Pré-natal: uma abordagem humanizada

Compartilhe:

No Brasil, onde o corporativismo médico ainda dita as regras de assistência à mulher no parto, temos o costume cultural de procurar um/uma obstetra para iniciar o pré-natal. Em diversos países, isso não acontece.

Na Europa é diferente

Na Inglaterra, por exemplo, o único momento que uma gestante é avaliada por um médico é quando visita um clínico geral para ser encaminhada para uma parteira, no início da gestação.

Lá as parteiras são as profissionais que acompanham a mulher ao longo de todo o ciclo gravídico-puerperal, cabendo ao médico intervir somente em casos de gestação de alto risco ou parto com intercorrências.

De acordo com o relatório Changing Childbirth de 1993, é recomendado que gestantes de baixo risco tenham seus filhos em domicílio e coloca a parteira como figura central de assistência às gestantes.

Esta assistência garante uma abordagem mais humana, respeitosa e menos intervencionista. Como resultado, além das mulheres relatarem uma experiência de parto mais positiva, o índice de cesáreas é de 25%, mesmo tendo as gestantes o direito de escolher a via de nascimento.

Foto: Flickr

E as parteiras brasileiras?

O que poucas mulheres brasileiras sabem é que também temos acesso a estas profissionais.  As enfermeiras obstetras e obstetrizes são profissionais especializadas e podem oferecer a assistência necessária no pré-natal, parto e pós-parto.

Foto: Omane Parto Domiciliar/Arquivo pessoal

Nos últimos anos, graças ao aumento da procura pelo parto humanizado, enfermeiras obstetras, obstetrizes e doulas tem ganhado mais espaço no mercado já que têm tido a chance de mostrar a relevância de seu trabalho na assistência à mulher.

Saindo do convencional: pré-natal coletivo!

Uma experiência de sucesso e alternativa à convencional é o pré-natal coletivo. Nele, a enfermeira obstetra ou obstetriz acompanha as gestantes, seguindo todas as recomendações do Ministério da Saúde, e as mulheres tem a oportunidade de compartilhar suas dúvidas, alegrias e inseguranças da gestação em um ambiente acolhedor e familiar.

Foto: Omane Parto Domiciliar/Arquivo pessoal

Formatado em rodas temáticas, os encontros contam sempre com a presença de doulas que enriquecem os temas, compartilhando informações atualizadas, baseadas em evidências científicas.

O que acontece na consulta de pré-natal?

 Endi Pi, enfermeira obstetra da Omane – Parto Domiciliar, trabalha com pré-natal coletivo e parto domiciliar em Ubatuba, litoral norte de São Paulo, e explica como este serviço funciona.

O Ministério da Saúde recomenda no mínimo 6 consultas de pré-natal durante toda a gravidez mas, em geral, as mulheres fazem consultas mensais até 34 semanas de gestação. A partir de 36 semanas, as consultas passam a ser realizadas quinzenalmente e a partir de 38, semanalmente, até o nascimento do bebê.

Foto: Omane Parto Domiciliar/Arquivo pessoal

A enfermeira realiza os mesmos procedimentos que seriam realizados por um médico:

  • Afere a pressão arterial, verifica peso e outros sinais vitais
  • Avalia a frequência cardíaca  do bebê com um sonar
  • Verifica a altura uterina
  • Faz a palpação uterina para avaliar a posição do bebê
  • Analisa resultados de exames
  • Conversa, dá orientações e esclarece dúvidas
  • Encaminha para o obstetra caso encontre algo que saia do que se considera uma gestação de risco habitual

Elas têm autorização para solicitar todos os exames do pré-natal, menos o ultrassom morfológico. Para isso, é necessário passar em consulta com um médico para obter as guias. Enfermeiras também não podem prescrever remédios.

E a doula?

A participação da doula na gestação é complementar: a doula realiza encontros para conversar sobre assuntos específicos que envolvam o contexto daquela família em particular.

Seu papel é auxiliar a gestante a resgatar a sabedoria que tem sobre seu corpo, a confiar em seus processos e fazer escolhas conscientes.

Neste sentido, o trabalho da doula é fundamentado em três pilares: o de Informar, de Apoiar e de Conectar.

Informar

Para algumas gestantes o mais importante é obter informações atualizadas sobre o universo da maternidade. Aprender sobre o que acontece com seu corpo e suas emoções, entender o que esperar e o que fazer nas diferentes fases do trabalho de parto,  aprender sobre violência obstétrica e seus direitos.

Apoiar

O papel da doula é o de apoiar a gestante e suas escolhas. Acolher suas decisões pautadas em informações atualizadas, de qualidade e conscientes, levando em considerando seu protagonismo, seu contexto familiar, social e valores pessoais. Não cabe à doula julgar, decidir ou convencer a mulher do que ela deve ou não fazer.

Conectar

Para que a relação gestante-doula aconteça é preciso haver conexão. É fundamental que a gestante se sinta à vontade na presença da doula para falar o que pensa, o que sente, sem medo de ser julgada. É um encontro profissional, mas que resulta em uma relação profunda de respeito e carinho.

Foto: Renan Yoshino

Você merece!

Este acompanhamento multidisciplinar apoiado pela assistência profissional de enfermeiras e doulas, tem como objetivo central colaborar para que a gestante se sinta fortalecida, respeitada e possa seguir confiante para o parto, seja ele em ambiente hospitalar ou domiciliar.

Procure por grupos de apoio ao parto humanizado em sua cidade! Lá você encontrará profissionais dedicadas e comprometidas com seu protagonismo.

 

 

Caso queira estudar mais sobre o pré-natal e o trabalho das parteiras, aqui você encontra alguns links de referência.

Boa leitura!

 

Manual técnico de pré-natal e puerpério da Secretaria da Saúde do Governo do Estado de São Paulo: http://www.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/gestor/homepage/programa-de-fortalecimento-da-gestao-da-saude-no-estado-de-sao-paulo/consultas-publicas-manuais-da-linha-de-cuidado-da-gestante-parturiente-e-puerpera/manual_de_consulta_rapida.pdf

Obstetrícia: você sabe o que realmente faz uma parteira?https://lunetas.com.br/mulheres-atendidas-por-parteiras-tem-maior-satisfacao-no-parto/

Changing Childbirth Report: https://www.magonlinelibrary.com/doi/10.12968/bjom.1993.1.4.157

Resolução Cofen Nº 0477/2015Dispõe sobre a atuação de Enfermeiros na
assistência às gestantes, parturientes e puérperas: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-04772015_30967.html

Ministério da Saúde – Pré-natal e Parto:    http://portalms.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-da-crianca/pre-natal-e-parto

 

Doulas recomendam:

Manual do Recém Nascido O Bebê chega e tudo que a gente mais deseja é que venha com manual. Muitas vezes o bebê chora e não conseguimos descobrir o motivo. E tudo bem! Mas te...
Como o seu estado emocional pode afetar o seu part... Você já parou pra pensar que o seu estado emocional pode fazer toda a diferença no seu trabalho de parto (vou usar muito as palavras “trabalho de pa...
Eu não sabia, mas sempre viveu uma Doula em mim Nasci Doula em abril de 2016. Antes, formada em administração e trabalhei por anos na área administrativa. Casei em 2013 e sempre pensei em ser mãe, e...
Você já ouviu falar em APOJADURA? via evelinedias.com Quando falamos em amamentação, surgem diversas dúvidas, é uma fase maravilhosa, mas que necessita de apoio e informação para o...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *