O parto é um evento social

Compartilhe:

É muito comum gestantes entrarem em conflito familiar por causa do parto.
Mas o parto em muitas culturas, já foi um evento muito mais comunitário do que é hoje.
Em culturas indígenas, por exemplo, o parto é um evento das mulheres da tribo; antes do século XVIII, com o advento da medicina e intervenção masculina no parto, eram as mulheres da família, mães, avós, tias, que acompanhavam a mulher durante a gestação, parto e pós parto.

 

Minha mãe e meu companheiro durante o meu trabalho de parto

Então o que mudou?

A mesma interferência médica e científica que auxiliou muitas mães e bebês em desfechos desfavoráveis, que levavam ao óbito, passou a ocupar lugar também das mulheres da família e comunidade no apoio ao parto. Isso aliado as novas configurações familiares e ao isolamento e distanciamento cada vez maior das pessoas, tornou necessária novas formas de apoio.

Nesse caminho resgatando um pouco desse apoio feminino as Doulas, obstetrizes, e enfermeiras obstetras (as duas últimas chamadas parteiras modernas), surgiram nesse apoio as mulheres desde a gestação ao pós parto.

Mas e a família onde entra nesse contexto?

A família ainda é a maior fonte de apoio a gestante e a puérpera, e tanto doula como equipe técnica devem acolhe-los e prepará-los durante o processo.
É importante que a família apoie a mulher e dê segurança validando seus sentimentos, encorajando-a nas suas escolhas e buscando informações seguras de como participar desse processo.

Companheirxs e a responsabilidade

 

Eu, meu companheiro e nosso filho.

Os companheirxs são normalmente os melhores ou piores parceiros na jornada, isso porque a falta de interesse pela gestação e os assuntos ligados a ela, a desinformação são os fatores que geram maior angústia na gestante.

Não é incomum que uma mulher que escolha um parto normal ouça do/da companheirx, que se ela insistir ele não a acompanhará, ou que se algo acontecer ao bebê a culpa será dela. Essa atitude só traz sofrimento, solidão e insegurança a mulher e distancia o casal.

É muito importante que o/a companheirx se interessem, se informem, para derrubar mitos e ter segurança nas escolhas de sua parceira e assim possam juntxs percorrer a jornada que formará a família.

E quando toda a família quer participar?

Há aquelas famílias que recebem com muita alegria a chegada de um novo bebê, e fazem questão de participarem de todo o processo, se for de vontade da mulher é importante que todos se preparem para apoiar a gestação, o parto e o pós parto. Vale lembrar que o parto em si normalmente é um evento mais íntimo e que muitas vezes menos é mais.
A rede de apoio familiar é muito importante, pois dá segurança, mas, se pode invadir o espaço da mulher, e isso não é incomum quando todos querem ajudar. Perguntar e ouvir o que a gestante ou puérpera precisa, prestar atenção aos sinais não verbais, e respeitar dando espaço é a chave para esse momento tão especial e delicado.

Então o parto ainda é um evento social

Por conta de todos esses fatores, e tantos outros, o parto ainda é um evento social, não como antigamente, mas notamos como a rede de apoio, a família de sangue ou não, os companheirxs são fundamentais, pois a chegada de uma nova vida impacta não só na vida da mulher, mas em todas as atividades desenvolvidas por ela, e a todos ao redor.  

Zelar e garantir uma experiência, respeitosa, segura, e de preferência que traga boas recordações é papel social, cabe a todos nós, como doula também faço parte disso.

 

Referências

Parto das índias – etnia mundukuru  http://www.ebc.com.br/infantil/para-pais/2015/04/parto-das-indias-como-mulheres-da-etnia-munduruku-dao-luz

Fatores culturais que interferem nas experiências das mulheres durante o trabalho de parto http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692006000300016&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

O “Parto Normal” como fenômeno cultural http://www.lasics.uminho.pt/ojs/index.php/cics_ebooks/article/download/1724/1658

 

Doulas recomendam:

Acompanhante de parto é direito da gestante Desde o momento em que é admitida no hospital em trabalho de parto até o pós parto imediato, toda parturiente tem direito assegurado por lei de ter co...
Rede de apoio – um oásis no puerpério Olá!!! Muitas mudanças por aí?! Imagino que sim. E diante de tantas mudanças, muitas vezes, o que mais queremos é o apoio. Não é verdade?! O apoio ...
Bolsa rota – Minha bolsa rompeu! E agora? Fonte: http://www.promovidaamae.com.br/o-que-e-bolsa-rota/#prettyPhoto Você sabe o que significa ruptura de membranas? E o termo "bolsa rota", voc...
O que acontece com o corpo pós parto Você já parou para pensar por todo o processo que o seu corpo passa durante a gravidez, e que ele demora 9 meses nesse processo? São alterações hormon...
Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *