A experiência como definição

Compartilhe:

Olá! Eu sou a Aline Teixeira. Sou tantas em uma só! Multifacetada, versátil, camaleoa. Cada pedacinho mostra um pouco, apesar de não contar tudo sobre mim. Sou maior que a soma de minhas partes.

Família e origens

Quando nasci, apesar de ter sido recebida em ambiente preparado para ser um pouco mais acolhedor e ter ficado um tempo no colo de minha mãe, passei por todas as intervenções de rotina do hospital. Minha mãe ficou sozinha todo o tempo da internação e também teve várias intervenções de rotina. Sorte a nossa passar pela experiência do parto normal naquela época.

Minha mãe veio de família numerosa, moravam na roça e todos os filhos nasceram em casa com auxílio de parteira; minha avó morreu em decorrência de complicação no parto. Já meu pai é filho único, da capital e foi adotado logo que nasceu, ainda no hospital. Sou a primeira de seus três filhos. Essas e tantas outras histórias da família me encantam.

A experiência como definição
Foto: Alquimia / Fabricio Mendes

Mineira, de um Belo Horizonte. De família simples, batalhadora e muito amorosa. Guardo deliciosas lembranças da minha infância, ao ar livre, com brincadeiras, bastante convivência familiar, passeios pela cidade e no interior em casa de parentes. Gosto e preservo esses laços afetivos. Costumo ser mais reservada, sou alegre, atenciosa e adoro uma boa conversa. Trabalho desde muito nova, sempre fui mais responsável e aprecio minha independência.

Casada com Fabrício, um cara porreta, super companheiro e carinhoso. Estamos juntos há mais de 20 anos, enfrentando – às vezes não tão de boa assim – a aventura que é esta vida. Aventura que ganhou níveis ainda mais elevados com a chegada do nosso João.

Foto: Alquimia/Aline Teixeira

Formação e escolhas

Venho de formação na área de humanas e saúde, a Psicologia. Especialista em Psicoterapia Humanista/Existencial: Abordagem Centrada na Pessoa, uma linha cujo pressuposto principal é sua visão dinâmica e fundamentalmente positiva e otimista sobre o ser humano. Desde que me formei, em 2005, atuo na área clínica e social.

Após anos trabalhando na Assistência Social de dois municípios, atuando diretamente com vítimas de violações de direitos e suas famílias, em situação de muita precarização do trabalho, desmotivada com o serviço público e adoecida com todo esse contexto, descobri uma nova paixão. A fotografia. E que nem era tão nova assim.

Foto: Alquimia/Fabricio Mendes

Fabrício é fotógrafo, super criativo e lúdico. Vivo imersa nesse mundo desde que nos conhecemos, compartilhando experiências, cursos, projetos e sonhos. Comecei brincando, mas ficou sério. A fotografia trouxe leveza, equilíbrio e um prazer imenso para mim. Foi o que me salvou no momento dessa crise. Em 2011, já fotógrafa, iniciei parceria em trabalhos com ele.

O movimento da humanização

Mas a reviravolta veio mesmo em 2013. Após abandonar o serviço público, buscando um direcionamento profissional mais condizente com meus ideais e projetos, já pensando também em ser mãe e melhorar minha qualidade de vida. Coincidente com a estreia de “O Renascimento do Parto”, marco da minha entrada no mundo da humanização do parto e nascimento.

Foto: Alquimia/Aline Teixeira

“Para mudar o mundo, primeiro é preciso mudar a forma de nascer”, diz Michel Odent. Ele e tantos outros especialistas e pessoas contam sobre a grave realidade obstétrica brasileira neste documentário. Ao mesmo tempo em que fiquei horrorizada e indignada com nosso cenário de altos índices de cesárea, prematuridade e violência obstétrica, também fiquei esperançosa e emocionada ao descobrir uma outra possibilidade, mais amorosa, cuidadosa e principalmente mais respeitosa de vivenciar todo esse ciclo. Muita coisa começou a fazer sentido pra mim, inclusive sobre o parto orgásmico.

Não queria passar pela experiência fria e cruel que muitos hospitais nos oferecem, nem que as mulheres e famílias à minha volta continuassem passando por isso. Então fui em busca de mais informação, cursos, grupos de apoio, pessoas ligadas ao movimento. Virei ativista contra a violência obstétrica e pela humanização do parto e nascimento, reascendi meu feminismo, fiz curso de doula e voltei meu olhar da psicologia para o ciclo gravídico-puerperal; que envolve não só a mulher, mas o casal e toda a família.

Parir, uma experiência extraordinária!

Depois de tantas descobertas, foi minha vez de viver essa experiência. Minha gravidez foi desejada, planejada, tranquila e prazerosa. Claro, tive alguns desconfortos durante a gestação. Lembro de me sentir mal com o calor, alguns poucos enjoos e desmaios, um pouquinho de azia, certo desconforto para dormir e inchaço. Já frequentava o Ishtar, escolhi minha doula, busquei atendimento com equipe e hospital alinhados ao que eu acreditava e elaborei meu plano de parto.

Foto: Alquimia/Fabricio Mendes

O parto, assim como a vida, é uma caixinha de surpresas. Por mais que a gente se prepare e planeje, não temos o controle de tudo. Estar consciente de minhas escolhas, confiar na doula e equipe que escolhi, me entregar ao processo e estar aberta a possíveis mudanças nos planos fizeram toda a diferença.

Escolhi parir em casa com equipe do SUS, mesmo tendo plano de saúde, porque sabia que teria maiores e melhores chances de ter uma boa assistência. Nesse ambiente aconchegante, cercado de paz, amor, respeito, confiança, trazer meu filho direto para os meus braços e assim permanecer por um bom tempo, sentindo seu calor, seu cheiro, seu abraço, escutando seu chorinho e amamentando. Meu marido nos acompanhando, pegaria nosso filho no colo e ali ele também se demoraria, curtindo o momento juntos pela primeira vez. Dele não nos separaríamos tão cedo. Não passaríamos por nenhuma intervenção desnecessária. E assim foi!

João nasceu na madrugada de uma sexta-feira 13 de 2015, às 37 semanas. Foi um trabalho de parto rápido, tranquilo e prazeroso. Um parto quase orgásmico! E também quase desassistido. Com intercorrência na dequitação da placenta, sendo necessária minha transferência para o Hospital Sofia Feldman. Mais intenso e surpreendente do que imaginava, mas igualmente amoroso e respeitoso como desejava.

Colcha de retalhos

Minhas experiências são únicas e definidoras de quem sou. Escolhas alinhadas com minhas crenças e valores. Uma coleção de vivências surpreendentes que vão sendo costuradas com muito amor à minha história. Minha grande colcha de retalhos, misturinha boa.

Vivenciar o processo de gestar, parir e maternar transformou ainda mais a minha vida. E reafirmou meu desejo de atuar nesse universo, com foco na humanização do parto e nascimento.

“Se a doula fosse um remédio, seria antiético não receitar.” – John H. Kennel. Foto: Alquimia/Fabricio Mendes

Não abandonei a psicologia, mas agora minha principal atuação é como doula e fotógrafa de parto. Ainda me dedico ao ativismo, brinco de artesã e enveredo no empreendedorismo. Adoro estudar, pesquisar, planejar e por em prática meus projetos. Tudo isso não teria sentido sozinha. Família, amigos, trabalho, amor, luta, arte são meus grandes pilares.

Quer saber mais sobre mim? Siga minhas redes sociais!

Referências:

Sobre a doula e sua atuação:

Sobre a realidade obstétrica brasileira:

Sobre parto domiciliar:

 

Doulas recomendam:

Parto orgásmico ou o parto como prazer Parto orgásmico? É possível vivenciar esse momento, culturalmente tão ligado à dor e sofrimento, como uma experiência prazerosa? “Se a mulher não ...
Parto normal, natural, humanizado… Quando o assunto é parto normal, muita gente se confunde com esses nomes. Afinal, qual é a diferença entre parto normal, parto natural e parto hum...
Episiotomia é mesmo necessária? Episiotomia é um corte no períneo feito com uma tesoura ou bisturi, comumente chamado de pique ou episio. Um corte que atinge pele e músculos perineai...
Parto domiciliar – Eu posso ter um? Sempre que conto as minhas histórias de parto e não parto nos grupos de gestantes vem o questionamento sobre a escolha do meu parto domiciliar. Muitas...
Compartilhe: