cheio mesmo.

Apesar de parecer ser uma maravilha ter a fartura de leite, ter os peitos cheiões, duros e com excesso de leite dificultam o mamar do recém-nascido: é difícil para ele abocanhar o peito, estimular a mama para projetar os “jatinhos de leite” e a mamada pode se tornar mais cansativa e menos produtiva para ele. Nesse cenário, ter um bebê maior que já sabe mamar e que consegue dar conta da produção é benéfico demais!

amamentação-tandem
Foto: Laís Torres

Além de ajudar as mães a lidarem com os desconfortos da apojadura, facilita e favorece o mamar do irmão mais novo. Estudos comprovaram que os recém-nascidos amamentados em tandem tiveram ganho de peso superior aos irmãos mais velhos, além de terem perda de peso menor após o nascimento do que bebês que não contam com irmãos parceiros na amamentação.

“Se observou que os recém-nascidos que mamam em tandem com seu irmão mais velho perdem menos peso ao nascer, e o recuperam mais rapidamente por contar com uma produção de leite ininterrupta e a ajuda do irmão maior para estimulá-la”. (ALBA LACTANCIA)

Observação sobre a apojadura: Depois de um tempo o corpo da mulher percebe a demanda do recém-nascido, passa a produzir a partir do estímulo e não enche mais os seios como no início do pós-parto. Muitas mulheres sentem essa mudança, acham que não estão mais com leite suficiente, se desesperam, acham que é melhor complementar e etc. Mulheres, calma, leiam mais sobre amamentação. É aqui que entra a famosa frase “peito é fábrica, não estoque”: o leite passa a ser produzido enquanto o bebê mama.

4- Amamentação em tandem, “leite fraco”, aleitamento prolongado e desmame suave

Fechando com chave de ouro: a amamentação tandem favorece o aleitamento prolongado. Isso estimula as mulheres a decidirem junto a seus filhos maiores como guiar o desmame de uma forma mais suave, podendo ser gradual ou natural.

Muitas pessoas dizem que para o filho mais velho aquele leite da mãe é fraco, “se transformou em água” e que não tem qualquer valia para a criança. Isso não é real! O leite materno é um alimento riquíssimo e, salvo a diferença entre o colostro e o leito maduro, seu valor nutricional se mantém até o final do aleitamento.

” O leite materno, surpreendentemente, apresenta composição semelhante para todas as mulheres que amamentam do mundo. Apenas as com desnutrição grave podem ter o seu leite afetado na sua qualidade e quantidade”. (MINISTÉRIO DA SAÚDE).

Aqui vale ressaltar que, devido as mudanças no sabor do leite durante a gestação, algumas crianças seguem por um desmame natural e, por si, deixam de demonstrar interesse na amamentação. Essa mudança pode ser definitiva ou passageira, com o retorno do interesse e do mamar em si após o nascimento do caçula.

Atenção:

– Mulheres com gestação de alto risco devem seguir orientações médicas. Se existe ameaça de aborto por outras questões, é possível que a suspensão da amamentação seja recomendada.

– Se for preciso priorizar a amamentação de um dos filhos, por alguma questão específica, priorize o caçula, pois o mais velho conta com a alimentação complementar. Porém, o priorizar não significa necessariamente oferecer primeiro o peito ao menor. O filho mais velho mamar antes do caçula auxilia na saída do leite e no alcance do caçula ao leite posterior, o leite gordo.

Essas são apenas algumas informações sobre a amamentação tandem. Ela é totalmente possível e benéfica para mulher e seus filhos. Mas lembre: possível não é sinônimo de fácil ou simples. Se sua realidade for suave, maravilha! Se não for, é trabalhar para lidar com os desafios e identificar como você deseja lidar com esse processo.

Deixo o convite para você compartilhar aqui a sua experiência e inspirar outras mulheres: os relatos tem um valor indescritível para muitas mães!

Leitura complementar sugerida:

DUTRA, Samanta. Amamentação prolongada: Benefícios além do que se pode imaginar. 2018.

GALIS, Rose. Conheça os benefícios e o poder do leite materno. 2018.

OTERO, Julia. Saiba por que AMAmentação é incrível. 2018

SCHIMITT, Sheila. Amamento e descobri que estou grávida, e agora? 2018

Referências ( leia para acesso completo as informações):

LEO, Maria Inmaculada Pinos, MOYANO, Trinidad Ramirez, BALLESTEROS, Rubén Hernandez. La lactancia materna durante el embarazo: ¿aumenta el riesgo de sufrir un aborto espontáneo?, 2013.

MARCOS, Inmaculada Marcos, RIBAS, Eulália Torras i. Lactancia materna durante el embarazo y en tandem, em Alba Lactância.

Inma Marcos, IBCLC. ¿Producen auténtico calostro las madres que amamantan a un hijo previo durante el embarazo?, em Alba Lactância.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da Criança: Nutrição Infantil. Aleitamento materno e Alimentação complementar. 2015

 

Doulas recomendam:

Absorventes refrescantes- cuidados pós parto Conversando em um grupo incrível de “índias parideiras” onde indicaram essa receita para pós-parto e que pode também ser utilizada antes, em caso de v...
Como eu me descobri doula Quando criança, eu achava que gravidez era sinônimo de cesárea. Eu nasci assim, minha irmã também, todas as crianças que eu conhecia também tinham nas...
Como preparar as mamas para a amamentação? via Pinterest O mês de agosto começou com a Semana Mundial de Aleitamento Materno inaugurando a campanha do Agosto Dourado, que promove durante to...
Parto orgásmico ou o parto como prazer Parto orgásmico? É possível vivenciar esse momento, culturalmente tão ligado à dor e sofrimento, como uma experiência prazerosa? “Se a mulher não ...
Compartilhe:

2 respostas para “Amamentação em Tandem: Amamentando filhos de idades diferentes ao mesmo tempo”

  1. Eu amamento em tandem há 5 meses e meio e amamento a mais velha há 2 anos e 8 meses. Minha situação é suave pois a mais velha passa o dia na creche e mama apenas quando acorda e na hora de dormir.
    Sempre que perguntam até que idade elas vão mamar, digo que até quando quiserem.

    #AMAmentar

    1. Isso aí!
      Parabéns pela força e perseverança!
      Tua história com certeza é e será um diferencial para muitas mulheres que te ouvem.
      <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.