Não deixa de ter a vida sexual na gestação

Compartilhe:

A gestação traz muitas mudanças na vida da mulher, muitas transformações físicas e psicológicas ocorrem nesse momento. Muda também a vida de casal em vários aspectos, inclusive na questão da sexualidade. A sexualidade não é apenas sexo, como muitos pensam. A vida sexual, presente durante a gravidez, vai muito além do genital. Traz comprometimento e aceitação do outro, com benefícios significativos para os dois. O sexo e a sexualidade podem e devem desenvolver o erotismo na mulher, mesmo gestante, fazendo com que ela possa continuar se sentindo sexualmente desejada, mesmo com as alterações do seu corpo nesse processo que a tornará mãe.

Muitos estudos demonstram que o relacionamento do casal melhora, que a mulher se sente mais confiante quando tem maior prazer sexual, isto é, quando há liberdade de expressão e práticas sexuais durante a gestação. Existe um grande conflito de emoções que o casal sente nessa fase: de um lado, todos os desejos, vontades e sentimentos que qualquer ser humano tem; do outro, uma vida crescendo dentro da mulher, que faz com que todos esses desejos e vontades pareçam algo culturalmente não permitido na gestação. A libido muitas vezes diminui, mas normalmente isso ocorre por causa desses conflitos internos ou entre o casal.

Sexo e fases da gestação

Fonte: Protega o amor. A vida sexual na gestação pode trazer mais confiança e entendimento entre o casal.

Alguns estudos mostraram que, na maioria dos casos, o parceiro continua a procurar a mulher durante a gestação para ter relações sexuais com a mesma frequência de antes. Mas a maioria das mulheres deixam de exercitar sua sexualidade de maneira plena.
No primeiro trimestre, é comum a gestante sentir náuseas, ter diarreia, constipação e outras alterações e incômodos físicos, o que obviamente diminui o desejo sexual. Porém, o segundo trimestre é o mais calmo dos três: a barriga ainda não cresceu muito, a mulher já não tem tantas náuseas, o que tende melhorar a vida sexual do casal. No terceiro trimestre, é muito comum os casais buscarem menos as atividades sexuais por conta de cansaço, fadiga, insônia, contrações uterinas aumentadas, desequilíbrio, tontura e aumento da incidência de câimbras, além do incômodo da barriga. Nesses casos, o que pode resolver é procurar outras formas de prazer sexual. O sexo na gestação tem que contar com a criatividade, descobrir o seu corpo e o corpo do parceiro de novo, de maneira diferente, tudo está mudando e às vezes a posição que mais dava prazer antes, não vai ser possível com barriga da forma que está. Além disso, vamos relembrar que o prazer sexual não é só penetração, é muito triste e pobre pensar que toda a potência sexual que temos no nosso corpo se fecha para o prazer dos genitais.

Por que pré-natal de qualidade é importante?

É verdade que realmente existem casos em que a penetração não é recomendada, casos de gestação de alto risco. Se esse é o seu caso, você já sabe e o médico já deveria orientá-la sobre repouso e evitar tudo o que possa estimular as contrações uterinas. Exatamente por isso, e por alguns outros fatores, é tão importante ter profissionais de pré-natal quem vão lhe dar o acompanhamento adequado. Infelizmente, na situação atual do Brasil, ainda encontramos os profissionais de saúde que conseguem enxergar a sexualidade na gestação como tabu, que não conversam sobre esses temas e não informam sobre a importância de sexualidade na vida emocional, psicológica e física do casal.

Fonte: Pixabay. O profissional de saúde tem como seu dever conversar sobre os questões de sexualidade durante o pré-natal.

A educação em saúde pré-natal deve estar voltada para a promoção da saúde da mulher, do casal e do bebê, o que significa que durante o pré-natal devem ser abordados os temas de importância, como os cuidados com recém-nascido, aleitamento materno e direitos sexuais, reprodutivos e socias. Portanto, é um direito da mulher ter essa informação vinda das mãos do/da profissional de saúde que acompanha o pré-natal, sendo um dever do profissional de saúde tratar as questões de sexualidade com a gestante e o casal.

 

Referencias bibliográficas:

  • Senkumwong N, Chaovisitsaree S, Rugpao S, Chandrawongse W, Yanunto S. The changes of sexuality in that women during pregnancy. J Med Assoc Thai. 2006; 89(4):124-9.
  • Pellegrini JO. A sexualidade na gestação. Femina (Rio de Janeiro) 2003; 31(1):79-83
  • Sexualidade vivenciada na gestação: conhecendo essa realidade

https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/10407

  • Santos RV, Penna CMM. A educação em saúde como estratégia para o cuidado à gestante, puérpera e ao recém-nascido. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2009 [cited 2011set30]; 18(4):652-60. Available from: http://www.scielo.br/pdf/tce/v18n4/06.pdf

 

Doulas recomendam:

O que não dizer a uma gestante! Está convivendo com alguma gestante? Veja o que não dizer a uma gestante nessas 5 frases extremamente comuns. Shhhhhhh! Que peito pequeno! Ixi, s...
Luto, mudanças e o caminho do coração Oi! Eu sou a Jana. Vim aqui para contar minha história, falar sobre meus caminhos e minhas escolhas. Sou doula, mas acredito que seguir essa “missão” ...
Ambivalência Materna na Gestação Para essa nossa conversa eu gostaria, antes de mais nada, de pedir que feche seus olhos e se lembre de todos os sentimentos experimentados por você, q...
Meu “Diário Semanal” de gestação ̵... Oi gente, tudo bem com vocês?? Vamos à mais uma parte do meu diário. Essa semana, agora vou mesmo, falar sobre as contrações de Braxton Hicks, como...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *