Meu parto minhas regras

Compartilhe:

Cada mulher vai ter os próprios desejos e necessidades em relação a seus partos. Desde escolher a via de nascimento até a trilha sonora. Mas até onde vai a autonomia da gestante para fazer essas escolhas e onde começa o limite em que cabe apenas à equipe médica tomar uma decisão?

Ao contrário do que muitos pensam, o enxoval não é a única coisa a que a gestante tem direito de escolha. Durante o trabalho de parto muitas intervenções podem ser necessárias, e em uma assistência humanizada e que preza pelo bem-estar da mãe e do bebê, os riscos e benefícios de cada procedimento são esclarecidos previamente para a mulher, de forma que a decisão seja tomada em conjunto e não de forma unilateral pela equipe médica. Exceto, claro, em casos de emergência ou risco iminente.

Medicina baseada em evidências

Os prós e contras de cada intervenção devem sempre estar fundamentados nas melhores práticas da chamada medicina baseada em evidências científicas, mas precisam considerar também fatores emocionais, valores pessoais, recursos disponíveis.

Photo by rawpixel on Unsplash

É preciso levar em conta que algumas equipes utilizam intervenções de rotina, independente da mulher que está sendo atendida. Por exemplo, muitas ainda têm por prática realizar a episiotomia, que é o corte no períneo para aumentar o canal de parto. Os estudos mostram que essa medida não traz benefícios para o resultado final do parto e pode gerar graves sequelas tanto físicas quanto emocionais.

Best Gif What GIF - Find & Share on GIPHY

Um dos papéis da doula, inclusive, é exatamente conversar com a gestante sobre o cenário obstétrico de sua região e informar sobre os procedimentos mais comuns, oferecendo materiais de apoio para a tomada de decisão com base em estudos de fontes seguras, como por exemplo os trabalhos publicados na biblioteca Cochrane.

Plano de parto, uma ferramenta de diálogo e conhecimento

Se a mulher chega ao hospital em trabalho de parto sem estar familiarizada com as possíveis intervenções que tanto ela quanto o bebê estão sujeitos, as chances de que em algum momento se sinta desconfortável ou insegura são grandes.

Uma forma de organizar essas ideias e evitar ser pega de surpresa, é fazendo um plano de parto, documento onde a gestante lista as intervenções que deseja, as que não deseja e as que aceita em casos de necessidade. 

O plano de parto é uma ferramenta que deve ser usada pela gestante para dialogar com a equipe médica, deixando claro quais são suas necessidades, desejos e preocupações, e ouvindo da equipe seus protocolos e formas de atuação.

O que a mulher pode escolher para seu parto

Nem tudo que se idealiza para o parto poderá ser atendido, ou vai acontecer como planejado, por isso é preciso ter cuidado com as expectativas criadas, para evitar frustrações. A gestante deve levar para a equipe suas demandas e aproveitar para tirar todas as suas dúvidas quanto aos procedimentos que podem ocorrer.

A experiência do parto é única para cada gestação, e não existe “o jeito certo” de nascimento. Mas o esperado é que seja um evento positivo para a família, e que a mulher se sinta segura e feliz. Para umas isso pode significar ter um parto normal ou ter uma pessoa de sua confiança como acompanhante durante o trabalho de parto, e enquanto umas se sentem mais seguras dentro de um ambiente hospitalar outras sonham em parir em suas próprias casas.

Um dos princípios da humanização do parto é respeitar a autonomia da mulher, levando suas vontades em consideração nas decisões médicas. Como o modelo de assistência no Brasil ainda realiza muitas intervenções desnecessárias e que não encontram respaldo na medicina baseada em evidências científicas, cabe à gestante se munir de informações para dialogar com a equipe e elaborar seu plano de parto.

Referências:

Parto Normal ou Cesárea?: o que toda mulher deve saber (e todo homem também). Simone Grilo e Ana Cristina Duarte. Editora UNESP

Diretrizes Nacionais de Assistência ao Parto Normal http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_normal.pdf

Estudando episiotomia  http://estudamelania.blogspot.com/2012/08/estudando-episiotomia.html

WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience https://www.who.int/reproductivehealth/publications/intrapartum-care-guidelines/en/

International Patient Decision Aid Standards (IPDAS) http://ipdas.ohri.ca/index.html

Escolha informada no parto: um pensar para o cuidado centrado nas necessidades da mulher http://ojs.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/17062

Direito Humano Subjetivo e Personalíssimo: a autonomia e a dignidade do paciente frente aos riscos não informados http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1886-58872015000300011

Biblioteca Cochrane  https://brazil.cochrane.org/

Doulas recomendam:

Engravidei, e agora? por Ana Telma Informação: a chave para um parto de sucesso É muito comum ver grávidas sem o mínimo de informação, ou pela falta de alguém que e...
Analgesia (ou anestesia) somente quando solicitada... A analgesia de parto, como a peridural por exemplo, é uma intervenção muito poderosa que nós temos para usar em dados momentos do parto. Não a conside...
Durante o parto podemos ver o bebê nascendo? Muitas mulheres não tiveram a oportunidade de ver o bebê nascendo. Algumas não tinham conhecimento que poderiam ter esse momento ou  quando solicitado...
Cesárea. Meu acompanhante pode entrar? Quando nos encontramos grávidas, em algum momento começamos a pensar e planejar o nascimento propriamente dito. E, no caso de optamos por um parto hum...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *