5 dicas para se preparar para a amamentação

Compartilhe:

Ei! Você aí que está grávida! Já pensou sobre amamentação? Eu sei que essa coisa toda de parto é difícil e que, principalmente na nossa realidade demanda muito estudo e empenho, mas a verdade é que o seu parto irá durar algumas horas (com sorte não muitas, hahahaha), já a amamentação… essa vai tomar um pouco mais do seu tempo.

Amamentar não é tão instintivo e angelical quanto parece, na verdade pode ser um processo bem intenso e difícil. Amamentar demanda informação, preparo, apoio e determinação e, ainda com tudo isso, ficamos a mercê do que não temos como controlar. Diante de tudo isso, só posso te dizer que vale muito a pena se preparar desde a gestação para a vivência da amamentação. Não sabe por onde começar? Vem comigo que te conto 5 dicas!

1. Não subestime o desafio que é amamentar

É muito comum ouvir de mães algumas frases como “eu não sabia que era tão difícil”, “eu não imaginava que era tão desafiador” ou “eu pensava que era mais fácil”. É comum que gestantes imaginem várias dificuldades quando pensam sobre o pós parto e, em geral, amamentação não costuma ser uma delas. Mas a verdade é que amamentar é muito difícil, desafiador e muitas vezes leva a mãe ao limite do que um dia imaginou. Penso que talvez pelo fato de que as mães em geral voltam ao convívio social mais intenso após o período mais crítico da adaptação, parece que amamentar é algo instintivo, natural e que mães fazem com grande maestria, mas a prática é que isso é um aprendizado intenso. Não se aprende apenas a amamentar, é necessário aprender a amamentar aquele bebê específico e, às vezes, num próximo bebê poderá se deparar com uma vivência completamente nova (melhor ou não). Sendo assim, não menospreze o desafio que está próxima a enfrentar, se prepare, se informe e esteja munida de apoio e alternativas.

Ah! Mas também não é impossível, viu? Justamente por isso é importante pensar sobre isso ainda na gestação!

2.Divida a caminhada com quem partilha do que você acredita

Não existe nada pior do que está acompanhada de gente que não te apoia e não acredita em você. No processo de amamentação então, isso é um pesadelo! Então tenha pessoas que acreditam nas mesmas coisas que você sobre a amamentação! Procure grupos de apoio virtuais ou presenciais, pense bem na escolha da/o pediatra, observe e cultive laços com amigas que vivenciam/vivenciaram esse processo. No que for possível, não ande só! É mais leve quando temos com quem dividir o fardo e que e não joga mais peso sobre nós.

3.Prepare a sua cabeça

Sempre que vejo alguém falando de preparar a mama penso ‘nãããão! pra amamentar, a gente prepara é a cabeça!’. Adquira informação, pesquise, faça cursos com essa temática, converse, pergunte… Você não precisa virar a própria consultora em amamentação, mas entender pelo menos o básico da fisiologia da mama, o processo de produção do leite, cuidados com a mama, pega correta do bebê e demais pontos fundamentais, com certeza já vai ser um grande passo pra tornar as dificuldades mais leves e te dar pelo menos um norte de como resolver determinadas situações e onde conseguir ajuda. Informação é tudo e se conhecer, conhecer sobre o seu corpo, seu funcionamento e quando as coisas podem não estar indo bem , com certeza te trará benefícios nesse processo. Além disso, outra dica importante é se preparar para as frustrações, pro indesejado e pras dificuldades que possam surgir, se preparar para acolher essas coisas como aprendizado e crescimento e não como mais um motivo para esmorecer. É importante sempre lembrar que não é porque você não conseguiu tudo que planejou que, necessariamente, não conseguiu coisa alguma.

4.Converse com a sua rede de apoio

É importante compartilhar com aqueles que dividirão essa fase com você, sobre suas decisões e posicionamentos e traçar planos para a realização disso. Por exemplo, se pretende deixar o bebê com a sua mãe em algum momento por motivo específico e tomou a decisão de seguir a recomendação do aleitamento materno exclusivo, precisa traçar com ela como o leite será ofertado, precisa realizar a ordenha e armazenamento correto e deixar tudo claro e preparado. Isso ajuda a evitar situações desagradáveis como, por exemplo, que ela ofereça chás ou fórmula no seu período de ausência. É o famoso “combinado não sai caro”, né? E eu já falei sobre a importância da comunicação com a sua rede de apoio nesse post aqui.

5.Esteja preparada para quando precisar de ajuda

Você não precisa saber tudo e dar conta de tudo sozinha! Não precisa! Tá tudo bem e inclusive é muito bom que você peça ajuda quando não souber o que fazer. A amamentação é um processo bem difícil e desgastante e quando algo começa a dar errado, leva muito pouco tempo pro caos se instaurar, então é muito bom já saber onde buscar ajuda quando isso acontecer. Sendo assim, ainda na gestação você pode buscar referências de consultoras em amamentação e já manter os contatos na agenda bem como se informar sobre os bancos de leite de sua cidade ou salas de apoio à amamentação e anotar informações quanto aos horários de funcionamento, contatos e endereços (especialmente se tiver um que funcione 24 horas). A rápida ajuda em situações complicadas pode evitar agravos como mastites e ingurgitamento.

Espero que tenha gostado das dicas que separei! Acrescentaria alguma diferente? Conta pra mim!

SAÚDE DA CRIANÇA: Nutrição Infantil: Aleitamento Materno e Alimentação Complementar

Doulas recomendam:

Do coração nasceu uma Doula Do coração para a vida O início de mim Vim de uma família grande, de maioria mulheres, minhas avós somadas tiveram 23 filhos, desses, 20 nascer...
Será destino? Ou sempre fui doula? Vou contar um pedaço da minha história pra vocês... Sou a Vanessa, nasci em Curitiba à 34 anos, desde pequena tinha o sonho de ser médica, de ajudar ...
Minha barriga fica dura – O que é isso? Muitas gestantes começam a sentir a barriga endurecer por volta da 20ª semana de gestação e se assustam pensando ser o início de um trabalho de parto ...
Mortalidade Materna: uma tragédia negligenciada Dia 28 de maio é um dia de extrema importância para nós, brasileiras. Ele marca duas lutas para a saúde feminina: o Dia Internacional de Luta Pela Saú...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.