A arte de parir: o que acontece no corpo em trabalho de parto – parte 1

Compartilhe:
gestante
por Eveline Dias

Parir é uma arte. É como música. Existe um compasso, uma melodia, uma harmonia. Existe um regente, um artista e uma plateia. O regente é o bebê, ele determina o início e o fim, com a ajuda de uma cadeia de hormônios. A artista é a mulher, que acompanha o ritmo, o compasso determinado pelo bebê e vai dando as notas à essa música: muda uma posição daqui, toma um banho dali, recebe uma massagem acolá. A plateia é o acompanhante e a equipe, que assistem, incentivam e acolhem regente e artista ao final do espetáculo.

Como começa o trabalho de parto?

Todo espetáculo exige um ensaio e não é diferente com o parto. Nas semanas que se antecedem, o corpo vai se preparando, o útero vai contraindo, ficando duro – as chamadas contrações de Braxton-Hicks. Pode ser que o bebê se encaixe na abertura da pelve, causando fisgadas, mas pode ser que só encaixe na hora do parto. Para saber se uma contração é de verdade, existe um truque: tomar um banho morno por, no mínimo, 40 minutos. Se as contrações passarem, não é trabalho de parto.
Sabe aquele sinal sonoro que os teatros emitem antes das apresentações? Aqui também temos e chamamos de tampão mucoso, que é uma secreção – um catarrinho – que serve de uma rolha para fechar o colo do útero.
Às vezes não tem o sinal sonoro, mas sempre tem as cortinas que se levantam, aquele momento que gera grande expectativa, o rompimento da bolsa das águas. Pode ser que o show se dê com as cortinas abaixadas – na maioria das vezes a bolsa se rompe pouco antes da dilatação total -, mas pode ser que rompa no início de tudo e o trabalho de parto aconteça depois de algumas horas.
O sinal mais concreto do início do trabalho de parto são contrações, mas diferentes daquelas do fim da gestação, que acontecem há semanas, mas são contrações mais bem definidas e ritmadas, que vêm e vão como uma onda, nos primeiros gestos do regente.

Fase latente

gestante no chuveiro
via www.amandavargas.com.br

A fase latente começa junto com as contrações ritmadas, que vão tracionando o colo pra cima, para preparar para a dilatação. É a fase do que chamamos de apagamento do colo. A penumbra, o toque, o banho morno, auxiliam nesse momento a aliviar as dores da contração. Pode ser que nessa fase ocorra o aumento da libido ou a “síndrome do ninho arrumado”, que é aquela vontade louca de limpar a casa inteira e arrumar as coisas do bebê. É um bom momento para se unir ao marido: o esperma possui prostaglandinas, que ajudam no apagamento do colo. Além disso, o orgasmo ocasiona a produção de ocitocina ~o hormônio do amor~, que atua no fundo do útero e promove as contrações uterinas, que desencadeiam na dilatação do colo do útero e na descida do bebê.
De repente – depois de horas ou dias – as contrações ficam ritmadas e mais efetivas e começa a fase da introspecção. E então passamos para o próximo ato.

Próximo ato

penumbra
por Marilia Mercer

A fase ativa é a fase da partolândia, da introspecção, da concentração. É o clímax. A vontade de parir será testada pela dor e pelo cansaço, passando pela covardia e pelo medo. O desenrolar dessa trama, que de orquestra já virou ballet, você pode conferir nos próximos posts bem aqui, na Casa da Doula.

Referências Bibliográficas

BALASKAS, Janet. Parto ativo: guia prático para o parto natural. 2 ed. São Paulo: Ground, 2012. 317 p.

VELLAY, Pierre. Parto sem dor: princípios, prática e testemunhos. 1976 ed. São Paulo: IBRASA, 1976. 276 p.

Doulas recomendam:

Apoio efetivo do acompanhante no parto O apoio efetivo do acompanhante no parto é um dos fatores que melhora os desfechos do trabalho de parto, diminui a necessidade de analgesia e interven...
Meu filho fez dois anos. Será que meu leite virou ... "Ainda tem leite aí?". "Esse menino não vai largar esse peito?". "Quando tu vais desmamar essa criança?". Essas são algumas das perguntas que uma mãe ...
Existe parto sem dor? A analgesia no parto normal Medo do parto? É possível um parto sem dor? Esse post é para você. Via: giphy Antes de tudo, acho importante partir do ponto que, qualquer inte...
Meu bebê é grande. Posso ter parto normal? Imagine um mundo onde todos tivessem um único padrão de peso e altura: as mulheres com 1m60 e 50kg, enquanto os homens com 1m80 e 80kg. E cada casal t...
Compartilhe:

Uma resposta para “A arte de parir: o que acontece no corpo em trabalho de parto – parte 1”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *