Trabalho de Parto: O que esperar?

Compartilhe:

Quando ainda não vivenciamos o Trabalho de Parto paira uma dúvida do que esperar desse momento.

Contração em Trabalho de Parto
Foto: focco visual

Vai doer? Que horas chamo a doula? Qual o momento certo de ir ao hospital? Será que estou em trabalho de parto? Esses questionamentos são normais, você está dentro da normalidade, fica em paz!

Na reta final é compreensível e comum que a ansiedade apareça ou aumente. E os familiares e amigos contribuem significativamente por insistirem em perguntar e exclamar: AINDA NÃO NASCEU???!!!

Deixe-me dar uma dica. Sabe sua DPP (data provável de parto)? Como o próprio nome já diz ela é uma data provável e não exata, marca as 40 semanas de gestação.  Sabemos que o bebê pode nascer uns 15 dias antes ou 15 dias depois, de 38 a 42 semanas de gestação. Então quando perguntarem: “Pra quando é o bebê?” diga a data que marca as 42 semanas, seu bebê provavelmente chegará antes (exceto alguns casos que chegam e por vezes ultrapassam as 42 semanas- sempre bem acompanhados claro).

Existem diversas maneiras de trabalharmos a ansiedade e as dúvidas: Exercícios físicos; principalmente aqueles que trabalham a respiração, terapia é sempre uma boa pedida e terapias complementares como acupuntura, osteopatia, microfisioterapia entre outros.

Porém saber o que esperar e o que acontecerá no trabalho de parto e parto contribui para nossa tranquilidade e segurança.

E é disso que vamos conversar.

Pródromos

Conhecido como “Falso Trabalho de Parto”. É nessa fase que se dão as idas precoces ao hospital.

Temos nessa fase uma mudança nas contrações de treinamento (contrações de Braxton Hicks); aquelas que podemos sentir a partir da 20ª – 24ª semana de gestação, caracterizada pelo endurecimento da barriga, geralmente indolor. Vale lembrar que nem todas as mulheres sentem tão nitidamente essas contrações e está tudo bem. Agora (nos pródromos) as contrações passam a ser doloridas e mais constantes, já ouvi relatos de que nessa fase as contrações perduraram por uma noite toda e cederam ao amanhecer, é uma fase onde não existe evolução. Como elas mudaram e podem durar por um período, sem saber ao certo o que está acontecendo corremos ao hospital porque acreditamos estar em Trabalho de Parto.

Qual o problema de chegar nessa fase ao hospital? Chegar cedo ao hospital, pode implicar em mais intervenções. Você será examinada e se internada poderá ficar um bom tempo até que o trabalho de parto realmente se inicie.

Eles te reavaliarão depois de um tempo e possivelmente não será observado grandes mudanças, falarão que você não está dilatando e que seu colo do útero não sofreu nenhuma alteração. Isto não é nenhuma mentira, se você está fora de Trabalho de Parto você realmente não irá evoluir no processo, colo do útero permanecerá sem dilatar. Aqui é o momento ideal para te oferecerem uma intervenção desnecessária, inclusive uma cesárea, você pode se sentir pressionada e isso pode gerar dúvidas e ansiedade.

Como sei então identificar esse tal “Falso Trabalho de Parto”?

Num Trabalho de Parto é importante conhecermos como se comportam as contrações, como geralmente elas se apresentam (digo geralmente porque somos seres únicos e por vezes o padrão das contrações é bem particular).

Nos Pródromos as contrações não possuem um ritmo estabelecido, sentimos uma contração, depois de 10 minutos vem outra, depois de 20 minutos vem outra, depois 12 minutos mais uma, bem desordenadas. Pode ser que venham um pouco mais ritmadas, mas uma certa hora cessam, sem evolução do processo. A intensidade da contração também não é constante as vezes é bem dolorida, as vezes sua intensidade é média ou fraca. Uma maneira boa de tirar a dúvida é entrar num chuveiro morno ou quentinho e permanecer por tempo considerável, mais que meia hora, ou permanecer em posição genupeitoral, as contrações tendem a aclamar e na sua maioria cessar.

Posição genupeitoral. Foto: pixabay

É comum nessa fase perder o tampão mucoso; não assuste está tudo bem. Ele é refeito. Este é apenas um sinal de que o trabalho de parto se aproxima, outro sinal é soltar o intestino (ambos estão relacionados a queda da progesterona)

Todas as mulheres passam pelos Pródromos? Não.

Importante identificar a fase que você se encontrar e manter a calma. Essa fase é só um aviso, seu corpo está indicando que o Trabalho de Parto se aproxima, ele está trabalhando perfeitamente e está tudo bem, pode relaxar, tente se alimentar normalmente, descansar e dormir. Vida que segue.

Se você tem um doula avise-a dos acontecimentos.

E que comecem os Trabalhos – Período de Dilatação 

Enfim a bendita dilatação! Esse é a primeiro período do Trabalho de Parto. Pro bebê nascer é necessário contrações fortes o suficiente para afinar e abrir o colo do útero (a porção inferior do útero). E elas precisam ser frequentes.

Antes de prosearmos sobre a dilatação quero te dar uma informação importante.

Existem alguns mecanismos que desencadeiam o Trabalho de Parto, um deles me chama bem atenção. Você já parou para pensar quem dá o start pro processo iniciar? O bebê. Com 12 semanas o bebê está praticamente formado, mas ele precisa crescer e se desenvolver para nascer. O último órgão a se desenvolver é o pulmão, com o amadurecimento do pulmão é liberado surfactante e com isso é enviado uma informação para o cérebro da mãe (tipo: manhê tô pronto!) que por sua vez comanda a liberação de hormônios necessários pro processo acontecer. Por isso que dizemos que é importante esperar a hora do bebê.

Processo acontecendo a dilatação se inicia. Temos na fase da Dilatação 2 momentos: Fase latente e Fase ativa.

Fase Latente, é aqui que as contrações podem começar a criar um ritmo, elas aos poucos vão se organizando, porém elas ainda estão distantes umas da outras.  A duração da contração ainda é curta, 30- 45 segundos ou um pouco mais. As contrações nessa fase trabalham puxando o colo do útero para cima, afinando o colo do útero e auxiliando no início da dilatação. Por isso aqui é bem comum observar a saída de mais tampão mucoso.

Pode ser um bom momento para chamar sua doula. Porém não crie um climão de parto. É hora de tomar as últimas providências, ver se todos os exames do pré-natal estão organizados para levar ao hospital, verificar a mala da maternidade, caso sua opção seja parto hospitalar.

Foto: VisualHunt

 

Hora de se alimentar, se hidratar, se quiser fazer uma meditação pode ser bacana para trazer tranquilidade ao processo que se inicia e você ainda pode arrumar a casa ou caminhar se tiver disposição (posições verticais). Entrar no chuveiro é indicado e super relaxante, mas não se iluda as contrações não irão mais embora, a partir daqui começa a maratona. As contrações se tornam mais incômodas, mas a maioria das mulheres conseguem lidar bem com ela (você lidará da sua maneira). Nessa fase é comum relatos de que existe um incômodo como o início das cólicas menstruais e tensão na lombar.

Quanto eu dilato nesse primeiro momento? Quase metade do caminho.

Fase Ativa, aqui o bicho pega! As contrações se aproximam e ritmo se estabelece. A cada 5 ou 3 minutos vem uma contração, elas se tornam compridas durando mais de 1 minuto e são bem doloridas (claro que dor é um parâmetro subjetivo, algumas mulheres sentem mais outras menos) porque agora além do colo estar afinando e abrindo a cabeça do bebê começa a pressionar de forma mais significativa essa região.

É comum sentir um maior desconforto na lombar e na bacia, pressão aumentada na região da vagina e do ânus, náuseas, ânsias, a maioria das mulheres não sentem vontade de se alimentar, a necessidade de apoio se faz necessária e descansar é bem difícil.

É nessa fase que vemos as mulheres entrar na famosa PARTOLÂNDIA; olhos fechados, boca entre aberta, vocalização, o corpo num embalo como se fosse uma dança, mudança de comportamento e desinibição. Durante as contrações notamos que a mulher fica mais calada e concentrada.

É bem comum na fase ativa pedirmos arrego, anestesia, cesárea, morfina qualquer coisa, é aquela vontade de desistir da brincadeira. Chamamos esse período de fase de transição, a fase da covardia, as contrações estão muito próximas, temos um minuto de descanso e as vezes parece que uma contração emenda na outra. A reta final está chegando, mas nem sempre enxergamos com clareza a faixa da linha de chegada. Mas acredite falta pouco para seu bebê nascer.

Foto: Secretaria Especial do Esporte on VisualHunt / CC BY-NC-SA

 

Pode ser que aqui haja uma vontade de fazer força, muitas relatam vontade de fazer cocô, mas ela se torna mais evidente na próxima fase (cada corpo age de uma maneira)

Dilatação total, ufa que maratona!!!

E agora?

Saidinha – Período Expulsivo 

A saída do bebê, o granfinale! O momento tão esperado chegou. Corremos toda maratona é só atravessar a linha de chegada. Finalmente vamos encontrar ao vivo e as cores nosso bebê e senti-lo em nosso colo. É só ele sair. Muita calma nessa hora.

Algumas mulheres tem uma pausa, um descanso nesse momento até as contrações trabalharem para auxiliar a saída do bebê. Está tudo bem, nosso corpo é inteligente e reage da maneira exata que necessitamos. Podemos sentir sono, fraqueza, moleza, é comum fique tranquila e continue se entregando ao processo, não há nada de errado se você ainda não sente aquela vontade incontrolável de fazer força (“puxos espontâneos”), ela chegará, aguarde e escute o seu corpo. Em outras mulheres as contrações continuam e existe uma vontade involuntária grande de ajudar o bebê a sair.

Sobre a dor existem mulheres que referem alívio da dor que vinham sentindo durante a dilatação enquanto outras relatam não sentir alívio algum.

É uma fase em que a participação da mãe é essencial e por isso que reforçamos a importância de se alimentar, se hidratar e descansar, aqui você ajudará ativamente seu bebê nascer. Não é à toa que se chama Trabalho de Parto.

É bem importante relaxar a garganta e o períneo (vagina) para que a saída do bebê aconteça com maior facilidade.

O bebê coroa e podemos sentir um ardor, uma queimação na entrada da vagina denominado CÍRCULO DE FOGO, está tudo bem, é bem comum sentir e se não sentir não há nada errado nisso.

Foto: pixabay

A saída do bebê se dá primeiro a cabeça e depois o corpo, mas ele pode vir de uma vez só.

Pronto bebê está no seu colo! Ufa acabou! Muita calma nessa hora, ainda falta algo.

Placenta- Período de Dequitação

Também conhecido como Período Expulsivo.

Estamos tomados pela alegria do nascimento e isso é muito bom porque mantém a ocitocina circulante e assim temos as contrações para que nasça a placenta.

Vai doer? Não, essa fase é tranquila, mas você pode sentir uma cólica bem chatinha.

O que precisa acontecer? A placenta precisa desgrudar do útero, descer e sair.

A placenta tem diversas funções benéficas pro seu bebê. Função respiratória: promove as trocas gasosas entre a mãe e o bebê. Função excretora: filtra para corrente sanguínea materna os resíduos descartados. Função imunitária: transmite anticorpos maternos e gera imunidade para algumas doenças infecciosas. Função metabólica: absorve e conduz os nutrientes (quer saber mais sobre a placenta acesse: @segredosdaplacenta ) Você pode optar por descartar a placenta ou leva-la embora. Plantar, mandar fazer cápsula, pomada, tintura e muito mais, a escolha é sua.

Acervo pessoal

Mel essas fases são bem delimitadas, acontecem exatamente como na literatura? Nem sempre pessoal, o corpo humano é um mistério e somos seres únicos e complexos, não é apenas o físico e o fisiológico que contam, precisamos levar em conta o emocional e a história de vida de cada mulher, de cada família. Por isso que digo que cada parto é um aprendizado. Você não precisa ser igual ninguém, você terá a sua vivência de parto. Mas entender o que acontece no seu corpo reduz ansiedade, consequentemente reduz tensão e pode ter impacto positivo na dor. Através do conhecimento o processo tende a acontecer e prosseguir com fluidez.

Boa hora!!!

Referências

Parto Ativo – Janet Balaskas

O Corpo no Trabalho de Parto – Eliane Bio

Doulas recomendam:

Os caminhos do trabalho de parto: Fase latente Recentemente escrevi aqui no blog um texto contando a respeito das contrações de pródromos (leia mais),  e nas próximas semanas vou criar uma série de...
Como a doula pode te ajudar com a dor do parto Se você já ouviu falar sobre a função da doula, aposto que na descrição constava a sua atuação quanto a dor do parto, afinal de contas, a coisa mais c...
Quanto tempo o tempo do parto tem? por Aline Baldassim Quando o assunto é o tempo de duração de um trabalho de parto temos que ter em mente, primeiramente o seguinte: o parto é um...
Exame de toque: o vilão Quando se descobri uma gestação, ela vem acompanhada de muitas dúvidas.  Muitas gestantes nem sabem que certos procedimentos são desnecessários e ...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *