Depressão Gestacional e Puerperal

Compartilhe:

Ao contrário do que muito se imagina o período da gestação nem sempre é marcada apenas por alegrias, sonhos e realizações. As mudanças físicas, psíquicas e hormonais na vida de uma mulher no período gestacional e puerperal são inúmeras, o que afetam diretamente sua saúde mental.

(Foto shutterstock.com)

Estudos científicos indicam que o período gravídico-puerperal é o período da vida da mulher em que ela está mais suscetível a sofrer transtornos mentais, principalmente no primeiro e terceiro trimestre da gravidez e nos trinta primeiros dias após o parto.

 

Quais os fatores levam à depressão gestacional e puerperal?

(Foto Daniel Muniz ÉPOCA)

A gestação e o puerpério são períodos em que a mulher fica mais sensível devido as alterações hormonais, além do fator hormonal, fatores como falta de apoio familiar, história de violência doméstica, falta de informação, problemas financeiros, gestação na adolescência, antecedentes psiquiátricos, violência obstétrica, entre outros fatores, sendo esses citados os mais relevantes diante das evidências, levam à depressão gestacional e consequentemente a puerperal.

(Foto Daniel Muniz ÉPOCA)

Um estudo desenvolvido pela Fiocruz, o Nascer no Brasil, considerado como o maior estudo a respeito de parto e nascimento já realizado no nosso país, apontou que a violência obstétrica é um dos fatores que eleva consideravelmente o índice nacional de depressão pós-parto.

 

E quais os danos a depressão gestacional e puerperal pode causar no bebê?

(httpswww.astrocentro.com.br)

A mulher com depressão durante a gestação apresenta menor preocupação com seu bem-estar e do bebê, se alimenta inadequadamente, muitas vezes faz uso de bebidas alcoólicas, fumam e não fazem o pré-natal, o que pode acarretar ao baixo crescimento fetal e outros problemas mais graves. Ainda tem um aumento do hormônio cortisol (hormônio do estresse), o que pode levar ao parto prematuro e baixo peso ao nascer, tendo em vista que o nascimento pré-termo e o baixo peso ao nascer são as principais causas de morbi-mortalidade infantil nos países em desenvolvimento.

A depressão pós-parto ainda trás diversas consequências ao vínculo mãe e bebê, principalmente ao aspecto afetivo. Estudos apontam que a depressão pós-parto causam sequelas ao desenvolvimento cognitivo, social e afetivo no bebê, estendendo-se pela infância e adolescência.

Mães com depressão em geral amamentam pouco, tem maiores dificuldades nos cuidados com o bebê e não cumprem o calendário vacinal do mesmo, que por sua vez tem maior risco de apresentar baixo peso e ficam mais suscetíveis à doenças.

Como prevenir e tratar a depressão gestacional e puerperal?

(Foto: arquivo pessoal Grupo de Apoio Maternar – GAM)

A excessiva quantidade de resultados negativos na literatura atual demonstra que a depressão puerperal ainda não pode ser facilmente prevenida, afirmam Zinga e colaboradores (2005). Contudo, pode-se observar que os grupos de apoio à maternidade de forma geral contribuem muito para evitar ou ao menos amenizar os sintomas depressivos, afinal os grupos de apoio desmistificam a maternidade que a sociedade “vende”, uma maternidade onde a mãe sempre está com os cabelos arrumados, a casa em ordem e o bebê limpinho e cheiroso, o que raramente acontece com uma mãe que acabou de ter seu bebê. Essa realidade que a recém-mãe se depara gera uma decepção que pode ser amenizada com informações e relatos de outras mães. O pré-natal psicológico oferecido em algumas regiões como Brasília, por exemplo, também ajuda na prevenção da doença no processo gravídico-puerperal.

Por Rose Galis – Doula

Página do Grupo de Apoio Maternar: https://www.facebook.com/grupomaternar/

Página Profissional: https://www.facebook.com/doularosegalis/

 

Você ainda pode se aprofundar nos estudos sobre o tema nas seguintes referencias:

Prevalência da depressão gestacional e fatores associados: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832008000400004

O pré-natal psicológico como programa de prevenção à depressão pós-parto: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v23n1/0104-1290-sausoc-23-01-00251.pdf

Depressão pós-parto acomete mais de 25% das mães no Brasil: https://portal.fiocruz.br/pt-br/content/depressao-pos-parto-acomete-mais-de-25-das-maes-no-brasil

O que é cortisol? http://www.segs.com.br/saude/78338-cortisol-sintomas-e-causas-do-excesso-do-hormonio.html

DEPRESSÃO PÓS-PARTO VERSUS VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA: https://www.greenme.com.br/viver/saude-e-bem-estar/3378-depressao-pos-parto-versus-violencia-obstetrica

 

 

Doulas recomendam:

Puerpério: dicas práticas de como sobreviver O puerpério é um período de adaptação da mãe, do bebê e da família, também conhecido como resguardo ou quarentena. É um período delicado, em que grand...
Parto normal: eu quero! Amanda Greavette Desde a sua criação a mulher foi agraciada com o poder único e especial de conceber, gerar, parir e nutrir um novo ser. Trata-se ...
Relato de Parto da Débora, nascimento da Helena &#... Relato de parto normal Dia 04/11, pesando 3340kg medindo 48cm chegou minha pequena Helena. As 20:30 da sexta feira 03/11 com 37+2 sinto um líqui...
O parto é um evento social É muito comum gestantes entrarem em conflito familiar por causa do parto. Mas o parto em muitas culturas, já foi um evento muito mais comunitário do ...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *