Meu “Diário Semanal” de gestação – semana 31

Compartilhe:

Terceiro trimestre a todo vapor gente!!

Segue mais uma parte do meu “Diário semanal” de gestação!!

Consulta de auto risco… De novo!

Um dia antes da minha consulta no hospital de referência da cidade, eu estava muito angustiada. A consulta anterior na UBS tinha dado alteração na PA e segundo a US, meu bebê estava pélvico. Embora eu soubesse que nenhuma dessas informações tinha embasamento científico, quando é você a gestante e você está vivendo esse “espinho na carne”, não há ciência e razão que dê tranquilidade. Percebi que eu também precisava desse momento de abrir as comportas, de extravasar, de chorar, de conversar com alguém. Ali, eu não podia e não deveria mais ser minha própria doula racional e científica, mas eu precisava de alguém que falasse muito mais com o coração do que com livros, publicações e ciência. Chamei minha EO e amiga Kátia pra conversar e ali, chorei muito, me abri… falei dos meus sentimentos, falei da culpa que eu ainda carregava, do meu medo dos vários desfechos possíveis e ela, como o anjo que é, acolheu, leu, aconselhou, falou coisas importantes e lindas, que eu precisava. Ali, me permiti ser gestante carregada de hormônios e sensível que chora até com comercial de margarina… e conversei com meu bebê, pedi perdão várias e várias vezes e já no final da tarde, me sentia bem melhor. (E enquanto escrevia essa parte do texto, meus olhos se encheram de lágrimas de novo). #avidaéforte

As vezes, é preciso mesmo abrir o coração, deixar pra lá essa ideia de ser forte o tempo todo, de querer ter o controle de toda a situação e expor o que está escondidinho lá dentro, machucando e afligindo! Imagem: Pixabay

No dia seguinte, como de praxe, cheguei no hospital e peguei a senha. Teve uma nova reunião com a enfermeira responsável pelas gestantes. Estavam lá certamente umas 12 gestantes. Tudo estava tranquilo. Ao final da reunião, perguntei pra ela sobre a questão do bebê estar pélvico. Pro meu desespero, ela falou que em caso de pélvicos, a cesariana fica agendada para 39 semanas, sem possibilidade nem mesmo de entrar em TP. Segundo ela, “é muito arriscado tentar PN de um bebê pélvico e nesse caso, melhor a cesariana!”. Confirmou comigo de quantas semanas estava e disse que ainda tinha tempo e espaço pro bebê virar.

Me segurei, mas eu estava muito decepcionada. Minha cabeça ficou rodando de novo nas várias possibilidades de desfechos por conta disso. Lembrei dos exercícios de Spinning Babies e da possibilidade do bebê ter virado, por causa do exercício onde usei bolsa fria e quente. Rezei!! Rezei muito enquanto esperava. Fui chamada em duas horas (bem rápido até, em se tratando de SUS na minha cidade). Ao entrar, meu coração só pedia: “Necessito HOJE de outro pedido de US, por favor, por favor, por favor!”.

Engraçado é saber que era desnecessário, mas minha parte emocional estava fora de controle!! Entreguei todos os exames e a última US pra ela. Ela é uma médica bastante introvertida, fala muito pouco ou nem fala com a gente. É muito competente, mas sinto falta desse calor humano. Mas, ali, talvez não caiba isso, sei lá… Vai ver que é atendimento demais né, não sei!! Ali, meio que respirei fundo e mandei: “Olha… eu vi na ultrassom que meu bebê está pélvico e já conversei com a Enfermeira X. Ela me falou que nesses casos, vocês agendam cesariana. Ela falou também que ainda tem tempo pra virar. Tem como deixar uma US agendada lá pra 36 ou 37 semanas, pra ver se virou ou não?”.

Eu nem comentei do Spinning Babies pq, sei lá por quê, achei que ela não entenderia. Deixei de fora do assunto. Porém, quase que instantaneamente ela respondeu: “Nâo precisa, com essa idade gestacional, fazendo uma apalpação dá pra saber. Sobe na maca que já vamos medir, auscultar e já vejo a posição!”.

“Ok”, falei; apenas isso… deitei na maca e a Enfermeira fez ausculta. 142 bpm. “Perfeito!”, ela lançou. 29 cm de altura uterina. “ótimo”. Ela é realmente de pouquíssimas palavras, mas cada uma dessas me trazia tranquilidade. Aí em menos de 10 segundos ela apalpou a barriga e foi falando as partes do corpo do bebê e por último, perto do osso púbico, disse: “Oh a cabeça aqui. Já virou! Certeza!! Está na posição certinha!! Tá tudo ótimo!”.

Senti uma alegria gigante!! Era como se eu tivesse o tempo todo debaixo d’água e finalmente pudesse ter subido pra respirar. Senti alívio, alegria e paz! Estava muito mais leve agora!!

Imagem: Pixabay

Ela me passou um controle de PA pra fazer todos os dias. Avisou que me deixaria ali mesmo pra acompanhar o pré natal, pq já não adiantava mesmo me mandar de volta pra UBS (percebi que existe um jogo de empurra-empurra de ambos os lados. Mas todas as gestantes que passam por lá que já tive contato por fora tb, elogiam muito mais o pré natal hospitalar. Ok, que seja então).

Cheguei em casa e a primeira coisa que fiz foi mandar uma mensagem pra minha amiga EO Kátia!! Finalmente, uma preocupação a menos!! Era algo dentro de mim, comigo e meu bebê que precisava ser resolvida. Estávamos em paz agora!! Parece que finalmente ali, eu reconhecia escancaradamente o quanto eu tinha sido egoísta e medrosa!! Disse pro meu bebê o quanto o amo e o quanto é bem vindo nessa família. Pedi perdão mais várias vezes e disse que aqui fora, vai encontrar muitos beijos e abraços quentes esperando por ele/ela. A família é meio louca, fala alto, brigamos também e temos nosso modo de viver os limites e disciplinas, mas que tudo é feito com amor e focando numa pessoa amorosa, respeitável e focada, quando crescer!! Houve cura, houve perdão e muita aceitação!! E chorei mais uma vez, de felicidade agora!!

Mandei mensagem também pra minha doula, Janaína. Ela comemorou tanto quanto eu (Jana, te curto demais)!! Falou pra eu “amarrar a barriga” pra não deixar o bebê virar mais. Admito que amarrar foi um dia só. Não sei se a meia que já uso me aperta, não consegui usar mais que um dia. Pretendo me empenhar melhor nisso, agora mais por curiosidade mesmo e poder ter experiência pra poder compartilhar no futuro. Amo experimentar essas novidades.

Belly Wrapping é uma técnica de “amarrar barriga” muito utilizada para sustentar a barriga e aliviar a pressão nos membros inferiores. Também é utilizada para diminuir o espaço dentro da barriga e dificultar o bebê “virar” e mudar de posição, após conseguir inverter a posição pélvica para cefálica! Imagem: Pinterest

Acompanhamento da PA, e agora?

Segundo a médica, devo anotar ao menos uma vez ao dia, qualquer horário, como estava minha PA naquele dia, podendo ser até mais que uma única vez. Caso ultrapasse uma medida X, preconizada em estudos e devidamente registrada no controle que ela me deu, aí sim eu volto com a medicação dada na UBS. Fora isso, sem medicar. Então, partiu anotar né!! Vamos ver como seguirá daqui pra frente!

 

Referências:

http://estudamelania.blogspot.com/2012/08/indicacoes-reais-e-ficticias-de.html

Quando a cesárea é bem-vinda, indicações reais

Spinning Babies: Comfort in pregnancy and birth

Home

 

 

Doulas recomendam:

Nasce uma doula Eu sou uma mãe e apaixonada pela maternidade tenho dois filhos, hoje já são adolescentes. O caminho que me levou a me formar como doula foi longo e d...
O medo da dor do parto e a violência obstétrica Muito se fala da dor do parto, alguns falam com convicção que é a pior dor do mundo, que é uma dor equivalente a 20 ossos quebrando ao mesmo tempo, qu...
Vamos falar de amamentação? Podemos começar destacando a importância da “hora dourada”. Trata-se da 1a hora de vida do recém-nascido. Momento em que a família deve ter privacidad...
As 10 principais justificativas para cesárea (e po... A Organização Mundial de Saúde afirma que a porcentagem de nascimentos por cesariana não deve exceder 15%. No Brasil, 55,5% de todas as mães dão à luz...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *