Dor do parto: uma jornada que pode fortalecer

Compartilhe:

A dor do parto faz parte da natureza humana da mulher, sendo diferente de outras experiências dolorosas, pois não está associada à nenhuma doença, mas sim com a experiência de trazer uma nova vida.

É como um maratonista que corre uma maratona daquelas mais longas ou um montanhista que escala o pico mais alto da sua vida. Veja que todos são especialistas no que fazem, com a mulher não é diferente, nascemos para isso, faz parte da nossa ancestralidade.

Por Wendy Kenin Flickr

Dor por favor vamos ser amigas?!

A dor do trabalho de parto é fisiológica, mas também tem influências psicossociais, por isso, a intensidade da dor varia de mulher para mulher, existindo casos onde a gestante relata não ter sentido dor, ou até mesmo ter sentido prazer ao parir.

Sendo assim, a experiência da dor é muito subjetiva e pessoal por isso deve ser considerada, para que assim, sejam encontradas formas ideais de alívio e diminuição dessa dor. Mas uma coisa é certa, se a mulher tiver condições de se concentrar se conectando com o momento do parto, ela sente que é uma dor de que algo está fluindo e transcorrendo tudo como deve ser.

Intervenções que aumentam ou diminuem a dor

Com a chegada do controle da medicina moderna sobre o parto, foram sendo trazidos com ele também ferramentas para tornar esse controle cada vez mais “controlável”,  a ocitocina sintética (o tal sorinho! ) que serve para acelerar o trabalho de parto é uma delas, e dependendo de como é utilizada aumenta a dor exponencialmente. Ou seja, a dor que era para ser sentida naturalmente e em doses homeopáticas acontece artificialmente e com muito mais intensidade, fazendo a mulher sofrer e consequentemente o bebê também.

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Por isso métodos não farmacológicos de alívio da dor vêm sendo estudados e utilizados a fim de proporcionar às gestantes mais equilíbrio e a diminuição dos sintomas de desconforto e dor durante o parto. Já é de conhecimento que esses métodos  podem reduzir a percepção dolorosa, e melhor, são considerados não invasivos!. Dentre eles podemos citar:

  • banho de chuveiro ou de imersão;
  • massagens na região lombar e com rebozo;
  • Técnicas corporais com posições e exercícios que auxiliam o alívio da dor;
  • Técnica de respiração consciente;
  • Aromaterapia específica para o trabalho de parto;

Essas técnicas podem ser utilizadas isoladas ou de forma combinada, que, além de proporcionar alívio da dor, reduzem a utilização de métodos farmacológicos e consequentemente a melhora da experiência vivenciada durante o trabalho de parto. Sem contar que todo esse amparo e suporte dado à gestante faz com que ela se sinta acolhida, podendo assim lidar melhor com as sensações de insegurança, medo e ansiedade, reduzindo o tempo de trabalho de parto e o índice de indicação de cesárea.

Já com relação à utilização de métodos farmacológicos de analgesia como a peridural e a raquidiana (ráqui), sabe-se que têm possíveis efeitos nocivos para a mãe e o bebê, devendo por isso serem evitados. Vejamos alguns desses efeitos:

  • Hipotensão materna;
  • Relaxamento muscular do assoalho pélvico abdômen, levando à dificuldades da rotação interna do bebê no canal de parto;
  • Perda do reflexo muscular do períneo, com eventual prolongamento do período expulsivo e aumento da incidência de partos instrumentais.
Por Eveline Dias

Portanto, cabe então às futuras mães entenderem que a dor do parto muitas vezes se torna fundamental para a adaptação do bebê à vida e à integração da dupla mãe-bebê, não devendo ser abolida. Pois uma mulher que se permite vivenciar todo o processo do trabalho de parto, sem dúvida estará bem fortalecida para a grande aventura que é Ser mãe.

“Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: uma revisão sistemática”  

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072010000400022&lng=pt&nrm=iso

“Efetividade de estratégias não farmacológicas no alívio da dor de parturientes no trabalho de parto” 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000200025&lng=pt&nrm=iso

“Analgesia Peridural para o Trabalho de Parto e para o Parto: Efeitos da Adição de um Opióide” 

 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-72031998000600005&lng=pt&nrm=iso

Doulas recomendam:

Doula pra que te quero? A mulher por trás da Doula... Imagem do arquivo pessoal Eu me chamo Daniela Oliveira Lopes, tenho 34 anos, sou graduada em administração em comércio exterior, casada, mãe ...
Meu “Diário Semanal” de gestação ̵... Oi geeeeeente!! Como vocês estão? Por aqui estamos super bem! A semana 23 foi particularmente excelente, porque o tempo finalmente esquentou. A ...
Duas mãos e um coração: A história de como me torn... Olá, meu nome é Bianca, mas gosto que me chamem pelo meu apelido: Biba (aquela do Castelo Rá Tim Bum, lembram?). Tenho 36 anos e sou doula, bióloga de...
Meu diário “semanal” de gestação ̵... Boooom dia / Boooa tarde / Booooa noite!! No último post eu escrevi sobre as semanas 15 e 16. Esse aqui eu pretendo escrever somente sobre a semana...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *