Como Floresci Doula

Compartilhe:

Quando criança sonhava, tinha o desejo de ser mãe.

Hoje sou mãe da Glenda e do Ian.

Vou falar um pouquinho da minha jornada, até se tornar doula.

 

Gestação

Minha primeira gestação não tive muito preparo psíquico, nem tão pouco emocional. Não soube lidar com toda as transformações. Tão pouco com o relacionamento com os demais, incluindo meu marido.

Na minha segunda gestação já com um preparo relevante, esses preparos incluindo físico, emocional e psíquico. Essa gestação também foi planejada, muito planejada até se passou 8 anos.

Ambas não tive gestação de risco, todas as visitas de pré- natal era sempre a mesma coisa, medir pressão, alguns exames e as ultrassons (que achamos que é benéfica).

Parto

Os dois nasceram de parto “normal”. (Só que não, ambos tive V.O (Violência Obstétrica).

Glenda, foi próximo de 15 horas de trabalho de parto, recebi ocitocina (desnecessário), muita dor, foi um parto bem cansativo, nessas horas fiquei sem comer, fiquei sempre deitada. Não quis o contato pele a pele. Acredito por estar muito exausta e por receber hormônio (ocitocina). Lembro que ganhei dilatação quando me colocaram no chuveiro e a bola Suíça (Santa Bola).

Já o parto do Ian, foram apenas 3 horas, antes de ir para o hospital, comi uma banana, tomei banho, fiz muita caminhada. Como foi um parto muito rápido meu marido não conseguiu acompanhar. E para minha infelicidade fui colocada na posição ginecológica, tive laceração. E sem contar nos comentários desnecessários da equipe médica.

 

Amamentação

Gente! Eu sou muito suspeita em falar. Amo amamentar, sou aquelas louca que quer dar de mamar para todos os bebês. Mas, tive muita dificuldade (pega incorreta) para amamentar. Amamentar é único, ninguém no mundo vai ter esse olhar tão profundo com você. Amamentar é muito além de nutrir, é a sua ligação com seu bebê fora do seu ventre. Com persistência, amor e apoio, Superei, apojadura (preparo do seio para descida do leite)!

 

Como floresci doula

Com todos esses acontecimentos saudáveis e outros nem tanto, um dia amamentando (mãe pega o celular para ver instagram) vi um anúncio de curso de doula, foi sim um brilho (esplendor) de dentro para fora. E logo numa breve reflexão, pude chegar a conclusão que nós mulheres temos que ter um preparo de protagonismo (é decidir lutar contra todo um sistema que é proposto para nós), é resgatar o parto respeitoso (seja ele humanizado, normal ou cesariano, vou estar com você, te apoiando em suas decisões). Gestar com empoderamento. Sem dizer, que o acompanhante é de suma importância, o acompanhante é a sua voz, no parto.

 

Quando aceitamos toda a mudança, transformação (falo por experiência) toda a ligação que temos de nós binômio (mãe e bebê) com o universo, tudo será compreensível.

Somos um belo portal divino!  Gratidão!

Referências: 

As raízes e as sementes: reflexão para além do nascimento.

http://institutoraiz.com.br/2019/wp-content/uploads/2018/11/flvia_seguro.pdf

Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual

https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0102-311X2014000700005&script=sci_arttext&tlng=pt

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.