Gravidez de alto risco: o que é preciso saber?

Compartilhe:

Em um país marcado por um cenário obstétrico de má assistência, a gravidez de alto risco ainda é o argumento de muitos médicos e profissionais de saúde para indicar cesáreas que, muitas vezes, são desnecessárias.

Mas quando o assunto é gestação de alto risco, como saber o que é mito e o que é verdade? Como se defender deste cenário?

Socorro!!!

O que é gravidez de alto risco?

A gestação é um fenômeno fisiológico e, por isso mesmo, sua evolução se dá na maior parte dos casos sem intercorrências. Entretanto, há uma pequena parcela de gestantes que apresentam maiores probabilidades de evolução desfavorável, tanto para o bebê como para a mãe, configurando uma gravidez de alto risco.

O alto risco na gravidez é definido por uma série ampla de condições clínicas, obstétricas ou sociais que podem trazer complicações ao período gestacional, ameaçando o bem-estar do binômio mãe-bebê e comprometendo o desfecho da gestação.

Por isso, a assistência pré-natal deve ser uma avaliação dinâmica das situações de risco e ter prontidão para identificar problemas para poder atuar de maneira a impedir um resultado desfavorável. A ausência do pré-natal, por si só, pode incrementar o risco para a gestante ou o recém-nascido.

Gravidez de alto risco: o que é preciso saber?
Foto: Alquimia / Fabricio Mendes

A gestação é classificada como risco habitual, ou baixo risco, e alto risco. Ou seja, existe um risco e é importante esclarecer que uma gestação de risco habitual pode se tornar de alto risco a qualquer momento, durante a evolução da gravidez ou durante o trabalho de parto. Havendo a necessidade de reclassificação do risco a cada consulta pré-natal e durante todo o trabalho de parto. A intervenção precisa e precoce evita os retardos assistenciais capazes de gerar morbidade grave, morte materna ou perinatal.

Fatores de risco na gravidez

A avaliação de risco na gravidez é uma recomendação do Ministério da Saúde (MS), que aponta vários tipos de fatores geradores de risco gestacional. Alguns deles podem estar presentes ainda antes da gestação, outros referem-se a condições ou complicações que podem surgir no decorrer da gestação transformando-a em alto risco. E podem assim serem agrupados:

Antes da gestação:

  • Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis;
  • História reprodutiva anterior;
  • Condições clínicas preexistentes.

No decorrer da gestação:

  • Exposição indevida ou acidental a fatores teratogênicos;
  • Doença obstétrica na gravidez atual;
  • Intercorrências clínicas.
Gravidez de alto risco: o que é preciso saber?
Foto: Alquimia / Fabricio Mendes

A identificação desses fatores, que interferem na situação de saúde da mulher e do bebê durante o ciclo gestacional, é um processo imprescindível para acelerar ações de promoção e proteção a saúde da mãe e do bebê.

O parto: mito x verdade

Diante dos muitos fatores que contribuem para que uma gestação mereça mais cuidado e atenção, é preciso saber reconhecer a diferença – muitas vezes, sutil – entre o que é mito e o que é verdade.

A determinação da via de parto e o momento ideal para este evento nas gestações de alto risco são grandes questões no nosso cenário. Mas a decisão deve ser tomada de acordo com cada caso e é fundamental o esclarecimento da gestante e sua família, com informações baseadas em evidências científicas atuais e de maneira que lhes seja compreensível, quanto às suas opções e os riscos inerentes a elas, sendo garantida a autonomia e o protagonismo da mulher em todo o processo.

Gravidez de alto risco não é sinônimo de cesariana. Em muitas situações a indicação é o parto normal, sendo possível a indução do parto ou mesmo aguardar o seu início espontâneo.

Gravidez de alto risco: o que é preciso saber?
Foto: Alquimia / Fabricio Mendes

O risco na gravidez é um tema que gera muito medo em nós, mulheres e famílias. Portanto, para ajudar a lidar com esse sentimento, um caminho essencial a se fazer é o da informação baseada em evidências científicas atuais. Que tal começar por essa listinha que deixei nas referências?

Referências

Doulas recomendam:

O tal do parto em casa O parto domiciliar, ou parto em casa, é um direito da mulher e uma opção de local do parto para mulheres com baixo risco de complicações na gestação, ...
A dor da saída : o medo do período expulsivo Um dos maiores medos em relação ao parto é a dor. Sobretudo a dor da “saída do bebê”. O chamado período expulsivo uma das etapas finais, quando o bebê...
Como a perda do Miguel me ajudou a encontrar a hum... Era dia 13/03/2013. Para muitos, dia de expectativa para a escolha do novo papa. Para minha família, dia da confirmação da perda do primeiro neto, fil...
Círculo Feliz Parto em Jacareí – 19 de janei... Olá pessoal!! Pra quem é de Jacareí, estou voltando com uma notícia muito, muito, muito boa: O Círculo Feliz Parto já volta com as atividades agora...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *