Os caminhos do trabalho de parto: Fase ativa

Compartilhe:

Mulher na Partolandia

    Foto de Iluminar Partos – Clara Fernandes – @iluminarpartos

O trabalho de parto está avançando, chegamos agora na fase ativa. Se você não leu o texto anterior sobre a fase latente do trabalho de parto (a primeira fase), recomendo que leia antes (leia aqui) para compreender melhor todo o processo pelo qual você irá passar.

Fases do trabalho de parto
Fases do Trabalho de Parto

Agora é de certeza, o trabalho de parto engrenou de vez e o bebê vai nascer em algumas horas! Senta, toma um chazinho e vamos juntas conhecer essa fase que é tão aguardada por todas as gestantes. 😍

O que é a fase ativa no trabalho de parto? Como acontece?

 O nome já diz: fase ativa. É o momento de não ficar parada durante as contrações e sim se movimentar.

Mulher Rebolando
Imagem Google

As contrações agora são efetivas, intensas e constantes, tem ritmo e regularidade, costumam durar mais de 1 minuto e vem em um intervalo de 3 minutos ou menos, isso acontece porque nesse período a mulher tem picos de ocitocina (hormônio do amor, o mesmo hormônio que liberamos quando temos um orgasmo, comemos um alimento que gostamos muito ou abraçamos quem amamos).

Você já tinha certa dilatação (mais ou menos 5 cm), o bebê na fase ativa costuma descer mais através da pelve, fazendo mais pressão sobre o colo do útero, costuma ser a parte mais dolorida do trabalho de parto, mas também é nessa fase que a dilatação se completa.

Na fase ativa é esperado que as mulheres fiquem introspectivas, falem pouco, fiquem a maior parte do tempo de olhos fechados. Isso acontece por que para o trabalho de parto fluir é necessário que o neocórtex (parte do cérebro responsável pelo nosso entendimento, razão, memória, linguagem e percepção) esteja “desligado” (é por esse motivo que as mulheres depois do parto não se lembram direito quantas horas passaram em trabalho de parto, o que falaram ou lhes foi dito naquele momento, os acontecimentos ficam muito vagos na lembrança da mulher).

Casal em trabalho de parto
Foto de Iluminar Partos – Clara Fernandes – @iluminarpartos

Para o neocórtex se desligar é necessário criar um ambiente propício a isso. Então cabe a mim como Doula, ao acompanhante, família e equipe cuidarem disso para você, veja abaixo como:

  • Pouca luminosidade;
  • Mínimo possível de conversas e barulho; Silêncio é ouro nesse momento!
  • Temperatura no ambiente agradável;
  • Liberdade para se expressar, movimentar e vocalizar;
  • Ambiente onde você se sinta segura e protegida.

O parto e nascimento são momentos primitivos, desligue o racional e se entregue aos seus instintos sem medo ou vergonha, neste momento o mais importante é você ouvir seu corpo pois ele sabe o que fazer.

Casal abraçado
Foto de Iluminar Partos – Clara Fernandes – @iluminarpartos

As ondas (contrações) agora serão intensas, mas a parte boa é que mais forte que isso não irão ficar, e tente não pensar na dor como algo ruim que você vai sofrer, pense na dor como algo que ajudará você a parir seu bebê, a trazer seu bebê para os seus braços.

Você entrará na famosa “partolândia” é um estado alterado de consciência, um mergulho interior e muito íntimo vivido por todas as parturientes, é você voltada para dentro de você, é desse mergulho que você irá emergir com seu bebê nos braços.

O que posso sentir nessa fase?

 

Mulher no hospital
Foto de Iluminar Partos – Clara Fernandes – @iluminarpartos

 

  • Dores mais fortes na lombar ou ainda no baixo ventre;
  • Vontade de fazer côco, náusea e vômito (são bons sinais, o corpo está trabalhando e “se limpando” para o parto);
  • Sensibilidade a barulhos e conversas (lembre-se que o corpo pede silêncio);
  • Vontade de vocalizar (além de ajudar a aliviar a dor, faz com que a vagina relaxe).

 Uma dica bem bacana é você ou seu(sua) acompanhante baixar um aplicativo no celular de contar contrações, esses aplicativos contam o tempo de uma contração, o intervalo entre elas, e a média de intervalo em um certo período, assim vocês terão uma ideia de como está evoluindo o trabalho de parto e o momento mais adequado para ir ao hospital.

Siiiiiiiiimmm, é na fase ativa o momento de ir ao hospital! De agora em diante é muito difícil que o trabalho de parto “trave”, então a troca de ambiente (sair de casa e ir ao hospital) dificilmente irá atrapalhar a evolução do se trabalho de parto.

Para ter certeza, o acompanhante pode durante uma hora contar as contrações, se nessa uma hora você tiver 3 contrações a cada 10 minutos ou se elas estiverem com intervalo de 3 minutos ou menos, com duração de 1 minuto ou mais, é hora de ir, pois a partir desse momento no trabalho de parto, você e seu bebê precisam começar a ser monitorados.

Não precisa sair correndo, com calma, se arrumem, peguem as malas, os documentos e exames do pré natal e sigam para o local do parto.

Lembrando sempre de ficar atentos aos sinais de alerta: você deve observar os movimentos do bebê (ele não deve ficar mais de 1 hora sem se mexer), se sair muito sangue (como se fosse uma hemorragia), vá ao hospital o quanto antes! 

Como lidar com a fase ativa do trabalho de parto?

 

Mulher sendo massageada
Foto de Cat Fancote via birthphotographyperth.com.au

É comum eu ouvir das mulheres durante a fase ativa que “elas não irão conseguir”, que “não vão aguentar” e a minha resposta é sempre a mesma:

Claro que você vai, você já chegou até aqui!

 Uma frase simples, mas que dita em um momento de fragilidade como esse pode significar muito. Apoio seria a primeira dica, é muito importante ser apoiada e respeitada em todo o processo. Se cercar de pessoas e profissionais que apoiam o parto é fundamental.

Respire: Quando nos concentramos em respirar lenta e profundamente, nosso corpo tende a relaxar, faça o teste, vá treinando (puxe o ar profundamente e solte devagar com a boca relaxada). No trabalho de parto, quando você sentir a contração vindo, respire, vive uma contração de cada vez;

Receba massagens: Durante as contrações massagem em movimentos circulares com a mão na lombar costumam aliviar muuuito a dor da contração, no intervalo entre elas, uma massagem nos ombros pode te ajudar a relaxar e não tensionar essa região;

Mulher na banheira
Foto de Cat Fancote via birthphotographyperth.com.au

Banho quente, compressa ou banheira: a água quentinha relaxa o corpo e em quase todas as mulheres sempre gera alívio das contrações, use e abuse dela;

Assuma posições verticais, rebole, agache;

Os hospitais mais atualizados nas evidências científicas costumam ter disponível para as parturientes bola suíça (bola de pilates), cavalinho, banqueta de parto. São ferramentas que auxiliam na evolução da dilatação, ajudam a descansar entre as contrações e também podem aliviam as contrações.

Tudo que falei acima são possibilidades que você tem a disposição no trabalho de parto, a única forma de saber o que realmente vai te ajudar de fato, é ir testando cada ferramenta durante as contrações, até mesmo o que te ajudar em um determinado momento pode não mais fazer efeito em outro, conforme o trabalho de parto for evoluindo. Mas fique tranquila, pois é função da Doula e do(da) acompanhante te auxiliar a encontrar o melhor caminho.

Dilatei 10 cm, e agora?

Fase do trabalho de parto - fase ativa
Qual o próximo passo?

Agora falta apenas uma única fase do trabalho de parto para você estar definitivamente no parto, é a fase de transição. No próximo texto da série os caminhos do trabalho de parto, vou compartilhar com você informações a respeito dessa fase que costuma ser a fase mais confusa do trabalho de parto e também a que te deixa mais próxima do seu bebê.

Restou alguma dúvida quanto a fase ativa? Preenche o formulário abaixo e a gente troca informações! <3

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScbAAswBUDhKFpX3YfPPpkiCpQqpfZwZ2EmObOU2VGmw-_9fg/viewform?usp=sf_link

Abraço, Julia Agnes.

 

Referências:

GUIMARÃES, Alberto. Parto sem medo. São Paulo: Editora Mulheres que decidem, 2016. 

Guia da gestação ao puerpério: http://jessicascipioni.s3.amazonaws.com/Guia+da+gestação+ao+Puerpério+-+como+viver+cada+fase+com+mais+leveza.pdf

BALASKAS, Janet. Parto ativo: guia prático para o parto natural (a história e a filosofia de uma revolução). Tradução: Adailton Salvatore. São Paulo: Editora Aquariana Ltda, 2015.

BIO, Eliane. O corpo no trabalho de parto: o resgate do processo natural do nascimento. São Paulo: Summus editorial, 2015.

Influência da mobilidade materna na duração da fase ativa do trabalho de parto: http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v28n11/a07v2811.pdf

 

Doulas recomendam:

Sobre a arte de se tornar doula Era uma vez uma moça que sonhava muito Não disse que eu tatuava? Olha aí! Quem me olha hoje, trabalhando como doula, fotógrafa de partos, dando...
Posso comer e beber durante o trabalho de parto? &... “Saco vazio não para em pé” é um ditado bem popular, mas bem verdadeiro. Dificilmente conseguimos fazer algo produtivo se estamos com fome. Não seria ...
Doula de verdade!!! Doula Sim!!! Sigo aprendendo a cada dia essa missão de cuidar, informar, preparar e acompanhar famílias em seus renascimentos. Sou a Williana Frag...
Afinal, o que é a dilatação no trabalho de parto?... O trabalho de parto começa de fato quando o colo do útero começa a dilatar¹. Toda gestante que está se preparando para o parto normal sabe que tem que...
Compartilhe:

Uma resposta para “Os caminhos do trabalho de parto: Fase ativa”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *