Parto hospitalar: por que ter uma Doula ?

Compartilhe:

Até o final do século XIX, a grande maioria das mulheres tinha parto vaginal e  em casa, realizados por parteiras, conhecidas também como aparadeiras, comadres ou parteiras-legais, que detinham o saber empírico relacionado à gestação, parto, pós-parto e cuidados com os bebês. Nessa época, a participação do médico se restringia às complicações graves e mesmo esse tipo de assistência costumava acontecer no lar. O parto era, portanto, um evento familiar. É possível afirmar também que se tratava de um evento marcado pelo feminino, uma vez que os cuidados desde a gestação eram compartilhados por mulheres, pois além da parteira – mulher de inteira confiança do mulherio de sua região – participavam também avós, mães e irmãs daquela família. Essa rede oferecia à gestante amparo, atenção e orientação. Durante as primeiras semanas, por exemplo, a mulher recém-parida era cuidada por essas mulheres e a elas também cabia ajudar nos primeiros cuidados do bebê e realizar os afazeres domésticos.

De Casa para o Hospital

Fonte: Pixabay

Nas primeiras décadas do século XX, o parto deixa aos poucos de ser um evento familiar e íntimo para se tornar uma prática médica, institucionalizada nos hospitais e regulada por políticas públicas. A hospitalização do parto é um fenômeno universal e teve como pioneiros Estados Unidos, Inglaterra, França, Noruega e Suécia. Nesses países, a transição do parto domiciliar para o hospitalar se deu no período entre guerras. No Brasil, o parto hospitalar passou a ser rotineiro somente após a década de 1960, com a crescente expansão da assistência hospitalar.

A partir de 1980, observa-se então a inversão da curva, ou seja, a maior parte das mulheres passa a dar à luz em hospitais, especialmente nas grandes cidades. De lá para cá, o hospital passa a ser então o cenário oficial do parto, uma instituição predominantemente masculina. Em decorrência disso, o cuidado passa a ser feito por uma equipe técnica, com clara divisão de papéis e que segue protocolos para o atendimento padronizado e em série. Com o incremento da tecnologia, destaca-se também o aumento das intervenções obstétricas. Em decorrência disso, as opções que se apresentam para a gestante passam a ser o parto cirúrgico por cesárea ou parto vaginal repleto de intervenções – o que não podemos chamar exatamente de parto normal.

A Doula como Integrante da Equipe

Fonte: Pixabay

Pensando em um parto hospitalar, surge o seguinte questionamento: se médicos e enfermeiros estão cuidando dos aspectos técnicos do parto, quem cuida do bem-estar físico e emocional da mulher que está dando à luz?

Além da migração do parto da casa para o hospital, outras mudanças ocorreram no cenário sócio-político-econômico desde o século XIX, em especial nas grandes cidades, não é mesmo? A rede de apoio da gestante muda completamente, pois a maior parte dos integrantes da família trabalha fora, poucos têm disponibilidade de tempo para prestar assistência e nem todas as gestantes têm o privilégio de contar com alguém na família com vivência de parto e experiência nos cuidados durante e após esse evento.

Tendo em vista essa realidade, a doula torna-se uma integrante muito importante da equipe multidisciplinar de assistência à mulher. Ela é a profissional treinada para oferecer de forma empática o apoio físico e emocional à gestante, além de informações pertinentes com base em evidências, antes, durante e depois do parto. Isso, sem dúvida, com respeito à sua individualidade e às suas escolhas, com o objetivo de lhe proporcionar a melhor experiência possível relacionada ao seu parto.

Pesquisas mostram que a atuação da doula pode diminuir significativamente os pedidos de anestesia, uso de ocitocina sintética duração do trabalho de parto e taxas de cesárea. Ver estudos.

Entretanto, vale lembrar que a doula não faz qualquer procedimento médico, não faz exames e não é responsável por cuidar da saúde do recém-nascido. Vale ressaltar também que a doula não substitui o/a acompanhante, que é a pessoa próxima a ela escolhida para participar desse momento íntimo e envolvente que é o parto, mantendo com ela um vínculo afetivo. Assim, dizemos que a doula não faz parto, faz parte!

O que a doula pode oferecer?

No trabalho de doulagem que realizo, ofereço:

Antes do parto:

– Escuta empática com o objetivo de entender a realidade de cada gestante/casal, suas necessidades e expectativas.

– Auxílio à gestante /casal na elaboração do plano de parto, oferecendo informações sobre a realidade obstétrica da região, apresentando opções existentes para o nascimento do bebê e procedimentos comumente realizados, com seus prós e contas, com base em evidências científicas, para que possam discutir com os demais integrantes da equipe de assistência sobre quais são suas escolhas para o parto e também possam se organizar para isso.

– Técnicas de relaxamento e exercícios de respiração.

Durante o parto:

– Presença desde o início do trabalho de parto ativo.

– Auxílio no encontro de posições confortáveis para o trabalho de parto e parto.

– Oferta de técnicas não farmacológicas para o alívio da dor, como massagem.

– Cuidado do ambiente (luz, aromas e música), de acordo com o desejo da gestante.

Após o parto:

– Visita à família para dialogar sobre a experiência de parto, se for o desejo da mulher.

–  Apoio básico à amamentação, quando necessário.

– Escuta empática para entender as necessidades daquela mãe no puerpério e busca de soluções apoiá-la quando desejado, orientando e encaminhando para outros profissionais, caso necessário.

Créditos: Instinto Fotografia, por Bianca Namorato
Créditos: Instinto Fotografia, por Bianca Namorato

 

Para conhecer mais sobre o trabalho de doulagem que realizo, cadastre-se AQUI e receba informações. Se preferir, entre em contato diretamente pelo whatsapp (11) 97557 9721.

 

Referências

História da parturição no Brasil, século XIX: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X1991000200002

Assistência ao parto: história oral de mulheres que deram à luz nas décadas de 1940 a 1980: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072013000100020&script=sci_arttext&tlng=pt

Humanização do parto: https://static.scielo.org/scielobooks/pr84k/pdf/maia-9788575413289.pdf

Parto: novas recomendações da OMS: https://www.sns.gov.pt/noticias/2018/02/20/parto-novas-recomendacoes-da-oms/

WHO recommendations Intrapartum care for a positive childbirth experience: http://febrasgo.mccann.health/childbirth_experience_2018.pdf

Você conhece as recomendações da OMS para parto normal? https://www.unasus.gov.br/noticia/voce-conhece-recomendacoes-da-oms-para-o-parto-normal

Suporte da Doula em comparação com o tratamento padrão: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4463913/

Suporte contínuo para mulheres durante o parto: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD003766.pub6/full

Doulas recomendam:

Métodos naturais para alívio da dor do parto. Nascimento da LizMamãe Carla Oliveira e Papai JuniorFoto de Vilma Alves A dor do parto é algo pessoal, cada mulher sente de uma forma e em uma int...
Assoalho Pélvico na Gestação e no Parto O QUE É O ASSOALHO PÉLVICO? O assoalho pélvico é o grupo muscular entre o púbis e o cóccix, responsável pela sustentação dos órgãos abdominais e pé...
Meu filho fez dois anos. Será que meu leite virou ... "Ainda tem leite aí?". "Esse menino não vai largar esse peito?". "Quando tu vais desmamar essa criança?". Essas são algumas das perguntas que uma mãe ...
Por que adiar o banho do bebê após o parto? Na maioria das vezes, é no nosso próprio parto, que vemos pela primeira vez, um bebê que acabou de nascer. Você sabe por que alguns bebês nascem todo ...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.